quarta-feira, 6 de novembro de 2013

Burt Lancaster: Sua Vida e Sua Obra.



Em 2 de novembro de 2013, o mundo celebrou o centenário de nascimento deste grande astro das telas, misto de atleta (foi acrobata de circo), intelectual (especialista em ópera e música, um homem da renascença), e galã (um dos homens mais bonitos da Sétima Arte, com um sorriso que se tornou sua marca registrada). Grandes clássicos que conhecemos levam sua marca de atuação, deixando um legado extraordinário de sucesso após outro, quase até ao fim da vida, em 1994. 



O FILMES ANTIGOS CLUB homenageia 
BURT LANCASTER, 
um dos artistas prediletos deste editor.



Burton Stephen Lancaster – O Verdadeiro nome de Burt Lancaster, nasceu a 2 de novembro de 1913, na cidade de Nova York, e cresceu no famoso bairro do Harlen, em Manhatan. Na sua juventude, ele se destacou nos esportes, principalmente em basquete, ganhando com isso uma bolsa de estudos na Universidade de Nova York.





Mas não demorou muito a largar os estudos e formar com seu amigo de infância, Nick Cravat (1912-1994) uma dupla acrobática que se apresentava em circos e vaudevilles, e também em cabarés. Contudo, o trabalho começou a ficar escasso, e em 1941, Burt arranjou emprego de vendedor numa loja de Chicago, e depois, de mecânico de refrigeração.



Quando voltou da II Guerra Mundial, quando lutou na África do Norte e na Itália, foi “descoberto” por um produtor teatral, que o confundiu com um ator mais experiente dentro de um elevador, e o contratou para The Sound of Hunting, peça que ficou em cartaz por apenas três semanas. Mas foi o suficiente para que o produtor Mark Hellinger (1903-1947) o levasse para Hollywood.





Não demorou em que Burt se firmasse com um astro de sucesso, já que o físico de atleta contrastando com o sorriso jovial, aberto e quase inocente, chamou a atenção das plateias. Assassinos/The Killers, de Robert Siodmak (1900-1973), em 1946, baseado em conto de Ernest Hemingway (1889-1961), foi sua estreia cinematográfica, com Ava Gardner (1924-1990) como sua primeira parceira nas telas.



O segundo trabalho do ator merece também destaque – A Filha da Pecadora/Desert Fury, no ano seguinte, dirigido por Lewis Allen (1905-2000), onde personificou um xerife de uma cidade pequena do Oeste Americano moderno, que se apaixona por uma garota temperamental interpretada por Lizabeth Scott (atriz ainda viva), filha da proprietária de um casino, interpretada por Mary Astor (1906-1987), que teve um caso com o homem por quem a filha esta apaixonada, um marginal e jogador interpretado por John Hodiak (1914-1955). Vemos Burt aqui como o xerife resignado, que ama a heroína interpretada por Scott sem ser correspondido. Foi seu primeiro filme a cores.





Estranha Fascinação/I Walk Alone/1947, de Byron Haskin (1899-1984); Brutalidade/Brute Force, de 1947, de Jules Dassin (1911-2008); Baixeza/Criss Cross/de 1948, de Robert Siodmak, foram outros trabalhos que foram vitais para o sucesso de Lancaster.




1946  foi também o ano de seu casamento com Norma Anderson, com quem teve cinco filhos e de quem se divorciou em 1969. Antes de seu casamento com Norma, Burt fora casado com June Ernst, com quem viveu por onze anos, que se desquitou dela para casar com Norma.

Vieram em seguida alguns dramas urbanos, ainda no fim da década de 1940, com interessante exercício de suspense em um deles – Uma Vida por um Fio/Sorry Wrong Number, de 1948, de Anatole Litvak (1902-1974).





Contudo, em 1950, entrou estreou seu primeiro filme épico, o Capa & Espada O Gavião e a Flecha/The Flame na the Arrow- dirigido por Jacques Tourneur (1904-1977), quando voltou a trabalhar com o amigo Nick Cravat, aproveitando suas habilidades circenses, que veio a se repetir em O Pirata Sangrento/The Crimson Pirate, em 1952, de Robert Siodmak.



Estes dois sucessos exploraram ao máximo as atividades físicas de Burt como atleta, já que fez ele questão de dispensar dublês, repetindo-se também em Sua Majestade, o Aventureiro/His Majesty O Keefe, de Byron Haskin, em 1953, onde tem uma formidável cena de luta entre Burt e Charles Horvath (1920–1978), ator e dublê, que interpreta o lendário e real pirata dos 7 mares  Bully Hayes.



