sábado, 29 de setembro de 2018

Audazes e Malditos (1960): De John Ford, Um Western Com Mensagem Antirracista em Tom Eloquente e Comovedor.


AUDAZES E MALDITOS (Sergeant Rutledge, 1960) não está entre os filmes mais populares do Mestre John Ford (1895-1973) se for comparar com outras obras do cineasta. Mas é um filme na tradição admiravelmente humana deste grande diretor de tantos sucessos marcados, ainda mais por se tratar de uma mensagem antirracista em tom eloquente e comovedor, com engrandecimento do ser humano. Uma obra que faz do preconceito racial o seu tema, sendo esta uma das mais exaltadas e efetivas demonstrações do que há de irracional e desprezível no homem.


O diretor John Ford
O diretor John Ford, de braços cruzados, dirigindo uma cena de beijo entre Jeffrey Hunter e Constance Powers.
Ford orientando Billie Burke.
Os apreciadores do western talvez possam desenhar esta obra fordiana, achando que ela contém elementos alheios as características do gênero. Afinal, trata-se não apenas sobre um trabalho em prol dos negros (na época de sua realização, já havia se iniciado o movimento dos direitos civis nos Estados Unidos), mas também de um trabalho de linha jurídica, uma vez que a história é toda centrada no julgamento de um sargento negro, acusado injustamente de ter matado seu superior e violentado e assassinado a filha deste.


Woody Strode como o Sargento Braxton Rutledge, acusado de um crime que não cometeu...
... é levado a côrte marcial pelo seu regimento de cavalaria.
Assim, o que daria condição de fita do gênero, seria a situação do episódio no tempo e no espaço típico ao mesmo. Entretanto, através do depoimento de testemunhas, quando a ação vem a fugir do confinamento do tribunal para desenvolver-se no campo aberto, o hábil diretor Ford soube dar a história um toque inconfundível de western, onde não poderiam faltar os ingredientes que tanto nos aprofundamos, como a revolta dos índios e a ação da cavalaria. Mas AUDAZES E MALDITOS não nos relata episódios desta batalha, senão a luta heroica de um cidadão empenhado em afirmar-se como um soldado e um homem para fugir do estigma de “negro do charco” não seria o objetivo principal do tema.

No julgamento, o Sargento Rutledge é defendido por seu superior...
... o Tenente Thomas Cantrell, vivido por Jeffrey Hunter.

Na audiência, a hostilidade dos espectadores, que querem a pena de morte para Rutledge.
Tudo começa em 1866, um ano depois do término da Guerra Civil Americana (1861-1865), e depois da abolição da escravatura nos Estados Unidos. Negros que haviam sido escravos passam a integrar regimentos de cavalarias comandados por oficiais brancos. Mas nem por isso eles conseguem o respeito que merecem pela sociedade, já que preconceitos raciais levam um destes soldados, o 1º Sargento Braxton Rutledge (Woody Strode, 1914-1994) a ser acusado de um crime sórdido: estrangulamento de uma jovem, precedido de espancamento e estupro, seguido de assassinato do pai da vítima.

A jovem Mary Beecher (Constance Towers) acaba se solidarizando com Rutledge.
Rutledge tenta resistir a prisão...
... mas acaba convencendo o Tenente Cantrell de sua inocência.
Acusado injustamente e sem esperança de justiça, Rutledge foge e ocasionalmente trava encontro com Mary Beecher (Constance Towers), uma jovem que para em um posto de ferrovia e encontra o telegrafista morto em sua cabine, vítima dos apaches. Rutledge é ferido ao lutar com os índios e Mary resolve tratar de seu ferimento. Entretanto, é nesse meio tempo que o superior de Rutledge, o 1º Tenente Thomas Cantrell (Jeffrey Hunter, 1926-1969), oficial branco que comanda um regimento de soldados negros, vai encalço do sargento, onde o encontra junto a Mary Beecher, que a conhecera durante uma viagem de trem, iniciando um promissor romance. Mary, que havia ficado no Leste durante algum tempo, volta para o Oeste para rever o pai, mas fica ciente da situação violenta com os apaches, que resolveram declarar guerra aos brancos.

Enquanto não chegam a cidade para o julgamento, Cantrell e seu regimento enfrentam o ataque dos índios apaches.
Woody Strode. Jeffrey Hunter, e Constance Towers:           
AUDAZES E MALDITOS(1960), de John Ford.

Numa tentativa de fuga de Rutledge, Cantrell tenta abatê-lo, mas é impedido por Mary Beecher.
Após muitas discussões com Rutledge e Mary, o Tenente Cantrell acaba se convencendo da inocência do sargento e se voluntaria a defendê-lo em seu julgamento. Mas até lá, muitos incidentes vão ocorrer com o trio e o regimento. Ataques seguidos dos apaches atrasam a jornada, e neste ínterim, Rutledge ainda não está convencido da ajuda de Cantrell e consegue escapar durante um confronto forçado com os índios, mas retorna quando reflete que seria muito pior fugir, pois estaria assumindo a culpa, além do amor próprio e pelo seu regimento de cavalaria. É o sargento que descobre o paradeiro do pai de Mary, encontrado sem vida, morto pelos apaches.

