sábado, 24 de março de 2018

Moby Dick (1956): John Huston Abusa dos Efeitos Cromáticos Em Sua Magnífica Adaptação do Livro de Herman Melville.



Em 1851, o escritor e dramaturgo Herman Melville (1819-1891) publicou um dos romances mais famosos de todos os tempos, Moby Dick. Em 1926, surgiu a primeira versão cinematográfica do livro, com o título de A Fera do Mar (The Sea Beast), dirigido por Millard Webb (1893-1935) e com John Barrymore (1882-1942) como o atormentado Capitão Ahab, ainda na fase do cinema mudo.  Quatro anos depois, em 1930, o mesmo Barrymore repetiria o papel em outra versão da história, agora com o título fiel ao romance, Moby Dick (Moby Dick), dirigido por Lloyd Bacon (1889-1955). 


Herman Melville, autor do romance Moby Dick.
A segunda adaptação cinematográfica em 1930, com John Barrymore.

Em 1943, a Warner, produtora das duas adaptações com Barrymore, queria produzir uma nova versão, com direção de Lewis Millestone, e com Errol Flynn como Ahab, mas o projeto não andou. Entretanto, o gigantesco cetáceo albino foi o “pesadelo” de muito tempo para o cineasta John Huston (1908-1987) desde que leu o livro na juventude. A obsessão de Ahab em capturar a baleia parece encontrar paralelo com a do diretor, que sonhou em levar sua versão cinematográfica e colocar seu pai, o ator Walter Huston, no papel do insensato capitão dos mares.  Em 1953, Huston convenceu a mesma Warner a bancar sua superprodução. Como Walter Huston já havia falecido, o cineasta pensou em seu velho amigo e colaborador Humphrey Bogart para interpretar Ahab, mas Boggie estava sob contrato com a Paramount e não poderia estrelar o filme.  Desta forma, o escolhido foi o galã Gregory Peck (1916-2003) para desempenhar uma figura atormentada, amargurada, e psicótica, e Huston aprovou esta escolha por conta própria.

O diretor John Huston.
O galã Gregory Peck deixou a barba crescer, para interpretar uma figura atormentada.
Além de ser um grande épico de aventuras, a versão de MOBY DICK (Moby Dick, 1956) de John Huston, assim como o romance original, é uma metáfora da luta do homem contra o imponderável, ou como alguns creem e dizem, contra Deus.  Huston se encarregou do próprio roteiro junto ao escritor de ficção-científica Ray Bradbury (1920-2012), onde ao longo da narrativa se abusa de símbolos e monólogos, revelando aos poucos a personalidade obsessiva de Ahab (Gregory Peck), compartilhada por experiências cromáticas do diretor e do fotógrafo Oswald Morris (1915-2014). 

Gregory Peck como Ahab.
Orson Welles como o Reverendo Mapple.
O cineasta e ator Orson Welles (1915-1985) manifestou desejo de interpretar o personagem central para Huston, mas este recusou a ceder o papel que já era de Gregory Peck. Em tom de brincadeira, alegou para Welles, já acima do peso, que não haveria espaço para “duas baleias em seu filme”. Sem querer ser descortês para com o amigo, Huston deu ao cineasta a parte do Reverendo Mapple, com breve participação de Welles. 

Richard Basehart como Ismael, o narrador da história.
Leo Genn como Starbuck, o imediato de Ahab.

A tripulação do "Pequod", com Ahab no comando na captura a baleia.
Toda trama descreve a odisseia do navio “Pequod”, que deixa em 1841 o porto de New Bedford, Massachusetts, sob o comando de Ahab, uma figura titânica que obstinadamente se entrega a busca da baleia branca de nome Moby Dick, que lhe “roubou uma perna”, símbolo metafísico da divindade, força onipresente e escravizante, em que o capitão vê um maligno ser racional a atormentar a raça humana.  O duelo maniqueísta da novela original, redigida em prosa bíblica- Shakespeariana, é transposto para o cinema em todas as suas nuances de blasfêmias e tragédias. Richard Basehart (1914-1984) interpreta Ishmael, o marinheiro do “Pequod” que acabou afundado e único sobrevivente do ataque da baleia a embarcação, sendo ele o narrador dos fatos. Leo Genn (1905-1978) é o imediato Starbuck, que receia pelo comportamento de Ahab e teme pela vida de seus marinheiros.



Capitão Ahab, obcecado em capturar Moby Dick, a baleia que o mutilou.  
MOBY DICK foi rodado durante seis meses em 1954 nas costas irlandesas de Youghal e Fishguard, na Ilha da Madeira e nos Açores, estreando apenas dois anos depois, isto porque Huston e o fotógrafo Oswald Morris (que também colaborou para o diretor em Moulin Rouge, em 1952) pesquisaram um novo estilo cromático de fotografia, mesclando negativos coloridos e em preto & branco, gastando meses nesse trabalho até obter um efeito pictorial então inédito na época. 