Estes três exemplares de filmes de aventuras estrelados pelo atlético Burt foram já abordados no espaço no ano passado quando falamos das suas Três Performances Atléticas. Para conhecerem mais, por favor, acessem o link: http://articlesfilmesantigosclub.blogspot.com.br/2012/12/burt-lancaster-e-suas-tres-performances.html.



Vieram então os anos que lhe modificaram a carreira com dois filmes de grande repercussão: A Cruz de Minha Vida/Come Back Litle Sheba/1952, de Daniel Mann (1912-1991), em que ele interpreta um alcoólatra regenerado de meia idade, e A um Passo da Eternidade/From Here To Eternity, de 1953, de Fred Zinnemman (1907-1997), interpretando o Sargento Milton Warden, que se envolve com Karen Holmes (Deborah Kerr, 1921-2007) esposa de seu Comandante, onde mereceu sua primeira indicação para a estatueta dourada e o prêmio dos críticos de Nova York.





Burt Lancaster foi um dos primeiros atores a formar companhia própria. A dele teve como sócio, inicialmente, em 1947, seu agente Harold Hectht (1907-1985), a quem se juntou depois o diretor James Hill. A Hecth-Hill-Lancaster produziu vários filmes de sucesso protagonizados por Lancaster, inclusive o sensacional Western Classe A Vera Cruz/Vera Cruz, em 1954, onde Lancaster atuou ao lado de Gary Cooper (1901-1961) e personificou um vilão de primeira, sendo morto pelo mercenário anti-herói feito por Gary.




E no mesmo ano O Último Bravo/Apache, onde interpretou Massai, o último guerreiro Apache, outro western de categoria, e ambas as fitas foram dirigidas por Robert Aldrich (1918-1983, que  dirigiu Burt mais tarde também em A Vingança de Ulzana/Ulzana’s Raid, em 1972,  e O Último Brilho no Crepúsculo/Twilight’s Last Gleaming, em 1977). Em 1955, a empresa de Lancaster produziu um filme em que ele não atua, Marty/Marty, de surpreendente sucesso e que acabou conquistando quatro Oscars, um deles para Ernest Borgnine (1917-2012) de melhor ator de 1955, e de vários outros prêmios dentro e fora dos Estados Unidos.





Burt  participou de filmes de diretores consagrados e em papéis importantes como em A Rosa Tatuada/The Rose Tatto, 1955, de Daniel Mann; Trapézio/Trapeze, de 1956, de Carol Reed (1906-1976); Sem Lei e Sem Alma/Gunfight OK Coral, de 1957, western classe A dirigido por John Sturges (1919-1992), uma das versões mais famosas das vidas dos lendários Wyatt Earp e Doc Holliday;





A Embriaguez do Sucesso/Sweet Smell of Sucess, de Alexander Mackendrick (1912-1993);Vidas Separadas/Separate Tables, de 1958, dirigido por Delbert Mann (1920-2007); e outro grande e diferente western, este dirigido por John Huston (1906-1987), O Passado não Perdoa/The Unforgiven, em 1960, contracenando com Audrey Hepburn (1929-1993), na única incursão da atriz no gênero, e Audie Murphy (1924-1971), integrando pela única vez num faroeste em superprodução, onde interpreta o irmão de Burt.


ENTRE DEUS E O PECADO – O OSCAR

Baseado na primeira metade do romance polêmico de Sinclair Lewis (1885-1951), Entre Deus e o Pecado/Elmer Gantry já era um projeto antigo entre Burt Lancaster e o então roteirista Richard Brooks, desde 1947, quando trabalharam juntos em Brutalidade/Brutal Force, de Jules Dassin. O cineasta Brooks tentou, sem conseguir durante anos, interessar vários estúdios sobre o projeto de levar as telas o romance de Lewis.



Burt Lancaster dá um show de interpretação como um caixeiro-viajante e ex-estudante de Teologia expulso do seminário por ter seduzido a filha de um diácono, sendo atraído para uma cidadezinha do Sul, pela irmã Sharon Faconer (Jean Simmons, 1929-2010), uma evangelista a quem ele se junta, tornando-se um pregador de grande sucesso.




