segunda-feira, 23 de abril de 2012

Você se Sente Com Sorte? Clint Eastwood e seus cinco filmes da Série Dirty Harry.


Eu sei o que você está pensando – ele atirou seis ou apenas cinco? Bem, para falar a verdade, com toda essa excitação, eu mesmo perdi as contas. Mas como se trata de Magnum 44, a pistola mais poderosa do mundo, que ia explodir sua cabeça, você deve se fazer uma pergunta: Estou me sentindo com sorte? Bem, você está, idiota? Vamos, complete meu dia!
 –  Mr. Harry Callahan - Dirty Harry


Que tal falarmos do mais polêmico herói policial do cinema, ou por que não dizer o mais verdadeiro e sincero saído da ficção? Falo de Dirty Harry (Harry Sujo). Na verdade, o termo Dirty  é a palavra-chave usada na linguagem inglesa para qualificar qualquer tipo de operação mais ou menos ilegal ou imoral, mesmo sob justificativas nobres. Logo, este é o perfil clássico do personagem interpretado pelo grande Clint Eastwood, onde ele esta dentro do contexto da temática da justiça feita a qualquer preço, doa a quem doer.


Nada se compara a sua brutalidade!  Evidente que as plateias de todo mundo sempre foi apaixonada por lobos solitários (sobretudo nos westerns, só analisarmos heróis interpretados por Gary Cooper, John Wayne, ou Henry Fonda), e Harry Callahan é o exemplo máximo desse arsenal de  justiceiros e vingadores.



O projeto para o primeiro filme da série já havia sido discutido  no início da década de 1960 pelos produtores da Warner Brothers, quando em 1963, Frank Sinatra (1915-1998) foi cogitado para o papel do Inspetor Callahan, sob a direção de Irvin Kershner (1923-2010). Mas um pulso quebrado, sofrido durante as filmagens da  Sob o Domínio do Mal (Manchurian Candidate) impediu The Voice interpretar  Callahan.  



Depois ofereceram à John Wayne (1907-1979), que também  recusou porque ele não fazia “papéis rejeitados por Sinatra ". Os produtores então foram atrás de Robert Mitchum (1917-1997), mas ele também recusou porque ele pensou que o papel era um "pedaço de lixo”. 


Por fim, a Burt Lancaster (1913-1994) foi oferecido papel, mas ele recusou porque ele não concordava com a violência do filme.


Logo, ao longo de um período, o projeto foi engavetado, até que desengavetaram em 1970, quando ofereceram a Clint Eastwood, então já consagrado ator saído dos clássicos de Sergio Leone na Europa, que leu o script e acabou se interessando.


A Partir de Perseguição Implacável (Dirty Harry), em 1971, este deu origem a uma série de mais quatro filmes, sempre com o ótimo Clint no papel do destemido Inspetor Harry Callahan, da Polícia de São Francisco, que são Magnum 44 (1973), Sem Medo da Morte (1976), Impacto Fulminante (1983) e Dirty Harry na Lista Negra (1989).




Vamos a cada um deles então! 


PERSEGUIDOR IMPLACÁVEL 
(Dirty Harry-1971)


Tenso e envolvente thriler que lançou o Inspetor  Hary Callahan. Callahan, alcunhado de Dirty Harry, é um policial frio e brutal de São Francisco, e esta apurando o caso de um franco-atirador assassino (Andy Robinson, em papel cobiçado por Audie Murphy), que vem agindo na cidade, exigindo 100 mil dólares para parar de matar.



Acompanhado a contragosto por um novo assistente, Chico Gonzalez (Reni Santoni), a ordem de seu chefe, o Tenente Bressler (Harry Guardino, 1925-1995), Harry trabalha de modo iconoclasta  e com uma violência que considera necessária para sua função, daí o apelido de Harry, o Sujo.



Depois que aparece outra vítima, um menino negro, Callahan tenta uma armadilha que acaba fracassando, e o criminoso contra-ataca raptando uma garota e pedindo 200 mil dólares de resgate.




O prefeito (John Vernon, 1932-2005) resolve pagar e Harry leva o dinheiro, mas é atacado e quase morto pelo psicopata. Afinal, consegue depois captura-lo, torturando para encontrar o paradeiro da refém, que é encontrada morta.



O procurador público demonstra a Harry que  seus métodos não conduzirão o psicopata as grades. Enquanto isso, Chico, ferido, prefere se desligar da força policial, enquanto o assassino, que é chamado de “Escorpião”, é solto por falta de provas. Assim, Harry parte para uma investigação policial, para incriminá-lo definitivamente. Direção de Don Siegel (1912-1991). Musica de Lalo Schifrin.


