quarta-feira, 14 de maio de 2014

Inferno na Torre: As Labaredas de um Clássico do Cine-Catástrofe.



Um Show de pirotecnia com cintilantes constelações de astros e estrelas que o cinema nunca imaginou antes reunidas. Ao longo de 185 minutos de projeção, os portadores de acrofobia (medo de lugares altos) passam a maior parte desta metragem sob tensão e calafrios. 



Assim é INFERNO NA TORRE (The Towering Inferno), que surgiu em 1974 sob a onda e apogeu do então chamado Cinema Catástrofe, que andou muito em moda na década de 1970, e desencadeada dois anos antes com O Destino do Poseidon, e pelo mesmo produtor, Irwin Allen (1916-1991), que nos anos de 1960 foi o responsável pelas brilhantes séries televisivas Túnel do Tempo, Viagem ao Fundo do Mar, Perdidos no Espaço, e Terra de Gigantes. Irwin foi o estranho midas que disseminou o holocausto que se converte em ouro ao seu toque encantador nas telas, pois além de suas labaredas e espigão em chamas ter conquistado três Oscars (melhor fotografia, melhor montagem, e melhor canção, We may never love like this again ), abiscoitou 52 milhões de dólares só no mercado norte-americano.


IRWIN ALLEN, O MIDAS DA FICÇÃO E DO CINEMA CATÁSTROFE


Quando Allen ofereceu seu novo projeto, saiu-se com ilustre êxito, pois pela primeira vez na história de Hollywood, dois grandes estúdios, a Warner e a Fox, desistiram de fazer dois filmes semelhantes ao custo de sete milhões de dólares para realizar apenas um, de 14 milhões.  A Warner detinha os direitos de filmagem da novela The Tower, de Richard Martin Stern (1915-2001), e a Fox, o romance The Glass Inferno, de Thomas N. Scortia (1926-1986) e Frank M. Robinson. Acordo feito, o roteirista Stirling Silliphant (1918–1996) combinou elementos dos dois livros. Irwin Allen, não satisfeito em permanecer em seu escritório com ar refrigerado até a consumação das labaredas, deixou o cineasta inglês John Guillermin (que já havia feito ao estilo Vôo 502 em Perigo, estrelado por Charlton Heston) a dirigir cenas com atores e ele próprio cuidou das sequencias de ação, isto é, dois terços na incendiária e dramática narrativa.



Mas no fim das contas, o trabalho maior deve ter ficado com Guillermin, pois se dirigir uma estrela já é difícil exemplo da espécie humana, imagine nove super-astros e estrelas, sofrendo ataques de vedetismo e egocentricidade  entre fotogênicas chamas, faiscantes explosões e blocos de concreto caindo sobre suas cabeças. Isso mesmo!  Esta constelação de estrelas vai se distribuindo pelos 138 andares da “Torre de Vidro” de San Francisco, à medida que o incêndio, iniciado no pavimento 81, começa a subir em direção ao restaurante de cobertura, onde o idealizador do prédio, James Duncan (William Holden, 1918-1981) comanda a festa de inauguração desse desmedido monumento à ganância da engenharia moderna.



ANÚNCIO DE "INFERNO NA TORRE" NOS JORNAIS BRASILEIROS - 1975
Vale pautar, que o incêndio do Edifício Joelma, em São Paulo ocorrido em 1974 (ano do lançamento de Inferno Na Torre), foi uma das fontes de inspiração para Irwin Allen para concretização do filme, cujo objetivo maior era homenagear a bravura dos soldados do fogo, e protestar contra a irresponsabilidade dos construtores de espigões sem o adequado sistema de segurança contra incêndio.




No começo da trama, o chefe dos bombeiros, Mike O'Hallorhan (Steve McQueen, 1930-1980),  faz solene advertência ao arquiteto Doug Roberts (Paul Newman, 1925-2008) que concebeu “A Torre de Vidro”, o maior arranha céu do mundo.  Mike diz: “Por que vocês insistem em construir prédios tão altos? Acima de sete andares nada podemos fazer para controlar incêndios”.  Tão humanitário libelo, no entanto, serve a propostas menos edificantes. Como sempre ocorre no gênero, e hecatombe termina vindo para o bem, como se fosse obra de uma sapiente providência divina.