Hipocritamente, empreende campanhas contra os vícios, em prol da moral e dos bons costumes, condenando o ambiente dos bares e prostíbulos, “salvando almas” em troca de vantagens monetárias.



ENTRE DEUS E O PECADO- de 1960,  foi premiado pela Academia de Artes e Ciências cinematográficas com três Oscars: Melhor ator para Burt Lancaster, que mereceu justamente pelo seu brilhante e magnífico desempenho, difícil de pensar em outro ator para desempenhar o cínico Elmer Gantry; melhor atriz coadjuvante para a bela Shirley Jones (futura estrela da série televisiva a família Do ré mi) – como a antiga namorada de Gantry, filha do diácono, que se torna prostituta, e tempos depois, quando Elmer se estabelece como um prolífero “Homem de Deus”, ela o chantageia, ameaçando revelar para o público o passado do evangelista; e melhor roteiro adaptado para Richard Brooks, que dirigiu também a obra.


OUTROS TRABALHOS A NÍVEL INTELECTUAL

Após o implacável sucesso com Entre Deus e o Pecado, Burt foi um dos atores mais requisitados por grandes cineastas em obras primas importantes, considerados culturais, como Julgamento de Nuremberg/Judgement of Nuremberg, em 1961, dirigido por Stanley Kramer (1913-2001), onde desempenhou soberbamente o carrasco nazista Ernst Janning, um dos presos a serem julgados no famoso tribunal presidido em Berlim, cujo juiz é o desembargador americano Dan Haywood, interpretado por Spencer Tracy (1900-1967). A fita esta recheada de estrelas internacionais, como Marlene Dietrich, Richard Widmark, Maximilian Schell, Judy Garland, Montgomery Clift (este impressionante como uma das vítimas do holocausto que depõe no julgamento), e até William Shatner, o futuro Capitão James Kirk do seriado televisivo Jornada nas Estrelas (1966/1969).



O Homem de Alcatraz/The Birdman od Alcatraz de 1962, dirigido por John Frankenheimer (1930-2002), deu oportunidade a Lancaster em concorrer mais uma vez a estatueta dourada, ganha dois anos antes em Entre Deus e o Pecado.  A história real de Robert Franklin Stroud (1890-1963), preso por um assassinato cometido no Alaska, e se rebela constantemente, mediante um rígido sistema penal.



Stroud é sentenciado à prisão perpétua após matar, na prisão, um guarda que o impediu de receber a visita de sua mãe (Thema Ritter, 1902-1969). Os termos de sua pena o sentenciam ao confinamento solitário pelo resto da vida. Sua atitude rebelde o coloca constantemente em conflito com o diretor do Presídio de Leavenworth (Karl Malden, 1912-2009).



Para quebrar a monotonia, Stroud adota um pássaro como animal de estimação. Quando o pássaro fica doente, ele experimenta vários tratamentos, até a sua cura. Com o passar dos anos, vai trabalhando com vários pássaros, tornando-se um conhecedor de aves, e publica um livro sobre remédios para pássaros, além de escrever sobre a história do sistema penal americano.



Sete Dias de maio/Seven days in May, de 1964, dirigido também  por John Frankenheimer, e baseado no livro de Fletcher Knebel (1911-1993), se trata de uma ficção política sobre um General (Lancaster) que planeja dar um golpe contra o Presidente dos Estados Unidos (Fredric March, 1897-1975), que assina um tratado de desarmamento nuclear, com o apoio do Senado Americano, mas seu então aliado, um coronel (Douglas), leva a informação ao Presidente, se inciando uma série de intrigas.




Minha Esperança é você/A Child is Waiting, de John Cassavetes (1929-1989), 1963, é outro exemplar cultural da filmografia de Burt, mas no mesmo ano, foi definitivamente “descoberto” pela Europa, através do grande diretor italiano Luchino Visconti (1906-1976), que o escolheu para encarnar o Príncipe Fabrízio em O Leopardo/ Il Gattopardo, que se tornou o ápice da consagração de Lancaster perante as plateias mundiais.


BURT O ATIVISTA

Além de ator e produtor, Burt Lancaster era também um empenhado ativista liberal, falando várias vezes em nome das minorias. Em 1963 participou de uma marcha organizada por Martin Luther King e foi sempre um defensor das causas indígenas. Na foto acima, o vemos neste momento com Harry Belafonte e Charlton Heston.




