sexta-feira, 12 de agosto de 2011

Capitão América- Dos Gibis para o Cinema e TV

Um dos heróis mais populares dos gibis está de volta às telas do cinema, dessa vez sob a direção de Joe Johnston – Capitão América – O Primeiro Vingador resgata de modo fidedigna às origens deste super-herói criado em criado por Joe Simon e Jack Kirby em 1941, ou seja, há exatos 70 anos. Mas de lá pra cá, houve muitas interpretações deste personagem que vem encantando gerações (para aqueles entre 55 a 40 anos, as reminiscências ficam por conta dos desenhos do herói que eram exibidos na TV nos anos de 1960 e 70 no saudoso Clube do Capitão Asa, apresentado por Wilson Viana (1928-2003), onde também eram exibidos Homem De Ferro, Hulk, Namor, Thor e o Homem Aranha).

Não é a primeira vez que o “Sentinela da Liberdade” é levado às telas do cinema, pois o herói já emplacou em outras versões cinematográficas, bem como também na TV, e aproveitando o embalo do sucesso desta nova produção que vem arrecadando sucesso de crítica e público, vamos falar brevemente da origem de sua criação nos quadrinhos e sua transposição para a Telinha e para a Sétima Arte.

O Capitão América surgiu em 1941, durante a Segunda Guerra Mundial, na revista Captain America Comics, da Timely Comics (hoje Marvel), criado por Joe Simon (ainda vivo quase centenário) e Jack Kirby (1917-1994). Seu primeiro número vendeu rapidamente mais de 1 milhão de exemplares e fez de Simon e Kirby notórios da noite para o dia.

Segundo Simon, O Capitão América foi criado para divertir, não era propaganda, embora isso não tenha impedido que os simpatizantes nazistas nos Estados Unidos nos criticassem. Simon ainda lembra aquela idade de ouro na qual os Estados Unidos, em um período de alguns anos, dotou-se através da história em quadrinhos de todos os super-heróis possíveis e imagináveis, inclusive até em excesso.

A indústria das histórias em quadrinhos começou com o Superman e, quando os super-heróis começaram a ter sucesso, todas as editoras quiseram subir nesse trem, disse Simon. Mas, segundo ele, depois da Segunda Guerra Mundial muitos dos novos personagens não conseguiram mercado porque havia uma saturação de super-heróis nas bancas.
Capitão América, ou Steven Grant Rogers (mais conhecido como Steve Rogers), era um garoto americano franzino, nascido no Lower East Side, em Manhattan, Nova York, que queria participar do esforço de guerra contra os nazistas.

Mesmo recusado pelo exército, Steve se inscreveu em um programa de pesquisas militares. Por seu caráter perseverante foi escolhido entre muitos para ser cobaia do “Soro do Super-soldado” desenvolvido pelo Dr. Reinstein no experimento especial, "Operação: Renascer".

Logo após a aplicação do soro, o corpo de Steve se desenvolveu de maneira assustadora, criando músculos e resistência sobre-humana. Por obra do destino, Reinstein foi assassinado por um espião logo após o sucesso do teste de Steve, e a fórmula morreu com ele. Assim Steve foi o único super-soldado criado no projeto.

O Governo lhe deu um uniforme, um escudo e o nome de Capitão América. Bucky,um pré-adolescente, tornou-se seu parceiro e juntos lutaram na Europa durante a guerra.

Na Alemanha encontrou o Caveira Vermelha, braço direito de Hitler, que se tornou seu pior inimigo. O fim da Guerra foi também o fim do sonho. Bucky morreu, e o Capitão, ao cair de um avião nas águas geladas do Canal da Mancha, foi dado como morto e ficou congelado por décadas no Ártico.

Mas não demora, três anos depois, em 1944, a fabulosa Republic Pictures, responsável por inúmeros seriados das matinês de sábados e domingos nas décadas de 40 (e precursoras até mesmo das séries de TV) lança pela primeira vez um seriado para o cinema de 15 capítulos sobre o herói recentemente criado. Entretanto, nada fiel ao personagem e aos eventos que o cercam.

Com um clima mais detetivesco , o seriado Capitão América tem cenas de lutas espetaculares e uma narrativa que consegue prender o espectador a cada episódio, com finais que sempre colocam o herói em uma cilada, instigando os espectadores sobre o que viria no próximo capítulo, pois assim eram os seriados de cinema, para ver a sequência de um capítulo e saber se o herói conseguiu escapar da armadilha teria que comprar entrada na semana seguinte para saber como tudo aconteceu.

