sábado, 7 de abril de 2018

Moisés, o Legislador (1974): Burt Lancaster Mais Distante de DeMille Como Moisés em "Carne e Osso" Para Rádio e Televisão Italiana (RAI).



Embora produzido para a televisão italiana em formato de minissérie, MOISÉS, O LEGISLADOR (Mosè, la legge del deserto ou em inglês Moses the Lawgiver) foi lançado nos cinemas com grande repercussão. Dirigido por Gianfranco De Bosio, e com roteiro de Anthony Burgess (1917–1993), o filme é uma obra conscienciosa e inteligente para o público telespectador. Entretanto, difere bastante de Os Dez Mandamentos (The Ten Commandments, 1956) de Cecil B. DeMille, em todos os âmbitos, apresentando um Moisés "em carne e osso" como definiu o ator Burt Lancaster (1913-1994),  seu intérprete. Se a fita de DeMille oferecia efeitos visuais monumentais e exageradas citações bíblicas, com um Moisés "acima dos mortais" como o que interpretado por Charlton Heston - o filme de De Bosio fornece um script que eleva o líder dos hebreus a sua intensa humanidade, cheio de calos e consumido pelo deserto árido e infinito. 

O Diretor Gianfranco De Bosio
Burt Lancaster durante entrevista no lançamento da telessérie MOISÉS nos Estados Unidos, em 1974.
Custando um orçamento de aproximadamente 6 milhões de dólares e filmado em verdadeiros cenários bíblicos, que incluem o deserto de Negev, Jerusalém, o Mar Morto, e o Mar Vermelho. Tudo foi minuciosamente pesquisado para o filme, para que fosse demonstrada a maior autenticidade possível com fatos históricos apresentados, o mais distante possível aos velhos épicos de DeMille. Quem pôde explicar isso mais detalhadamente foi o próprio Burt Lancaster, que concedeu entrevista em 1974 durante lançamento de MOISÉS, O LEGISLADOR nos Estados Unidos, pela emissora americana CBS:

- Anthony Burgess escreveu um roteiro magnífico, cheio de gênio e encanto. Teve o talento de saber abordar a religião como algo que brota do povo, de suas necessidades, do povo que sai a procura de Deus para manter-se. Choro quando penso num Moisés dilacerado por todos aqueles atos terríveis ordenados por Deus e que roga ao Senhor que não ponha tanto peso sobre seus ombros. E o diálogo de Burgess é comovedor: “Senhor, não sou um homem como os outros, metido nas mesmas vestes da liberdade de escolher?”.

Anthony Burgess, escritor e roteirista de cinema
Lancaster como um Moisés em "carne e osso" como bem definiu.
Lancaster se preparou definitivamente para o papel lendo atentamente o Velho Testamento, sentindo o peso de cada palavra, e lendo vários livros sobre Moisés, um dos quais apresentava como egípcio. O astro ainda acrescentou:

- A lenda mosaica é anterior a Bíblia. Mas a melhor fonte que encontrei foram as 40 páginas de erudição que a Enciclopédia Britânica dedicou a Moisés.



Lancaster ainda na mesma entrevista, não poupou mencionar Cecil B DeMille:

- Ninguém poderá nos acusar de ter tratado o Velho Testamento em “Moisés, o Legislador”, de forma leviana.  A verdade é que os espetáculos de Cecil B. DeMille nada tinham a ver com a Bíblia. Eram épicos monumentais, mas sem pretensão de ser religiosos, mesmo quando o velho DeMille afirmava o contrário



Lancaster se irritou ao ser comparado a Charlton Heston, o Moisés do clássico Os Dez Mandamentos:


- Escutem, se Charlton ficou encurralado em filmes bíblicos, a culpa é dele, porque foi ele que aceitou a limitação. Afinal de contas, como disse Burgess, nós temos a liberdade de escolha, depende do que nos satisfaz. Ajo por instinto, e se alguma coisa me intriga, eu procuro faze-la logo


O Veterano Anthony Quayle como Aarão, irmão de Móisés (Burt Lancaster). Na presente foto, com Ingrid Thulin, que faz Miriam.

MOISÉS, O LEGISLADOR,
abrange toda a história do líder dos hebreus, desde seu nascimento até sua primeira visão da Terra Prometida. A realização da série foi possível graças ao apoio que uma cadeia de organizações – a RAI, Radio Televisione Italiana (Roma) e a Independent Television Corporation (Londres) – deu a um grupo de talentos formado pelo produtor Vincenzo Labbela, o diretor De Bosio, e os atores  de variadas nacionalidades, como Lancaster dos Estados Unidos, Anthony Quayle (1913-1989) da Inglaterra, Ingrid Thulin (1926–2004) da Suécia, e Irene Papas da Grécia. 