O julgamento é presidido pelo neurastênico Coronel Otis Forgate, vivido por Willis Bouchey.
A veterana Billie Burke como a esposa de Otis, Cordelia, parte humorística deste western de Ford.
Carleton Young é o advogado racista e cruel promotor do caso.
No julgamento presidido por um neurastênico juiz, Coronel Otis Forgate (Willis Bouchey, 1907-1977) que vive chamando atenção da inconveniente esposa, Cordelia (Billie Burke, 1884-1970), Rutledge é defendido implacavelmente por Cantrell, e ambos terão que enfrentar a perspicácia de um promotor que odeia negros, Capitão Shattuck (Carlenton Young, 1905-1994) que utiliza meios brutais para acusar o sargento. Em sucessivos Flash-Backs, são reconstituídos os fatos em debate.

Mary Beecher é uma das testemunhas de defesa, que testifica a coragem e a bravura do Sargento Rutledge.
Mary chega a pedir a Cantrell para não levar Rutledge a julgamento, mas como oficial, ele esta na obrigação e cumprimento do dever.
Por certo o argumento com base no romance de James Warner Bellah (1899–1976) redigido pelo próprio autor junto ao produtor Willis Goldbeck (1898–1979) apresenta deficiências. De início, dificilmente o espectador poderá acreditar que aquela figura estoica sentada no banco dos réus seja capaz dos hediondos crimes que lhe imputam. E o final parece ter mais um toque de artificialismo e falsidade. No mais, John Ford combina soberbamente os elementos intrínsecos da história com ação movimentada e a beleza plástica das imagens. Tecnicamente mais enfeitado que a maioria dos filmes do cineasta, contém algumas das sequências de antologia, num relato tenso, épico, bem humorado, e de solene eloquência dramática.

Woody Strode tem a melhor atuação do filme.
A gigantesca e estoica figura de Strode em AUDAZES E MALDITOS tem dignidade em seu desempenho.
O que nas mãos de outro diretor poderia ser simples truques e artifícios, nas mãos de Ford adquire uma qualidade de inevitável precisão e naturalidade. Assim é que fiel a sua tradição, o cineasta explora admiravelmente inúmeros detalhes humanos, ridiculamente ingênuos, mordazmente humanos, que o espectador pode perceber e apreciar sem reservas. Estas pequenas vinhetas de conduta estão a cargo de Willis Bouchey e Billie Burke, que mesmo dentro de um enredo sério fazem o objeto humorístico da trama. Ele como o juiz da corte que julgará o Sargento Rutledge e ela como sua esposa meio senil, que faz mais por atrapalhar o andamento da sessão.

Jeffrey Hunter e sua esposa Dusty num intervalo das filmagens.
Jeffrey Hunter em AUDAZES E MALDITOS (1960) de John Ford.
Embora Jeffrey Hunter (que aqui desempenha para Ford pela terceira e última vez, e que no ano seguinte seria escalado para viver Jesus Cristo em Rei dos Reis, de Nicholas Ray) e Constance Towers (que atuou para o diretor em Marcha de Heróis em 1958) sejam os nomes estrelares e apareçam eficientemente na película, a grande interpretação fica por conta do ex-atleta Woody Strode. Gigantesca figura de ébano, Strode tinha dignidade e, sobretudo, era um ator de densidade dramática, capaz de carregar em seus ombros o filme todo. Uma extraordinária interpretação deste que foi um dos atores negros mais talentosos do cinema e na TV, falecido em 1994.


AUDAZES E MALDITOS, apesar de ignorado por alguns críticos, é uma obra admirável, que merece destaque entre tantas obras que compõem a criação máxima do Mestre John Ford, recomendável sem reservas para todos os públicos.



AUDAZES E MALDITOS chegou as salas do Rio de Janeiro em fevereiro de 1961, mas em março de 1960, Jeffrey Hunter e Constance Towers foram capa da revista FILMELÂNDIA, publicada pela extinta Rio Gráfica Editora.
FICHA TÉCNICA
AUDAZES E MALDITOS
(SERGEANT RUTLEDGE)

País – Estados Unidos

Ano – 1960

Gênero – Western

Direção – John Ford

Produção – Patrick Ford e Willis Goldbeck para a Warner Bros.

Roteiro – James Warner Bellah e Willis Goldbeck, com base em livro de James Warner Bellah

Música – Howard Jackson

Fotografia – Bert Glennon, em Cores

Metragem – 111 minutos.

elEnco

JEFFREY HUNTER – 1º Tenente Thomas Cantrell

CONSTANCE TOWERS – Mary Beecher

WOODY STRODE – 1º Sargento Braxton Rutledge

BILLIE BURKE – Senhora Cordelia Fosgate

JUANO HERNANDEZ – Sargento Matthew Luke Skikdmore

WILLIS BOUCHEY – Coronel Otis Fosgate, o juiz

CARLETON YOUNG – Capitão Shattuck, promotor do caso

JUDSON PRATT – Tenente Mulqueen

CHUCK HAYWARD – Capitão Dickinson

WILLIAM HENRY – Capitão Dawyer

JAMES JOHNSON – Trompetista

RAFER JOHNSON – Cabo Krump

MAE MARSH – Senhora Nellie Hackett

TOBY MICHAELS – Lucy Dabney, a vítima

CHUCK ROBERSON – Membro da Côrte Marcial

CHARLES SEEL – Dr. Walter Eckner

CLIF LYONS – Sr. Sam Beecher

FRED LIBBY – Sr. Chandler Humble

ED SHAW – Cris Humble

Produção e Pesquisa
PAULO TELLES

Próxima Matéria Será Sobre

RITA HAYWORTH
Vida e Obra de uma das mais belas estrelas do Cinema, em celebração de seu centenário de nascimento.

NUNCA HOUVE UMA MULHER COMO RITA.