Steve Rogers na verdade era o promotor público Grant Gardner, o seriado não se passa na guerra, nem tem nazistas como vilões, o herói usa os punhos e as vezes revólveres ao invés do famoso escudo, e a própria identidade do Capitão América, como já foi dito, é outra, sem contar é claro que sua máscara não tem as asinhas que tão bem o caracterizam.

DICK PURCELL (1905-1944) foi o primeiro ator a viver o personagem no cinema. Embora para os padrões atuais, ser mediano na estatura e meio gordinho, convenceu a criançada da época que não ligava muito para detalhes. Mas poucos meses depois de concluir a série, Purcell morreu de um ataque cardíaco fulminante com apenas 38 anos após um jogo de golfe e seu corpo foi encontrado no vestiário do clube em cima de um sofá.

Outro detalhe importantíssimo sobre o seriado é a presença de George Lewis (1904-1995) que é um dos vilões e fez outros mais em vários seriados da Republic e da Colúmbia, e que mais tarde seria Don Alejandro de La Vega na série de TV do Zorro com Guy Williams, da Disney, em 1957.

Mas o vilão principal, o escaravelho (equivalente ao caveira vermelha nos quadrinhos, de tão sádico eram seus métodos) foi interpretado por Lionel Atwill (1885-1946), que trabalhou em grandes clássicos do cinema, como Capitão Blood, com Errol Flynn, e Mulher Satânica com Marlene Dietrich.

NOS GIBIS A revista Captain America Comics teve 75 edições publicadas entre 1941 e 1950, sendo que nos dois últimos números a revista já havia mudado o nome para Captain America's Weird Tales (os super-heróis haviam saído de moda e o horror era o material que mais vendia).

O personagem voltou em mais três edições, em 1954 (Captain America 76-78), seguindo a numeração anterior, mas teve seu título cancelado.

O Capitão América ressurgiria em The Avengers #4, de 1964. O personagem dividiu por alguns anos a revista Tales of Suspense com o Homem de Ferro (Tales of Suspense 59-99), e só voltou a ter seu próprio título em Captain América #100, publicado em 1968.

O personagem veio à televisão pela primeira vez em uma série animada semanal assinada por uma produtora canadense e criada a partir das páginas originais das revistas em quadrinhos. Logo no primeiro episódio, o desenho conta a origem do herói exatamente como esta nos gibis: Steve Rogers, um jovem franzino que não conseguia se alistar no exército se oferece como cobaia em um experimento militar que o transforma em um super-soldado a serviço do país (alguém Falou de Audie Leon Murphy, também franzino que se tornou o soldado americano mais condecorado da II Guerra mundial que também foi rejeitado pelos fuzileiros e acabou também persistindo e aceito pelo exército americano??? – bom, isto é uma outra história para breve em nossos artigos, já em pauta).

Também como nas HQs, o personagem tem como principal vilão o nazista Caveira Vermelha e, como aliado, o intrépido recruta James "Bucky" Barnes. Logo no quarto episódio da série, após se envolver em um acidente que coloca sua vida em suspensão, o herói é resgatado do mar pelos Vingadores, grupo integrado por Thor e Homem de Ferro ao qual a partir de então ele irá se juntar.

AQUI NO BRASIL, o desenho do Capitão estreou em 1967 juntamente com as revistas em quadrinhos da Editora EBAL, como estratégia de uma grande campanha publicitária dos postos Shell, que distribuía exemplares das revistas gratuitamente nos postos de gasolina (logo, os heróis Marvel também ficaram conhecidos aqui como Heróis Shell). A abertura do desenho do Capitão América no Brasil era exclusiva. Os desenhos, por aqui tiveram 3 dublagens, sendo a primeira a mais cultuada, pois tinha as músicas de abertura dubladas pelo grupo MPB4.

Afinal quem não se lembra desta musiquinha nas aberturas dos desenhos animados do Capitão?

O Capitão América lança seu escudo
Contra os que servem o mal acima de tudo
Avante, gigante, galante, vibrante
Que a brasa queima
E o mal não teima quando
O Capitão América lança seu escudo



O ORIGINAL:

When Captain America throws his mighty shield,
All those who chose oppose his shield must yield.
If he's lead to a fight and a duel is due,
Then the red and white and the blue'll come through.
When Captain America throws his mighty shie


AINDA NA TV, Mais ou menos na mesma época em que a CBS produzia a popular série de TV O Incrível Hulk, com Bill Bixby e Lou Ferrigno, a emissora resolveu tentar fazer uma nova versão em carne e osso para o herói e lançou dois filmes-piloto de um seriado.