MOBY DICK é o relato de uma espantosa caçada a uma fera do mar, mas mais um estudo áspero dos abismos profundos que a mente humana pode abrigar. Cheia de labirintos filosóficos, recordações históricas, arcaísmos e ensinamentos citológicos, trazidos do próprio livro de Melville. A princípio, esta obra prima do Mestre John Huston provoca aquela reação de enfadonho no espectador justamente pele mensagem um tanto filosófica, espectador este que busca apenas aventura e diversão. No entanto, seu impacto pictórico é tremendo e absorvente, quase superando o fator negativo que é o diálogo difícil.


O ator Jose Ferrer visitando Huston e Peck durante as filmagens.
Peck, Leo Genn, e Huston, em momento de descontração num intervalo de filmagem.
Mas MOBY DICK tem passagens antológicas que devem ser destacadas, entre elas a morte de Ahab, emaranhado nas costas dos arpões que penetravam nas carnes do gigantesco cetáceo.  Apesar de bem sucedido nas bilheterias, a atuação de Gregory Peck foi criticada. Mas John Huston defendeu o ator, e ao longo de sua vida o cineasta sempre considerou um de seus melhores filmes e um de seus prediletos, considerando uma injustiça as criticas a atuação de Peck como Ahab.  Huston declarou:



Pessoalmente, acho que Greg Peck deu dignidade ao papel de forma soberba. Ele revelou a obsessão de Ahab através das palavras ditas suavemente, numa perturbadora, controlada intensidade de pensamento e ação, como se sua alma tivesse sido trespassada por um relâmpago. Fora do bombástico e desvairado psicótico do romance original e nem como foi retratado por John Barrymore, como os fãs costumam lembrar”.







A coragem de Gregory Peck em desempenhar uma cena de risco, sem dublê.
Além do elogio do cineasta, Peck ainda demonstrou grande coragem durante as filmagens, pois as sequencias finais tiveram que ser feitas sem dublês, por causa dos Close-Ups. A baleia era, na verdade, um enorme cilindro, ajustado para girar numa marcha continua e havia o perigo da engrenagem parar enquanto o ator tivesse submerso.


O Cast de Moby Dick (1956), e seu diretor.

MOBY DICK É uma realização cinematográfica extraordinária, que o espectador comum possa achar cansativa, mas que é imperativo para uma elite cultural que vê no cinema além de ação e magia a pura arte do entretenimento. 


Peck no remake para TV de Moby Dick, minissérie de 1998, no papel do Reverendo Mapple.
A Título de curiosidade, o livro de Melville teve uma adaptação para a TV em forma de minissérie em 1998, dirigido por Franc Roddam, tendo participação de Gregory Peck como o Reverendo Mapple, papel de Orson Welles na versão cinematográfica de John Huston.


Divulgação do filme pelos jornais nas salas cariocas por volta de 1957.


FICHA TECNICA

MOBY DICK

(Moby Dick)

País – Inglaterra/Irlanda
Ano – 1956
Gênero – Drama/Aventura
Direção – John Huston
Produção – John Huston e  Vaughan N. Dean para a Warner Brothers
Roteiro – John Huston e Ray Bradbury
Música - Philip Sainton
Fotografia – John Huston e Oswald Morris, em Cores
Metragem – 116 minutos.

ELENCO
Gregory Peck – Capitão Ahab
Richard Basehart – Ishmael
Leo Genn – Starbuck, o imediato
James Robertson Justice – Capitão Boomer
Orson Welles – Reverendo Mapple
Harry Andrews – Stubb
Bernard Milles – Manxman
Royal Dano - Elias
Noel Purcell – Carpinteiro
Edric Connor – Dubb
Melvyn Johns – Peleg
Friedrich Ledebur – Queequeg
        Joseph Tomelty - Peter Coffin
Francis De Wolff - Capitão Gardiner
        Seamus Kelly – Flask

Produção e Pesquisa
PAULO TELLES

2 comentários:

NOTAS DE OBSERVAÇÃO PARA PUBLICAÇÃO DE COMENTÁRIOS.

1)Os Comentários postados serão analisados para sua devida publicação. Não é permitido ofensas ou palavras de baixo teor. É Importante que o comentarista se identifique para fins de interação entre o leitor e o editor. Comentários postados por "Anônimos" sem uma identificação ou mesmo um pseudônimo NÃO SERÃO PUBLICADOS.

2)Anúncios e propagandas não são tolerados neste setor de comentários, pois o mesmo é reservado apenas para falar e discutir as matérias publicadas no espaço. Caso queira fazer uma divulgação, mande um email para filmesantigosclub@hotmail.com. Grato.

O EDITOR


“Posso não Concordar com o que você diz, mas defenderei até a morte seu direito de dize-la”

VOLTAIRE