De acordo com as demiúrgicas sentenças dessa justiça sobranceira e invisível, sempre seguida de muitas dúvidas e reflexões, cada personagem é condenado a seu merecido destino. Todos são ricos, os “bacanas”, que nem todo dinheiro que possuem é capaz de salvar suas vidas, pois elas não podem ser compradas ou negociadas, nem por Deus e nem pelo Diabo.  Os heróis sobrevivem. Os vilões, punidos.




Ao irromper as labaredas no monólito, a primeira vítima é logo um casal de amantes (Robert Wagner e Susan Flannery), que se entregaram clandestinamente ao sexo. A namorada do arquiteto Doug Roberts, Susan Franklin (Faye Dunaway), o senador Parker (Robert Vaughn), e o prefeito da cidade (Jack Collins), tal quais os casais casados, as ingênuas crianças, e os honrados cidadãos, chegam incólumes à última cena, quando o então idealizador do flamante prédio, interpretado por William Holden, pede a Deus para que outros não sigam o seu exemplo ganancioso.




O velho Harlee Claiborne (Fred Astaire, 1899-1987, que na época da produção já contava com 76 anos), o único que não faz parte da elite e se infiltra no meio  para sobreviver do cambalacho e enganar os ricaços, acaba se apaixonando de verdade por Lisolette, interpretada por Jennifer Jones (1919-2009), que reapareceu as telas aos 56 anos e com no mínimo três plásticas desde sua anterior incursão no cinema em 1969, com o filme Angel, Angel, Down We Go. Inferno na Torre acabou sendo o último desempenho de Jennifer na Sétima Arte, que se aposentaria e viria a falecer 35 anos depois.




Por ser mentiroso e trambiqueiro, o velho Harlee tem por castigo perder ao fogo sua amada Lisolette, no entanto, a pena mais dura incide sobre o culpado de todo o incêndio, o genro do idealizador, o engenheiro Simmons (Richard Chamberlain), que andou instalando precária fiação elétrica a título de economia de despesas supérfluas.




Entre uma e outra sugestão, há na trama vaga defesa do ideal ecológico, quando o arquiteto interpretado por Paul Newman surge de helicóptero na abertura, vindo das verdejantes montanhas que escolheu para viver. Seu desabafo final, depois de salvar mulheres e crianças como todo super-herói que se preze: “Gostaria que deixasse de pé o que sobrou do edifício. Seria um relicário para toda hipocrisia do mundo”. Os críticos da época bradaram: Mentira!- afinal, sem espigões nem construtores imprudentes, o filme não teria assunto para causar sensação e arrecadar rios de fortunas nas bilheterias.




Mas seja como for, enquanto astros e estrelas do passado, muitos já veteranos na década de 1970, como William Holden, Jennifer Jones, e Fred Astaire, como num “patético” museu de cera, trocavam confidências românticas, beijos, e juras de amor eterno, ao deguste de doses de scotch à beira da morte certa, os efeitos especiais rendem o espetáculo. INFERNO NA TORRE foi onde o cinema pretendeu ser um simulacro do parque de diversões, e tais efeitos, como nunca antes apresentados, manifestaram a magnificência técnica dos laboratórios de Hollywood e os poderes da Sétima Arte em cria-los, pela magia ou pela válvula de escape ao irreal universo do pesadelo. Assim é INFERNO NA TORRE, que passados exatos 40 anos de sua realização, ainda consegue impressionar quem o assiste, até mesmo ao cinéfilo mais jovem.