Novamente, o roteiro preferiu se distanciar quase que completamente do super-herói dos quadrinhos. Em Capitão América, exibido pela primeira vez na CBS no início de 1979, o personagem é um desenhista que é tratado com "superesteroides" após se ferir gravemente em um acidente. Com a ajuda de um cientista, ele cria um arsenal de guerra que o ajudará no combate ao crime. Mais do que a tradicional motoca,o Capitão América desta geração também pilota uma van e até uma asa delta com as cores da bandeira americana.

Em ambos os filmes para a TV, o personagem é interpretado pelo ator Reb Brown, que veste uma fantasia não muito fidedigna ao personagem e usa um capacete enorme de motoqueiro, com direito a visor de acrílico. O escudo, com listras transparentes em lugar das brancas, serve não só como bumerangue para o herói mas também como parabrisas da supermoto pilotada por Rogers. A série não decolou.

Dez anos depois, a produtora Century Film Corporation tentou levar pela primeira vez o Capitão para a tela grande após o seriado da Republic dos anos de 1940. Ambicioso a princípio, o projeto tinha como um dos produtores ninguém menos que Stan Lee, o criador do Homem-Aranha e de diversos outros personagens da Marvel, e como ator principal Matt Salinger (foto), filho do lendário escritor J.D. Salinger. Assim surge o filme Capitão América, em 1990, realizado com baixíssimo orçamento, baseado nos super-heróis da Marvel Comics. Foi dirigido por Albert Pyun, produzido por Menahem Golan e Stan Lee, escrito por Stephen Tolkin, baseado numa história dele e de Lawrence Block. Algumas das tomadas foram realizadas nos Estados Unidos e também na Iugoslávia.

Apesar de algumas alterações nos personagens - o Caveira Vermelha, por exemplo, aparece como uma criação dos fascistas de Mussolini, não dos nazistas de Hitler como nos quadrinhos. A história era razoavelmente fiel à tradição do herói. O resultado final, porém, ficou bem abaixo da expectativa, e o filme acabou sendo lançado apenas em VHS só em 1992 (o saudoso Video Home System, quem poderia imaginar uma década depois o aparecimento dos DVDS?).

Agora o público, seja amante ou não de quadrinhos, ou mesmo fãs ou não do personagem, terão a chance de conhecer a versão definitiva do Herói dos Gibis Marvel, agora vivido por Chris Evans (foto, que já havia interpretado outro herói Marvel, o Tocha-Humana de Quarteto Fantástico), e em 3D. Assisti eu mesmo e gostei da superprodução e indico a todos a assistirem. Vamos ver os vídeos do Youtube sobre as várias fases do personagem, incluindo o trailer de CAPITÃO AMÉRICA – O PRIMEIRO VINGADOR.


Produção e pesquisa de Paulo Telles

4 comentários:

  1. Este personagem também possui milhões de seguidores pelo mundo.
    Nessa bela postagem que deve ter levado muitos dias de trabalho do editor, mostra a evoluação do personagem ao longo de décadas de existencia e agora em 2011 em uma nova versão no cinema.
    O capitão América merece e seus fãs também.
    Parabéns Paulão
    www.bangbangitaliana.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Saudações Sanches, tudo jóia?

    Este até que foi um dos posts que fiz em menor tempo (5 horas e no período da noite), muito embora admita minha admiração pelo herói.

    Sem dúvida a versão cinematográfica mais recente sobrepujou as versões anteriores, e não somente pelos seus efeitos especiais(em 3-D é fascinante, que vi no cinema), mas porque principalmente foi bem fiel aos quadrinhos e ao espírito do personagem. Logo terá uma continuação, com OS VINGADORES.

    Valeu Sanches, abração!!!!

    Paulo

    ResponderExcluir
  3. Muito bom o seu acervo. O conteúdo do cinema,aqui, é de primeira linha. Parabéns. Seguindo...

    ResponderExcluir
  4. Saudações Maxwell, seja bem vindo. Obrigado por seguir e comentar. Abraços!

    Paulo Néry

    ResponderExcluir

NOTAS DE OBSERVAÇÃO PARA PUBLICAÇÃO DE COMENTÁRIOS.

1)Os Comentários postados serão analisados para sua devida publicação. Não é permitido ofensas ou palavras de baixo teor. É Importante que o comentarista se identifique para fins de interação entre o leitor e o editor. Comentários postados por "Anônimos" sem uma identificação ou mesmo um pseudônimo NÃO SERÃO PUBLICADOS.

2)Anúncios e propagandas não são tolerados neste setor de comentários, pois o mesmo é reservado apenas para falar e discutir as matérias publicadas no espaço. Caso queira fazer uma divulgação, mande um email para filmesantigosclub@hotmail.com. Grato.

O EDITOR


“Posso não Concordar com o que você diz, mas defenderei até a morte seu direito de dize-la”

VOLTAIRE

Outras Matérias

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...