MAGNUM 44 
(Magnum Force – 1973)



O segundo (e considerado o melhor) filme da série. Callahan, sempre  individualista, duro e taciturno, une-se a um novo auxiliar, o negro Early Smith (Felton Perry), e realiza algumas missões em São Francisco, antes que uma série de homicídios, vitimando figuras do submundo local o induza a suspeitar da existência de um “esquadrão da morte”, como havia no Brasil, dentro da própria força policial, comandada pelo tenente Neil Briggs (Hal Holbrook).



Destacado para capturar o gangster Frank Palancio (Tony Giorgio, 1923-2012), Callahan desconfia de um velho amigo, o guarda Charlie McCoy (Mitch Ryan), que se diz descrente na justiça, e de quatro jovens policiais de exímia pontaria –  Ben Davis (David Soul, da série de TV Justiça em Dobro, Starsk e Hutch), Mike Grimes (Robert Urich, 1946-2002- da Série de TV Swatt e Vegas), Red Astrachan (Kip Niven), e Phil Sweet (Tim Matheson- já que todos os crimes foram cometidos pela ultrapoderosa arma Magnum 44, usada pela força policial da cidade.


Depois que McCoy é morto numa missão, , Harry é procurado pelo grupo, que se confessa autos dos assassinatos e pede sua adesão. Harry nega e sofre um atentado, enquanto seu parceiro Early morre na explosão de uma bomba deixada pelo grupo.


Espetáculo de ação ininterrupta e brutal, indicado para os apreciadores do gênero, com o roteiro dos futuros cineastas John Milius(O Vento e o Leão) e Michael Cimino (O Portal do Paraíso).  Direção de Ted Post. Música de Lalo Schifrin.


SEM MEDO DA MORTE 
(The Enforcer – 1976)




Terceiro filme da série. Depois de desbaratar espetacularmente uma quadrilha de traficante de bebidas, Callahan é repreendido pelo Capitão McKay (Bradford Dillman), e transferido para outra divisão, onde volta a trabalhar para o Tenente  Bressler (Harry Guardino, 1925-1995).



Um grupo de revolucionários chefiados por Bobby Maxwell (DeVeren Bookwalter, 1939–1987), um cafetão que virou terrorista, executam roubo de armas e acabam matando dois policiais, um deles, o parceiro de Callahan, DiGiorgio (John Mitchum, 1919-2001 – irmão de Robert Mitchum), e exigindo alto resgate para não utilizar a munição. Voltando à divisão de homicídios, Harry passa a trabalhar com uma policial, Kate Moore (Tyne Daly), e os dois buscam pistas para chegar à Maxwell.




Maxwell acaba sequestrando o prefeito (John Crawford, 1920-2010), no clímax transcorrido na famosa Ilha de Alcatraz. Durante a operação, sua parceira Kate é brutalmente morta por Maxwell, tornando uma questão de honra pegar o terrorista a todo custo.


Violência e ação vertiginosa, conforme os padrões habituais da série, dirigido por James Fargo.


IMPACTO FULMINANTE 
(Sudden Impact – 1983)



Quarto filme da série, o único dirigido por Clint Eastwood.  Como sempre, Callahan, por causa dos seus meios “não ortodoxos”, sempre causa insatisfação em seus superiores hierárquicos. Entretanto, estes o mandam tirar umas férias em San Paulo (nome fictício para Santa Cruz) com a incumbência de averiguar o assassinato de um homem vítima de um tiro nos órgãos genitais.



Logo, incompatibilizando-se com o chefe de polícia local, Jennings (Pat Hingle, 1924-2009), Callahan trava amizade com a pintora Jennifer Spence (Sondra Locke, então companheira de Eastwood durante 14 anos, jamais se casaram), ignorando que ela é a própria assassina, agindo em vingança contra os homens que a dez anos a estupraram e também a sua irmã Beth (Lisa Britt), que ficou traumatizada.


Enquanto Callahan faz suas investigações, Jennifer faz sua segunda e logo terceira vitima, e o inspetor percebe aos poucos, que ela e ele tem muito em comum.


DIRTY HARRY NA LISTA NEGRA 
(The Dead Pool – 1989)



Quinto e último filme da série, que narra dessa vez  a trajetória do incorruptível Callahan as voltas com um assassino psicopata. Agora esta em companhia de um novo parceiro, o oriental Al Quan (Evan C. Kim), e investiga três assassinatos: de um cantor de rock, um apresentador de shows e uma crítica de cinema.