INFERNO NA TORRE
(THE TOWERING INFERNO, 1974)
Gênero:  Cinema Catástrofe – Ação - Drama
Direção: John Guillermin
Roteiro: Stirling Silliphant

ELENCO

             Steve McQueen       (Michael O'Hallorhan)
Paul Newman           (Doug Roberts)
William Holden         (James Duncan)
Faye Dunaway         (Susan Franklin)
Fred Astaire              (Harlee Clairbone)
Susan Blakely          (Patty Simmons)
Richard Chamberlain                (Roger Simmons)
Jennifer Jones         (Lisolette Mueller)
O.J. Simpson            (Harry Jernigan)
Robert Vaughn         (Senador Gary Parker)
Robert Wagner         (Dan Bigelo
Susan Flannery               (Lorrie)
Sheila Allen              (Paula Ramsay)
Norman Burton                 (Will Giddings)
                  Jack Collins               (Prefeito Robert Ramsay)

         Produção: Irwin Allen, para Warner e 20ª Century Fox.
Fotografia: Fred J. Koenekamp, Joseph F. Biroc
Trilha Sonora: John Williams

PRODUÇÃO E PESQUISA
PAULO TELLES

13 comentários:

  1. MAIS UM BELO TRABALHO!
    ASSISTI ESTE BOM FILME NO CINE IPIRANGA, UMA DAS ESTRELAS DA CINELÂNDIA PAULISTA, QUE NÃO TEM MAIS...
    FIZERAM TANTA PROPAGANDA DESTE FILME QUE EU ACABEI FICANDO UM POUCO FRUSTRADO, POIS ESPERAVA MAIS...
    COMO VOCÊ AFIRMOU O FILME INFERNO NA TORRE FOI INSPIRADO NO INCENDIO DO EDIFICIO JOELMA SITUADO EM SÃO PAULO, DESTE SÓ VI A FUMAÇA PRETA. NO DIA 31 DE JANEIRO COMPLETOU 40 ANOS, E É CONSIDERADO O MAIOR INCENDIO DA CIDADE DE SÃO PAULO.TODAVIA TIVE A OPORTUNIDADE DE ASSISTIR AO VIVO AO INCENDIO DO EDIFICIO ANDRAUS ACONTECIDO NO DIA 24 DE FEVEREIRO DE1972. ASSISTI CENAS HORRIPILANTES VENDO O EDIFICIO EM CHAMAS E AS PESSOAS DESESPERADAS NO ULTIMO ANDAR ESPERANDO A CHEGADA DOS HELICOPTEROS QUE RONDAVAM O EDIFICIO EM LABAREDAS...O INCENDIO COMEÇOU À TARDE E FOI ATÉ ÀS PRIMEIRAS HORAS DA NOITE...NO FIM DO EXPEDIENTE SAI COM ALGUNS AMIGOS DO CARTÓRIO QUE TRABALHAVA E FOMOS ATÉ A PRAÇA DA REPÚBLICA, FUNDOS DO EDIFICIO ANDRAUS, QUE É SITUADO NA AV. SÃO JOÃO, E PODEMOS VER DE PERTO ESTA GRANDE TRAGÉDIA QUE ABALOU SÃO PAULO...
    APÓS ESSES INCENDIOS ALGUMAS PROVIDÊNCIAS FORAM TOMADAS, MAS A DE OBRIGAREM OS PRÉDIOS A CONSTRUIR PASSARELAS SÓ FICOU NO PAPEL...
    NO CINECLUBE DOS AMIGOS DO WESTERN, TENHO UM AMIGO, HELIO FERRARI QUE QUE ESTAVA NO ULTIMO ANDAR DO EDIFICIO ANDRAUS, FELIZMENTE ELE CONSEGUIU SAIR DAQUELE INFERNO NA TORRE!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
    PARABÉNS NOBRE AMIGO!!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  2. Saudações meu amigo Major, digo, Coronel Eddie!

    Fiz um comentário com o Paulo Franke no facebook, em que ele me disse que o filme se inspirou no incêndio do Edifício Ipiranga, na AV. São João, mas ao invés disse que a comparação com a tragédia do Joelma (aliás, mais notória e repercutida até hoje) partiu de uma matéria feita pelo Paulo Perdigão em sua coluna semanal no jornal O Globo, donde partiu muitas informações sobre este filme. Como eu na época tinha somente quatro anos, não posso me lembrar destes acontecimentos, já que vim a saber do Joelma apenas um pouco mais tarde (até um filme foi feito sobre o tema, com tema meio de espiritismo, e protagonizado pela Beth Goulart).