BURT O DIRETOR

Em 1955, através de sua empresa, Burt dirigiu e estrelou o pré-western Homem até o Fim/ The Kentuckian, um inesquecível filme de aventura do mais alto calibre. Big Eli Wakefield (Lancaster) e o seu jovem filho Pequeno Eli (Donald MacDonald), são cascas-grossas aventureiros do Kentucky que almejam uma empolgante vida na fronteira do Texas. Eles logo aprendem, no entanto, que o grande desafio de seu progresso está não no seu estilo selvagem de viver, mas nas pessoas que eles conhecem ao longo do caminho. Jogado no meio de um amargo feudo familiar, Eli confronta tanto a raiva mortal de um homem louco (Walter Matthau, 1920-2002) e o amor de uma bela mulher (Diana Lynn, 1926-1971). Mas quando ele é levado a um brutal desfecho, Eli descobre que a única maneira de escapar com vida é manter-se fiel às suas convicções, à sua honra e seus sonhos.


O Homem da Meia Noite/The Midnight Man, foi a segunda incursão de Lancaster na direção, em 1974, onde também dividiu a tarefa da direção com Roland Kibbe (1914-1984), conceituado roteirista que escreveu para Lancaster scripts como O Pirata sangrento e Vera Cruz. O ex-policial Jim Slade (Lancaster) foi preso por matar o amante da esposa e cumpre uma pena. Quando é libertado consegue através de Linda Thorpe (Susan Clark), sua conselheira da condicional, um emprego de vigia noturno da meia-noite até às 8 horas, num campus universitário. Um dia, quando já amanhecia, Slade vê uma aluna em choque, pois achara o corpo de uma colega, Natalie Clayborne, a filha de Philip Clayborne (Morgan Woodward), um importante senador. Suspense criminal exercido com competência única graças a maestria e o talento de Burt.




KIRK DOUGLAS

Hoje, sabe-se que a relação entre estes dois titãs da cinematografia mundial, Burt Lancaster e Kirk Douglas, fora das telas não era das melhores. Poderia se imaginar grandes bons amigos por atuarem juntos em sete filmes - Vitória em Entebbe (1976) (TV), Os Últimos Durões (1986), Sete Dias de maio (1964), A Lista de Adrian Messenger (1963), Estranha Fascinação (1948), Sem Lei e Sem Alma (1957), e O Discípulo do Diabo (1959), devido em grande parte ao fascínio que os dois grandes astros exerciam nas telas. Contudo, o elo entre os dois não passava apenas de uma grande jogada publicitária promovida pelo agente de Kirk Douglas. Muitas vezes, Burt tratava Kirk com ironia, algumas vezes com crueldade, e as vezes indiferença. Contudo, houve poucos momentos que os dois pudessem realmente se entender. Douglas ainda vive e completará 96 anos em dezembro próximo.




OS ÚLTIMOS DURÕES (Tough Guys, 1986) marcou o último encontro destas duas lendas, registrando o retorno às telas de Lancaster e Douglas, numa intriga de muita ação e comicidade, dirigida por Jeff Kanew, que três anos antes (1983) havia dirigido Kirk Douglas no excelente policial Caçada Impiedosa/Eddie Macon's Run.



ROBERT RYAN

Ator brilhante e ativista dos Direitos Humanos, Robert Ryan (1909-1973) foi amigo de Burt Lancaster, com quem dividia os mesmos pensamentos e ideologia política. Ambos, democratas, que lutaram pelos direitos civis e contra a corrida armamentista. Mas também atuaram juntos nas telas, por três vezes:



Os profissionais/The Professionals, elétrico western dirigido por Richard Brooks traz um elenco Al-Star: Lee Marvin, Jack Palance, Claudia Cardinale, Ralph Bellamy, Woody Strode, além de Ryan e Lancaster, todos em boa forma, sobre homens aventureiros contratados por um milionário (Ralph Bellamy, 1904-1991) para resgatar sua mulher (Cardinale) que fora sequestrada por um revolucionário mexicano (Jack Palance, 1919-2006).




Mato em Nome da Lei/Lawman, de 1970, western em câmara lenta do cineasta de Desejo de Matar, Michael Winner (1935-2013), trazendo Burt (em um desempenho notável) como um delegado federal, Jared Maddox, que chega a uma cidade comandada por um barão (Lee J Cobb, 1911-1976) a fim de capturar um de seus empregados para leva-lo a julgamento por homicídio. Maddox provoca o medo e a desconfiança da população, mas consegue o respeito do xerife Cotton Ryan (Robert Ryan), que mesmo reconhecendo que o próprio é manobrado pelo chefão da cidade como todo o resto, vê em Maddox um homem ousado e determinado em seus propósitos.



