domingo, 14 de fevereiro de 2021

Johnny Guitar (1954): Poesia e Tragédia em Western Clássico de Nicholas Ray.


O cineasta Nicholas Ray (1911-1979) tinha profundo apreço por uma de suas mais famosas e admiradas realizações, o western JOHNNY GUITAR (Johnny Guitar, 1954). Ray talvez antevisse que seu faroeste não seria simplesmente um bang bang, e mesmo porque o gênero ao longo da década seguinte sofreria mudanças por conta dos westerns italianos, através de diretores como Sergio Leone e Sergio Corbucci. Sem dúvida, JOHNNY GUITAR é um dos westerns mais estilizados de todos os tempos. Influenciado por outro clássico do gênero, Os Brutos Também Amam (Shane, 1953), realizado por George Stevens no ano anterior, JOHNNY GUITAR teve script de Philip Yordan (1914-2003), que conferiu a seu roteiro diálogos extraordinários de imensa grandeza poética e dramática.

O Cineasta Nicholas Ray.
Em verdade, tanto Johnny Guitar quanto Shane são os heróis clássicos do faroeste americano por excelência. Ambos apresentam indisfarçadamente linha de similitude psíquica, o que leva o espectador a estabelecer certo paralelismo entre os dois, afinal, uma comparação um tanto inútil e perigosa, visto que os dois têm trajetórias bem diferentes.

Nicholas Ray e o produtor associado Herbet J. Yates acompanhando com a estrela Joan Crawford a leitura do script.
Nicholas Ray soube dar ritmo intenso a narrativa, impregnando-a de interesse e suspense crescente. A história, que a julgar pelo próprio diretor, foi extraída de um conto original de Roy Chanslor (1899-1964), coloca a oposição entre a justiça e o arbítrio, centrado no comportamento de duas mulheres, que ao fim, de acordo com o modelo clássico do western, terão que se defrontar uma contra a outra. 

Joan Crawford é Vienna, uma mulher de temperamento forte, uma heroína.
Uma dessas mulheres é Vienna – vivida por Joan Crawford (1904-1977) – mulher de temperamento forte, dona de um Saloon no Arizona, com a qual ela espera enriquecer logo que a Estrada de Ferro chegue pela região, o que contraria os interesses de sua arqui-inimiga, Emma Small (Mercedes McCambridge, 1916-2004), que se coloca a frente da lei, representada pelo delegado Williams (Frank Ferguson 1906-1978), e dos grandes proprietários de terra, que tem como porta voz John McIvers (Ward Bond, 1903-1960), que não querem ver atingidos seus privilégios com a chegada de forasteiros, a disputar-lhe os domínios das terras.

Mercedes McCambridge é Emma Small, arqui-inimiga de Vienna. Uma mulher frustrada, paranoica, que para destruir Vienna...

... usa ilicitamente da autoridade do delegado Williams (Frank Ferguson) e dos donos de terra, liderados por John McIvers (Ward Bond).

Emma merece um estudo acurado. Ela é uma mulher madura e solteirona, que culpa Vienna pela morte do irmão mais novo. Mas o motivo é bem outro, pois em verdade ela é apaixonada pelo bandido Dancin Kid (Scott Brady, 1924-1985), amante de Vienna. Uma paixão não correspondida que faz de Emma uma mulher frustrada, que vê no mundanismo e na feminilidade da inimiga uma agressão ao sentido de sua existência condicionada em meio ao ambiente rude e violento. Ray sempre confessou que gostaria de ter aprimorado mais a personagem de Mercedes McCambridge, que a compreendeu muito bem pelo quadro da ação como uma fera pronta para o ataque. 

Vienna é protegida pelo violeiro Johnny Guitar (Sterling Hayden), antigo amor do passado...

... e pelo atual amante, Dancin Kid (Scott Brady). Contudo, Vienna ama Guitar.