Lancaster com Irene Papas, que faz Zippora, sua esposa (foto acima). Na foto presente, Burt recebendo instruções do diretor italiano De Bosio (de costas). 
O roteirista Anthony Burgess optou em não seguir o texto bíblico pela sua falta de unidade, pois pretendeu dar um dialogo moderno, dinâmico, e atual ao seu “Moisés”. A maioria dos livros de Burgess é escrita num clima de suspense que prende o leitor desde a primeira página até o fim. O escritor declarou:


- De fato! A adaptação de “Moisés” tem a mesma atração. Não que eu vá transformar a história do Êxodo num Thriller, mas quero dar a mesma carga elétrica dos meus livros e contos, com certa violência, determinação, e decisão. Forças são absolutamente necessárias deste gênero. Não posso colocar nos diálogos versos bíblicos, senão todos iriam dormir diante da televisão e meu objetivo é exatamente o contrário: quero acordar o público e mostrar que Moisés foi um homem como nós. Moisés é o deserto árido, contínuo, forte, misterioso, fascinante, infinito


Aarão e Moisés encontram o Faraó Mernephta (Laurent Tarzieff)

As filmagens de MOISÉS, O LEGISLADOR (TV - 1974)

MOISÉS, O LEGISLADOR, foi apresentado na televisão italiana com grande sucesso, com 8 episódios perfazendo sete horas de apresentação sem comerciais. Foi feita uma versão para os circuitos comuns de cinema, com duração de 141 minutos de projeção. 

A TRAMA
A Princesa Bithia (Mariangela Melato) adota o bebê Moisés, salvo do decreto de morte aos hebreus recém nascidos.
Preocupados com a expansão das tribos de Israel, o Faraó egípcio Mernephta (Laurent Terzieff, 1935-2010) decreta que toda criança hebreia do sexo masculino deve morrer. Entretanto, Moisés é salvo e criado na corte egípcia. 

Criado na côrte egípcia, o jovem Príncipe Moisés (vivido por Bill Lancaster, filho de Burt) descobre sua origem hebreia. 
Anos depois, seguindo as ordens de Deus, Moisés une-se a seu irmão Aarão (Anthony Quayle) para iniciar a libertação dos hebreus.
Moisés, sua esposa Zippora (Irene Papas) e seu filho.
Anos depois, já Príncipe do Egito, o jovem Moisés (Bill Lancaster, 1947-1997 – filho de Burt), acaba matando um guarda do faraó para proteger um hebreu, e foge da corte. Acaba pairando no deserto, onde conhece Zippora (Irene Papas), filha do pastor Jethro (Shmuel Rodensky, 1904-1989), e acabam se casando. Mais tarde, Moisés (Burt Lancaster) ouve a voz de Deus e este ordena a libertação dos hebreus, e seu encaminhamento a Canaã. 


Obtendo uma relutante permissão do faraó, Moisés divide o Mar Vermelho e sobe ao Sinai para receber os Dez Mandamentos. 

CURIOSIDADES
Foi Sir Lew Grade (1906-1998) que produziu esta minissérie épica, e tentou fazer com que Lancaster também aparecesse em seu mais ambicioso projeto para televisão, a obra Jesus de Nazaré, dirigido por Franco Zeffirelli em 1977, com roteiro de Anthony Burgess. Mas Burt recusou.

Vale destacar a maravilhosa trilha sonora do Maestro Ennio Morricone e o belo trabalho de fotografia de Marcello Gatti (1924-2013). No Brasil, o filme chegou as nossas salas de exibição com o título de Moisés, o Profeta, com a metragem de 140 minutos de projeção. 

MOISÉS(1974/TV) exibido pelas salas do Rio de Janeiro em 1975.
Divulgação do filme pelos jornais do Brasil.

FICHA TECNICA
MOISÉS

O LEGISLADOR
(Mosè, la legge del deserto)
PAÍS – ITÁLIA
ANO – 1974
GÊNERO – DRAMA BÍBLICO
DIREÇÃO – GIANFRANCO DE BOSIO
PRODUÇÃO – SIR LEW GRADE e VINCENZO LABELLA, para a RAI
(Radio e Televisão Italiana)
ROTEIRO – ANTHONY BURGESS
FOTOGRAFIA – MARCELLO GATTI, EM CORES
MÚSICA – ENNIO MORRICONE
METRAGEM – 370 MINUTOS (TV) -  
141 MINUTOS EM EXIBIÇÕES PARA CINEMA


ELENCO
BURT LANCASTER – MOISÉS
ANTHONY QUAYLE – AARÃO
IRENE PAPAS – ZIPPORA
INGRID THULIN – MIRIAM
MOSKO ALKALAI – AMRAM
AHARON IPALÉ – JOSUÉ
JOSEPH SHILOACH – DATHAN
MARINA BERTI – ELISEBA
MARIANGELA MELATO – PRINCESA BITHIA
LAURENT TERZIEFF – FARAÓ MERNEFTHA
BILL LANCASTER – JOVEM MOISÉS
JACQUES HERLIN – MÁGICO
DINA DORON – YOKABED

SHMUEL RODENSKY – JETRO
MARIO FERRARI – FARAÓ RAMSÉS II
SIMONETTA STEFANELLI – COTBI

ANTONIO PIOVANELLI - KORÁ


PAULO TELLES

PRODUÇÃO E PESQUISA