O Assassinato de um Presidente/Executive Action, de 1973, traz o último desempenho de Robert Ryan, que morreria a 11 de julho de 1973, aos 63 anos, vitimado pelo câncer de pulmão, sendo lançado postumamente quatro meses após o falecimento do ator.  Filme polêmico, dirigido por David Miller (1909-1992), o primeiro a retratar sobre o assassinato do Presidente John Kennedy e de um possível complô para mata-lo dentro da própria Casa Branca. Burt interpreta James Farrington, que juntamente com Robert Foster (Ryan) fazem planos para uma Ação Executiva, com a finalidade de matar o presidente dos EUA.


DEBORAH KERR

Com a bela inglesa Deborah Kerr (1921-2007), é sabido que Burt Lancaster fez uma das cenas românticas mais tórridas que a Sétima Arte tem conhecimento – entre o Sargento Milton Warden (Lancaster) e Karen Holmes (Kerr) no consagrado A Um Passo da Eternidade/From Here to Eternity – em que tanto o par romântico no filme quanto o diretor Fred Zinneman, ousaram enfrentar (com cautelas, é claro) o sistema hollywoodiano do Código Hayes, que vinha determinando o controle e o excesso de moralismo americano desde 1932. A obra conquistou oito estatuetas, inclusive de melhor filme em 1953.



A cena de amor na praia entre Warden e Karen (a esposa do superior do amante) se tornou uma das cenas mais antológicas de todos os tempos, sendo referência até para outros filmes românticos. O papel de Deborah fora planejado para Rita Hayworth, que recusou, e depois para Joan Crawford, atrizes estritamente americanas. Mas o que pensar da bela atriz inglesa, que fora a cristã e virginal Lygia em Quo Vadis, em 1951, agora desempenhando um papel que exigia mais do que sensualidade? De qualquer forma, convenceu o público e a Academia, que a indicou para o prêmio de melhor atriz, mas perdeu para Audrey Hepburn, que concorria por A Princesa e o Plebeu, de William Wyler

Outro obra que reuniu Lancaster e Kerr foi Vidas Separadas/Separate Tables, de 1958, dirigido por Delbert Mann, história que se passa todo num pequeno hotel à beira-mar, na Inglaterra, contando os dramas de cada um dos hóspedes, entre os quais estão, além de Burt e Deborah, David Niven, Rita Hayworth, Wendy Hiller, e Rod Taylor.



Os Paraquedistas Estão chegando/The Gipsy Moths, 1969, de John Frankenheimer (1930-2002), que dirigira Burt em O Homem de Alcatraz, traz novamente Lancaster/Deborah em eletrizantes cenas de amor, algo que não podiam ousar quase 20 anos antes em A um Passo da Eternidade. Com a extinção do Hayes Code,  Burt e Kerr fazem um casal de meia idade que se apaixonam e vão além dos limites,  mas ela é casada e esta em conflito matrimonial, e Burt é um paraquedista veterano que faz exibições em cidades pequenas dos Estados Unidos junto com seus colegas de profissão. O final é trágico.


MAN OF THE WEST

Além de Vera Cruz (como um notável vilão com seu cínico sorriso), Sem Lei e Sem Alma, como um romântico e justo Wyatt Earp (fora do contexto real do que foi o verdadeiro Earp), Homem até o fim, um pré-faroeste que foi seu primeiro filme a dirigir, O Passado Não Perdoa, de John Huston, Na Trilha da Aventura, um western cômico, e dos eletrizantes Os Profissionais e Mato em Nome da Lei, Burt estrelou westerns mais empolgantes que merecem destaque nesta matéria. Em verdade, Lancaster foi um dos mais brilhantes Man of the West do cinema americano.




O Vale da Vingança (ou Ousadia)/Vengeance Valley (1951)- O filme é narrado por um cowboy que trabalha em um rancho de gado. Ele conta a história da rivalidade entre dois irmãos, Lee Strobie (Robert Walker, 1918-1951) e Owen Daybright (Lancaster). Lee traiu a esposa e teve um filho com uma moça da cidade. Owen tenta manter as aparências mesmo quando é perseguido por engano pela família da moça. Mas Lee tem vocação para banditismo. Dirigido por Richard Thorpe (1896-1991).