As pistas o levam a um cineasta de segunda categoria, Peter Swan (Liam Neeson), um diretor de filmes B, que cria uma lista de oito pessoas famosas (e vários membros da sua equpe também fizeram listas) que correm risco de serem mortas em São Francisco até uma data específica.

Seria só um "jogo" chamado "Lista Negra" se as pessoas da lista não começassem a morrer, uma a uma. A primeira vítima é Johnny Squares (Jim Carrey), um ator, e logo depois morre Molly Fisher (Ronnie Claire Edwards), uma crítica de cinema, que estavam na lista de Swan, que se torna o principal suspeito. 



Ajudado por Samantha Walker (Patricia Clarkson), uma repórter de televisão com quem se desentendera no passado, Harry Callahan investiga o caso com especial interesse, pois ganhou fama ao ser responsável pela prisão e condenação de Lou Janero (Anthony Charnota), tendo também sido incluído na lista. Dirigido por Buddy Van Horn.

PRODUÇÃO E PESQUISA: PAULO TELLES

quinta-feira, 12 de abril de 2012

O Bom e Veterano Batman: Nobre Adam West Ganha uma Estrela!


No último dia 5 de abril, o bom e eterno Batman da famosa série de TV exibida entre 1966 a 1968 recebeu merecida e justa estrela na famosa Calçada da Fama, a estrela de número 2.468, localizada em frente do Guinness World of Records Museum na Hollywood Boulevard.




E por que não? Afinal, é bem possível que o único e verdadeiro Homem Morcego na idolatria, imaginação, admiração, e paixão de fãs de todo o mundo, tanto do nobre ator quanto do herói criado por Bob Kane em 1939, já vinha merecendo esta honra.

William West Anderson, seu verdadeiro nome, nascido a 19 de setembro de 1928, foi criado em um rancho em Walla Walla, Washington. Formado em literatura e psicologia, decidiu seguir carreira artística. Foi leiteiro, vendedor em uma loja de departamentos, DJ de uma rádio, atuou, dirigiu, escreveu e produziu peças regionais, e foi apresentador de programas de variedades no Havaí, onde também trabalhou como piloto de avião turístico de pequeno porte, e principalmente, praticante de surf. Foi através como piloto turístico que Adam conheceu um agente que o levou para Hollywood, onde conseguiu para ele um contrato com a Warner Brothers.


Enquanto esteve com a Warner, ele fez participações em várias séries produzidas pelo estúdio na época, como Maverick, 77 Sunset Strip, Colt 45, Hawaiian Eye e Sugarfoot.
Em 1962, Adam se tornou ator em participações, trabalhando em filmes para o cinema e séries produzidas por diferentes estúdios. Entre elas, Os Detetives, com Robert Taylor (1911-1969), da qual integrou o elenco ao longo de sua terceira temporada.


Em 1964, interpretou um papel no curioso filme de ficção científica Robinson Crusoé em Marte (Robinson Crusoe on Mars), onde era o companheiro do protagonista, mas que morre quando aterrissam em Marte.

Em 1965, com o trabalho ficando escasso, realizou alguns trabalhos, atuando ao lado dos Três Patetas no filme Reis do Faroeste (The Outlaw is Comming), indo depois para a Europa estrelar um faroeste italiano, Os Quatro Implacáveis (I Quattro Inesorabili), título nos nossos cinemas, mas exibido na TV como Os Quatro Malditos, dirigido por Primo Zeglio (1906-1984).

Após atuar em um comercial da Nestlé no qual parodiava James Bond, Adam foi convidado pela Fox para estrelar a série Batman. Curiosamente, antes do cancelamento da série, West foi convidado por Margaret Thatcher, antes de se tornar a Primeira-Ministra da Inglaterra, a ensinar crianças na fase escolar as regras de trânsito em um documentário. Nesta viagem a Londres, Adam conheceu o produtor Albert Broccoli (1909-1996), que segundo ele, lhe ofereceu o papel de James Bond, em substituição a George Lanzeby, que não agradara ao público quando foi substituído por Sean Connery. Mas, sabiamente talvez, Adam declinou do convite, convencido de que a crítica britânica o crucificaria por um americano a desempenhar um agente inglês, assim como fizeram com Lanzeby, um australiano.