    Lembro-me aqui no Rio de Janeiro, em 1986, o incêndio do EDIFÍCIO ANDORINHA, localizado no centro, que foi uma tragédia de grande proporção também e foi um dos piores incêndios de nossa cidade.

    O que é importante frisar é que, mesmo sendo uma ficção, INFERNO NA TORRE reflete a realidade de todas estas tragédias abordadas, o drama dos profissionais do fogo tentando salvar vidas, e certamente, uma reflexão para que evitemos tamanhas inconsequências.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. AMIGO PAULO, O NOME CORRETO DO EDIFICIO É ANDRAUS, E NÃO IPIRANGA. IPIRANGA É CINE QUE EXIBIDO INFERNO NA TORRE!

      Excluir
    2. Feita a correção meu amigo! Grande Abraço!

      Excluir
  3. Oi Paulo, realmente é o que você escreveu, o filme ainda nestes tempos atuais impressiona. O que me fascina sobretudo é o elenco maravilhoso com tantos astros do passado que a gente ama. William Holden , fiquei muito triste quando o vi neste filme, interpretando este personagem ganancioso.
    Este é um filme que não deve deixar de ser visto por quem se diz cinéfilo. :) Parabéns amigo, adorei a matéria que me fez rever o filme.

    ResponderExcluir
  4. Também reflete a ganância de pessoas que colocam em risco a vida de tantas outras tudo em pról de grana e poder. Hoje tão presente em nossos dias.

    ResponderExcluir
  5. É verdade Siby, de fato o filme reflete a ganância do ser humano, que não mede esforços em nome de sua desmedida ambição arrecadar a tragédia e a destruição, em nome do suposto progresso. É na vida real...é na ficção.

    ResponderExcluir
  6. Os grandes méritos de Inferno na Torre são somente dois, situações que o fizeram um filme com esta potencia e com esta qualidade;
    1 - ele é um filme extremamante bem confeccionado
    2 - aquele rosário de astros e estrelas tão famosos que, iguais aos que trabalham neste filme só vi em O Mais Longo dos Dias.

    O Irwin Allen, produtor de quem não se pode arrancar qualquer desmérito, pois criou coisas fantásticas no seu tempo, como cita nosso redator nesta ótima reportagem, não fez qualquer favor ao Guilhermine ao abocanhar as cenas de ação, já que deixou para o diretor a condição de dirigir aquele monte de egos desejosos todos de estarem bem no filme ou um melhor que outro.

    Porém, o resultado final foi um belo e muito lucrativo filme.
    Dono de alta qualidade nos seus truques, pois é um filme de 1974 (o vi recentemente na TV e segue ótimo, bem feito e com tudo ainda no lugar) e atualissimo ainda.

    O incendio do edificio Joelma deve ter sido a base para esta produção, com toda certeza. Até andei lendo que a produção utilizou um edificio de 40 andares em fase de construção para fazer dali seu set principal e local das mais possantes filmagens.

    A Faye está linda como nunca a imaginei assim, já que ela não não é tão bela assim. O Wagner está muito bem, assim como o Chamberlein. O Astaire e a Jones dão seu espetáculo à parte, numa obra que ramifica diversas tramas que se adequam do poderoso incendio.

    Não há lugar para comentar os bons trabalhos do Newman, MacQueen e do Holden, já que governam o filme do inicio ao fim.

    Um belo e grandioso filme do Guilhermine com o Allen. Uma fita que persegue nossas imaginações por ter sido, na minha lembrança, a película que deu origem a este tema de fitas e que o fez com enormes méritos.

    jurandir_lima@bol.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Satisfação nobre baiano.

      Vc lembrou bem O MAIS LONGO DOS DIAS, que também deverá ser pautado no blog – foi também uma reunião de astros e estrelas, mas não ficaram todos reunidos como ocorreu com INFERNO NA TORRE, daí a diferença.