Revanche Selvagem/ The Scalphunters (1968)- Burt Lancaster interpreta Joe Bass, um peleiro de fronteira casca-grossa. A carga de peles conquistada com muito trabalho duro por Joe é capturada por um bando de Kiowas não muito amigáveis, que a querem trocar por um escravo fugido que capturaram. Como o educado e criado na cidade Joseph, Ossie David (1917-2005) está tão determinado a conseguir as suas peles de volta. Juntos terão que enfrentar um bando de predadores escalpeladores liderados por Telly Savalas (1922-1994) e sua mulher Shlley Winters (1922-2006). Misturando fortes elementos de ação com uma comédia de farsa sem tamanho, o roteirista William Norton e o Diretor Sidney Pollack (1934-2008, de Tootsie, Entre dois Amores) foram vitoriosos em produzir um entretenimento para todos os gostos.



Quando os Bravos se encontram/ Valdez Is Coming (1971) - Lancaster realiza uma performance indescritível na pele de um homem da lei mestiço americano e mexicano, um exército de um home msó, que se envolve numa verdadeira saga de doação e redenção. Este filme recria com maestria a fronteira do Oeste americano - um lugar onde a vida às vezes não vale nada... Mas a honra nunca tem preço. Quando se trata de manter a paz, o xerife Bob Valdez (Burt Lancaster) sempre foi a voz da razão num mar de caos. Mas Frank Tanner (Jon Cypher) é outro tipo de homem: invejoso, impulsivo e bruto até a alma. Então quando Tanner provoca um tiroteio que resulta na morte de um inocente, Valdez se despe de seu uniforme oficial, agarra as suas armas e vai à procura de justiça e vingança a qualquer custo. A Direção é de Edwin Sherin.



A Vingança de Ulzana/Ulzana’s Raid (1972) - O experiente batedor McIntosh (Burt Lancaster) e o idealista DeBuin (Bruce Davison) saem em caçada a um grupo de índios renegados liderados pelo Chefe Ulzana, um homem que vem promovendo massacres, estupros e saques por todo o país. A direção clássica de Robert Aldrich (1918-1983), que dirigira Lancaster em Vera Cruz (1954) e O Último Bravo (1954).



O Oeste Selvagem/ Buffalo Bill and the Indians, or Sitting Bull's History Lesson (1976)-  Um megalomaníaco Buffalo Bill (Paul Newman, 1925-2008) acabou acreditando na lenda que o escritor Ned Buntline (Lancaster) criou a respeito de sua personalidade. Ele contratou um produtor (Joel Grey) e um publicitário (Kevin McCarthy, 1914-2010) para ajudar a criar e promover um espetáculo que exalta seus mitos como caubói. Porém, o indio Touro Sentado (Frank Kaquitts), passa a integrar a trupe da peça e exige que os fatos sejam apresentados como realmente ocorreram.  Ousado trabalho de Robert Altman (1925-2006) sobre a desmistificação dos ídolos do Velho Oeste Americano.


PAPÉIS QUE RECUSOU OU FICOU DE FORA

Burt Lancaster, leitor e fã assíduo do livro de Mário Puzo, tentou obter o papel de Don Corleone em O Poderoso Chefão (1972), contudo acabou sendo de Marlon Brando. Entretanto, em compensação, recusou dois papéis importantes que acabaram dando Oscars a seus intérpretes: o de Ben-Hur (1959), feito por Charlton Heston (e onde Burt alegou não aceitar o papel por não querer incentivar o Cristianismo. Burt era conhecido no mundo artístico como ateu, mas alguns amigos mais íntimos desmentem o fato), e o de Patton, Rebelde ou Herói, entregue a George C. Scott.

Foi o primeiro nome indicado para fazer o papel bíblico de Sansão em Sansão e Dalila (1949), de Cecil B. DeMille, mas o papel foi entregue a Victor Mature.



Em 1983, o diretor Hector Babenco convidou Burt (então com 70 anos) para desempenhar o cabelereiro gay Molina que divide uma cela com um preso político, em O Beijo da Mulher Aranha, que foi produzido somente dois anos depois. Contudo, em julho de 1983, Burt havia sofrido um enfarte e precisou ser operado. O papel de Molina foi para William Hurt.