O personagem, criado em 1939 por Bob Kane (1915-1998) para a revista Detective Comics, já havia sido adaptada duas vezes para as Telas de Cinema em dois seriados das matinês na década de 40. Na década de 60, os direitos de produção foram cair nas mãos de William Dozier (1908-1991), cuja única familiaridade com o personagem era justamente os seriados antigos, que como a série de TV que ele produziria, também eram engraçados e havia até o uso das onomatopeias nas cenas de luta.



Juntamente com o roteirista Lorenzo Semple Jr (nascido em 1923), Dozier concebeu Batman como uma série televisiva de aventuras ao estilo dos velhos seriados, onde os heróis se envolveriam em situações absurdas, combatendo vilões e tentando escapar de hilárias armadilhas. Na foto acima, Bob Kane entre West e o Charada, Frank Gorshin.

Entretanto, West tinha pretensões de ser um astro de cinema ou televisão. Foi justamente um dos comerciais como James Bond para Nestlé que chamou a atenção de Dozier. West nunca negou que de início estava amedrontado, já que queria fazer uma carreira séria, mas depois começou a se animar e interpretar o personagem, cujas revistas lia quando criança. Na verdade, aos 10 anos, West colecionava vários quadrinhos, e entre eles incluía Batman, que o impressionou bastante - um herói meio morcego parecendo uma mistura de Conde Drácula e Charlie Chan (segundo suas palavras).




A SÉRIE estreou em 12 de janeiro de 1966, tornando-se imediatamente monstruoso sucesso e desencadeando a primeira febre da batmania americana, e sendo levada ao ar duas vezes por semana, as quartas e quintas feiras. O primeiro episódio terminava tal qual os saudosos Seriados de Cinema, satisfazendo a nostalgia do público adulto, e sua continuação era exibida na mesma semana, finalizando uma história de 50 minutos no total. A campanha publicitária surtiu efeito, levando a série à lista dos dez mais na televisão em sua primeira semana de exibição.

No auge da batmania, em 1966/67, entre a primeira e a segunda temporada, os produtores resolveram levar a série ao Cinema em um longa-metragem de alto orçamento, Batman, o Homem Morcego. Na época, o filme não emplacou comercialmente, possivelmente por não apresentar novidades, já que a versão cinematográfica é uma síntese das características da série. Em 1990, foi relançado nos cinemas brasileiros, emplacando grande sucesso por aqui.

A moda da batmania passou como fogo em palha, e a série não resistiu à uma terceira temporada, nem mesmo com a inclusão do Sex Appeal de Ivonne Craig, como Batgril.

Batman transformou o ator em um sucesso da noite para o dia, mas também ficou marcado pela imagem do Homem Morcego. Com dificuldades de conseguir novos trabalhos em filmes ou outras séries após o cancelamento de Batman, Adam explorou a imagem do herói dos quadrinhos ao longo dos anos vestindo-se a caráter, fossem em eventos, aparições públicas, circos, ou mesmo em promoções de luta livre americana.

Mas em 1977, West voltaria a interpretar Batman, dublando um desenho animado por semana. A princípio, recusou o convite, pois tentava se livrar do personagem, mas reconsiderou quando imaginou que não gostaria de ver outra voz interpretando o Herói. Em 1979, voltaria a vestir o uniforme do Homem Morcego no filme Legend of Super Heroes, voltando a contracenar novamente com seus colegas da série, como Burt Ward, o Robin, e Frank Gorshin (1933-2005), o Charada, onde Batman, juntamente com seu companheiro Robin, une-se uma liga de super-heróis para combater o crime, uma versão em forma de série do desenho Superamigos, que não emplacou de tão ridículo que era.


Hoje, West vem mantendo sua carreira com participações especiais em filmes e séries, muitas delas animadas. É casado desde 1970 com Marcelle Lear, sua terceira esposa, e tem seis filhos.

Parabéns, Mr.West! Esta estrela era sem dúvida esperada, antes tarde do que nunca. Vida Longa e com muita Bat-saúde.


BAT-PORTFÓLIO


Santo Relax, Batman!



Batman no Circo!

Com o Filho!


Eterna Santa Sedução, Batman! Julie Newmar, a verdadeira Catwoman!


Os Vilões que tanto Amamos!


O Milionário Bruce Wayne!


Batman Intelectual!


A Dupla Dinâmica!


O Bom e Veterano BATMAN...que não perde seu charme!


Bat-Simpático, distribuindo autógrafos!


Bat Experiência!


Bat-Amizade! Bons e Velhos amigos de tempos!


Dupla Dinâmica FOREVER! Mas Burt, por que engordou tanto? Não importa, será sempre o verdadeiro ROBIN!


FIM