Vienna, já à contrária de Emma, é segura e vigilante, e muito embora se relacione com Dancin Kid, ela não é apaixonada por ele, mas sim por Johnny Guitar (Sterling Hayden, 1916-1986), um amor do passado que chega ao Arizona já dizendo para que veio: proteger a vida da amada e seu estabelecimento de jogo. Guitar, que na localidade assume o nome de Logan, é um violeiro, mas Vienna conhece muito bem seu passado de pistoleiro e rápido no gatilho, e ela acaba contatando-o como seu segurança. 

Dancin Kid lidera um pequeno bando, onde despontam o grosseiro Bart Lornegan (Ernest Borgnine), o adolescente Turkey Ralston (Ben Cooper), ...

... e o tuberculoso Corey, vivido pelo excelente Royal Dano.

Bart logo percebe que não deve provocar Johnny Guitar depois de perder uma briga.
Em realidade, Dancin Kid e seu bando de ladrões de banco, compostos por Bart Lornegan (Ernest Borgnine, 1917-2012), o tuberculoso Corey (Royal Dano, 1922-1994), e o jovem Turkey Ralston (Ben Cooper, 1933-2020) são bandidos nada comparados à turma de boçais de Emma Small, homens autointitulados da lei, em prol da moralidade e bons costumes, que usam de tais subterfúgios para usar a autoridade em suas próprias mãos para interesses pessoais. Muito embora um dos homens de Kid, Bart, dê trabalho para o grupo, Kid, assim como Johnny Guitar, quer preservar Vienna dos agressores instigados pela rival. 

Johnny Guitar enfrenta McIvers, observado por Vienna e Dancin Kid.

Johnny Guitar é o herói calmo e de sangue frio, ativo, ágil e violento, cuja personalidade vigorosa é destacada por Sterling Hayden.
Johnny Guitar ao longo da trama se apresenta calmo e friamente para o espectador, mas como todos os membros masculinos da história, ele surge como ponto agudo da violência em permanente estado de ebulição. Ele é tão ativo, ágil e violento como alguns personagens de Ray, que, incompreendido, torna-se amargo e solitário. Sterling Hayden é o grande herói do filme, não por desempenhar o papel-título, mas porque dá ao personagem uma personalidade vigorosa.


Dancin Kid e Bart Lornegan.
Com Dancin Kid e o adolescente Turkey, o diretor Ray aprofunda a sua sensibilidade dramática no sentido moral de toda perspectiva de sua obra, que é caracteristicamente, a de um não conformista, fato evidente em outras realizações do cineasta, até mesmo em seu evangelho cinematográfico Rei dos Reis (King Of Kings, 1961), que teve também a colaboração do roteirista Philip Yordan. 


Em sua última entrevista, concedida a Kathryn Bigelow e Sarah Fatima Parsons, na Cinematographe Magazine, realizada em maio de 1979, mas publicada em julho de 1979, um mês depois de sua morte, Nicholas Ray foi questionado por uma das jornalistas:

Durante as filmagens de Johnny Guitar, eu li que você trazia flores para Mercedes McCambridge, mas não para Joan Crawford, ou vice-versa, apenas para criar uma tensão entre elas. É verdade?

O cineasta respondeu:

Uma noite, Joan Crawford ficou bêbada e jogou as roupas de Mercedes McCambridge na estrada. Ela era uma ótima atriz, mas às vezes a raiva tomava conta de seu temperamento. Elas eram muito diferentes e Crawford odiava McCambridge.

Joan Crawford e Nicholas Ray.

No catálogo da mostra O Cinema é Nicholas Ray (CCBB; pg. 34), há uma nota do crítico de cinema Ely Azeredo que acompanha a republicação de sua crítica de Johnny Guitar, na qual diz que as “correntes de sexualidade e política”, contidas no filme, “passaram praticamente despercebidas na época do lançamento”. O crítico observa:

A alegada bissexualidade de Ray facilitaria – driblando as censuras – que o ângulo histérico da trama fluísse a partir da tensão sexual entre Vienna e Emma. Apesar da sinalização heterossexual entre elas e “seus” pistoleiros, a libido não se esconde no conflito de poder entre as duas personagens.