      Quanta a “inspiração” de Allen para o filme tendo como referência a tragédia do Edifício Joelma vem de uma reportagem do saudoso crítico Paulo Perdigão. Há quem diga que as tragédias sob o fogo como ocorreram praticamente no mesmo ano do lançamento de INFERNO NA TORRE também serviram de referência para Irwin, como o incêndio do Edifício Andrauss, e sinceramente, Allen é o midas da catástrofe cinematográfica.

      Sem dúvida, foi um dos filmes que inaugurou o cinema catástrofe, mas este estilo não demoraria a cair em desuso ainda nos anos de 1970, já que filmes como O ENXAME e DRAMÁTICO REENCONTRO NO POSSEIDON, ambos dirigidos e produzidos por Allen, foram fracassos de bilheteria ao fim da década.

      Abraços do editor carioca.

      Excluir
  7. Telles,

    Depois deste formidável filme catastrofe, O Inferno na Torre, o amigo se esqueceu um pouco do também muito bom Terremoto, que chegou ao nosso pais cheio de criticas positivas, novos sistema de sons, embora ali o Irwin não tenha tido participação, mas que foi sim um outro bom e muito bem feito filme.

    Achei muito fraco o Enxame e O Destino do Poseidon/72 chegou com um pouco mais de qualidade pelas mãos do R Neame, embora fosse criado antes de Inferno na Torre/73, enquanto Terremoto é de 1974, do Mark Robson, que fez um filme com muita qualidade.

    Porém, se for medir todos filmes dentro deste gênero da década de 1970, ainda fico com O Interno na Torre e em seguida Aeroporto.

    jurandir_lima@bol.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Baiano amigo, eu não falei em TERREMOTO porque breve vou postar, em exclusividade, sobre o filme. Como esquecer um filme que lançou o sistema Surround, e foi a sensação de 1977? Breve, TERREMOTO!

      No fim dos anos 70, os filmes catástrofes já estavam saturados. Para vc ter uma ideia, AEROPORTO 79, que foi o último filme da série AEROPORTO, foi um total fracasso de bilheteria, e nem adiantou colocar a atriz erótica Sylvia Kristel e ainda Alain Delon no elenco. Irwin Allen ainda pensou em realizar um AEROPORTO 1982, mas repensou, visto que o ingrediente da série já estava um tanto ultrapassado. Os meus prediletos ainda são também INFERNO NA TORRE e TERREMOTO.

      Excluir
  8. Inferno na Torre, um grande filme, elenco estelar.
    Sempre assisto, quando há oportunidade.
    Gostaria que você fizesse um artigo sobre o filme "Meu Ódio será tua herança" (The Wild Bunch), um dos dois filmes meus preferidos de Sam Peckinpah (o outro é Pistoleiros ao Entardecer). The Wild Bunch, por contar com William Holden, Robert Ryan, Edmund O"Brien e todo a turma de Sam Peckinpah (Warren Oates, etc.)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rapaz, vc sabe que esta entre meus projetos, Val???

      Não sei quando vai sair, mas breve uma resenha especial sobre MEU ÓDIO SÉRÁ SUA HERANÇA, um western que esta entre os meus dez melhores, de todos os tempos.

      Também PISTOLEIROS DO ENTARDECER já esta na fila. Para o mês de março ainda, será OS IMPERDOÁVEIS, de Clin Eastwood a ser focado. Continue conosco!

      Abraços do editor e uma ótima semana!

      Excluir

NOTAS DE OBSERVAÇÃO PARA PUBLICAÇÃO DE COMENTÁRIOS.

1)Os Comentários postados serão analisados para sua devida publicação. Não é permitido ofensas ou palavras de baixo teor. É Importante que o comentarista se identifique para fins de interação entre o leitor e o editor. Comentários postados por "Anônimos" sem uma identificação ou mesmo um pseudônimo não serão publicados e serão tratados como spam

2)Anúncios e propagandas não são tolerados neste setor de comentários, pois o mesmo é reservado apenas para falar e discutir as matérias publicadas no espaço. Caso queira fazer uma divulgação, mande um email para filmesantigosclub@hotmail.com. Grato.

O EDITOR


“Posso não Concordar com o que você diz, mas defenderei até a morte seu direito de dize-la”

VOLTAIRE

Outras Matérias

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...