Na mesma nota, Azeredo traz uma informação interessante:

Na época [do lançamento do filme, em 1955] não se sabia que a história chegou às mãos de Nicholas Ray depois de comprada por Joan Crawford; nem que os dois haviam sido amantes.

Em sua crítica na Tribuna da Imprensa, em agosto de 1955, Azeredo diz que Crawford “é apenas uma charge, sem espírito, de seus grandes dias”. Já para o crítico e cineasta François Truffaut, em Os Filmes da Minha Vida (Editora Nova Fronteira; pg. 179), sobre a atriz:

Está fora dos limites da beleza. Tornou-se irreal, como o fantasma de si própria. O branco invadiu seus olhos, os músculos seu rosto. Vontade de ferro, rosto de aço. Ela é um fenômeno. Viriliza-se ao envelhecer. Sua interpretação crispada, tensa, levada ao paroxismo por Nicholas Ray, é por si só um estranho e fascinante espetáculo.

Capa da edição em VHS lançada no Brasil em 1989, pelo selo Republic - Paris Vídeo. Acervo do Redator.

O saudoso crítico Rubens Ewald Filho (1945-2019), em sua resenha sobre JOHNNY GUITAR para o site UOL Cinema, aponta que Nicholas Ray sempre declarou que o sub-texto era lésbico, que Emma e Vienna haviam sido amantes e agora se enfrentavam como inimigas. Até porque na vida real, as duas estrelas, Crawford e McCambridge eram realmente inimigas e, ambas, alcoólatras. 


O confronto final entre Emma e Vienna.
O tiroteio final entre as duas rivais foi o tipo de subversão de convenções que levou alguns críticos a declarar JOHNNY GUITAR um filme feminista, e tal como Matar ou Morrer, de Fred Zinnemann, foi interpretado como uma alegoria anti-McCarthy, contra a histeria coletiva e a favor daqueles que defendem seus princípios. Seja qual for seu significado, o filme foi financiado pela Republic, uma produtora menor, sendo corajosamente barroca no uso que faz das cores (fotografia de Harry Stradling, 1901-1970) e na beleza da inesquecível canção tema, composta pelo mestre Victor Young (1900-1956) e interpretada por Peggy Lee (1920-2002).

JOHNNY GUITAR, em divulgação nos jornais em início de 1970 no Rio de Janeiro, em reprise nas três salas do Art Palácio, então existentes. Bons Tempos!

JOHNNY GUITAR é um western que não se deixa levar aos clichês do gênero, sendo concebido por um sentido exótico, poético, sofisticado e por uma fixação intelectual evidente em tão requintado roteiro de Philip Yordan, que nos remete a tragédia. Sem dúvida, merece integrar entre os críticos e cinéfilos como um dos dez maiores westerns do cinema, sendo um dos filmes mais idolatrados pelos críticos franceses e pelos cineastas da “nouvelle vague”, e um dos trabalhos mais notáveis e admiráveis do cineasta Nicholas Ray. 

O Mestre Victor Young compôs a trilha sonora.
A cantora Peggy Lee quem interpretou a canção-tema. 

FICHA TECNICA

JOHNNY GUITAR

(Johnny Guitar)

Ano – 1954

País – Estados Unidos

Direção – Nicholas Ray

Produção – Nicholas Ray para Herbert J. Yates e Republic Pictures Produções.

Roteiro – Philip Yordan, com base no romance de Roy Chanslor.

Fotografia - Harry Stradling, em cores.

Montagem - Richard L. Van Enger.

Música – Victor Young, com interpretação de Peggy Lee.

Metragem – 110 minutos

Ward Bond e Mercedes McCambridge.

ELENCO

Joan Crawford – Vienna

Sterling Hayden – Johnny “Guitar” Logan

Mercedes McCambridge – Emma Small

Scott Brady – Dancin Kid

Ward Bond – John McIvers

Ben Cooper – Turkey Ralston

Ernest Borgnine – Bart Lonergan

Royal Dano – Corey

John Carradine – Old Tom

Paul Fix – Eddie

Frank Ferguson – Delegado Williams

Rhys Williams – Sr. Andrews

Ian MacDonald – Peter

Trevor Bardette – Jenkins

Denver Pyle – Posseman

Will Wright - Ned

Paulo tellEs

Redação




9 comentários:

  1. Olá, Paulo. Ótimo e completo post como sempre. Eu só assisti a fragmentos do filme. Nunca fui fã de Joan Crawford, mas sempre fui de Sterling Hayden. desde "The Eternal Sea", de 1955, que assisti quando adolescente e fiquei impressionado com o ator.
    Mas acho que quem brilha no filme é Joan.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Valdemir! Confesso a você que nunca simpatizei com Joan Crawford, embora reconheça que era uma brilhante atriz (prefiro mais sua rival Bette Davis). Segundo soube, ela odiou fazer este filme, mas foi o que deu a ela uma sobrevida na carreira. Sterling Hayden alguns críticos o consideram um canastrão, mas penso eu muito longe disso. Para mim seu melhor papel foi em O GRANDE GOLPE, de Stanley Kubrick em 1956, que, aliás, merece aqui sua resenha. Abraços do redator.

      Excluir
  2. Um excelente Western dirigido pelo ótimo Nicholas Rua. Joan Crawford está perfeita no papel central. Nunca fui fã de Joan mas reconheço que seu talento é inegável nos filmes que estrelou. Paulo, seu texto é maravilhoso e nos faz apaixonar pela Hollywood clássica e redescobrir filmes como esse há muito tempo sem espaço de exibição na TV. Parabéns pelo texto

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Saudações Adilson! Obrigado pelas suas considerações. Como disse em um comentário anterior, Joan Crawford nunca me apeteceu, embora reconheça suas brilhantes atuações. Mas o filme em si é um poema em um faroeste de primeira, que somente o talento de Nicholas Ray, um dos maiores diretores da Sétima Arte, pôde conceber. Grande abraço!

      Excluir
    2. Ah, só um detalhe: A Última vez que JOHNNY GUITAR foi exibido na TV foi numa madrugada de 2010 (portanto há 11 anos) no CORUJÃO da Globo! Abraços!

      Excluir
  3. Vienna deveria ser o título do filme.
    Ainda assim é um excelente faroeste feminino e claro um dos precursores do gênero a ter mulher como protagonista.
    Nicholas Ray era um homem a frente do seu tempo com obras maravilhosas .

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo! Nick Ray era um cineasta a frente de seu tempo, e certamente Johnny Guitar se torna um faroeste peculiar por dar chance em ter protagonistas femininas.

      Excluir
  4. Muito informativo este blog,postagens bem feitas ..útil pra qualquer leitor..Top

    ResponderExcluir

NOTAS DE OBSERVAÇÃO PARA PUBLICAÇÃO DE COMENTÁRIOS.

COMENTÁRIO DE "ANÔNIMO" NÃO SERÃO RESPONDIDOS E CONSIDERADOS. POR FAVOR, LEIA COM ATENÇÃO:

1)Os Comentários postados serão analisados para sua devida publicação. Não é permitido ofensas ou palavras de baixo teor.

2) É Importante que o comentarista se identifique para fins de interação entre o leitor e o editor. Comentários postados por ANÔNIMO - NÃO SERÃO PUBLICADOS.

3) Anúncios e propagandas não são tolerados neste setor de comentários, pois o mesmo é reservado apenas para falar e discutir as matérias publicadas no espaço. Caso queira fazer uma divulgação, mande um email para filmesantigosclub@hotmail.com.

4) Perguntas que nada tenham a ver com a matéria ou a referida postagem não serão respondidas e serão desconsideradas e descartadas.

Grato.

O EDITOR

“Posso não Concordar com o que você diz, mas defenderei até a morte seu direito de dize-la”

VOLTAIRE