Foi escalado para o papel principal masculino de Gringo Velho, em 1989, mas a produtora do filme, a Colúmbia, acabou informando ao veterano ator, que havia chegado ao México para os ensaios em dezembro de 1987, que ele estava sendo substituído por Gregory Peck, já que o seguro de Lancaster para os produtores era considerado alto. Burt processou o estúdio por de US $ 1,5 milhões, e fez um acordo fora dos tribunais.



TRABALHOS E MAIS TRABALHOS

O avanço dos anos e da idade não impediu Burt Lancaster de trabalhar, ao contrário!!! Cada vez mais era requisitado tanto pelos cineastas de Hollywood quanto pelo cinema europeu, trabalhando constantemente com estes diretores consagrados, o que lhe deu certo lastro para aceitar papéis em filmes apenas comerciais, como Aeroporto/Airport, de 1970, dirigido por George Seaton (1911-1979).



Na década de 1970 Lancaster atuou em filmes importantes como Violência e Paixão/Conversation Piece,de Luchino Visconti e 1900, de Bernardo Bertolucci”, ao lado de outras películas nem tão importantes que aparentemente contratavam Lancaster apenas para dar status à produção, como a minissérie bíblica Moisés/Moses the Lawgiver/Mosè, la legge del deserto, dirigido por Gianfranco De Bosio, produzida para a Radio e Televisão Italiana, onde vemos Lancaster, em uma brilhante atuação, como o legislador de Israel. Por estranho que pareça, desta vez Burt aceitou fazer um papel bíblico, em contrapartida com seu ateísmo e recusa em aceitar outros papéis similares, como havia feito com Sansão em Sansão e Dalila (1949) e Ben-Hur (1959), embora este não fosse um personagem bíblico, era ligado ao Cristianismo que ele alegava não ajudar a difundir.




O próximo grande trabalho de Burt Lancaster ocorreria em 1980, com Atlantic City, de Louis Malle (1932-1995), que valeu ao ator a quarta e última indicação para o Oscar, onde desempenhou um velho bookmaker, Lou, um antigo gângster que vive uma fase de decadência. Ele conhece Sally (Susan Sarandon), uma garota mais jovem que está aprendendo o ofício de croupier num cassino. Seu marido está com algumas drogas que roubou da máfia e chama Lou para vendê-las. Ele é morto antes de receber o dinheiro das vendas. Os mafiosos agora ameaçam Sally: se ela não devolver as drogas, será morta por eles, e Lou, mesmo diante de sua impotência pela velhice, tenta de tudo para salva-la.

A esta altura de sua carreira, o Oscar tinha menor importância para o ator, que colecionava prêmios igualmente importantes, no entanto menos comerciais. Entre estes merecem ser citados os prêmios de melhor ator “Golden Globe”, “Bafta” (duas vezes), “Festival de Berlim”, “Boston Film Society Critics Award”, “David de Donatello” e “Golden Boot Awards” este último entregue àqueles que engrandeceram o gênero western.




Nos anos de 1980, Burt Lancaster atuou em algumas séries de TV e em produções feitas especialmente para a televisão, contudo o ator ainda estava bem ativo na tela grande, ao contrário da maioria de seus colegas contemporâneos, que agora ficavam mais restritos na telinha. Entre os melhores filmes para o cinema nos quais Burt Lancaster atuou nesses anos estão o simpático Momento Inesquecível/Local Hero, comédia inglesa de 1983 dirigido por Bill Forsyth, em que Burt interpreta um empresário excêntrico e cheio de manias, e  O Campo dos Sonhos/Field of Dreans, de 1989,  dirigido por Phil Alden Robinson, e estrelado por Kevin Costner.



Em 1990, aos 77 anos, Burt se casa pela terceira e última vez, com sua secretária quase trinta anos mais jovem, Susie Scherer, que trabalhava para o ator desde 1984, e Burt se afeiçoou tanto por ela que acabaram se casando sob os aplausos da família.


TÚMULO DE BURT LANCASTER - CEMITÉRIO DE WESTWOOD MEMORIAL PARK- LOS ANGELES
No ano seguinte, Burt sofreu um grave acidente vascular cerebral enquanto visitava seu amigo Dana Andrews, que iria falecer poucos meses depois e que sofria da doença de Alzheimer. A saúde do ator foi se deteriorando, chegando a ser internado por um mês, incapacitado de se mover, preso a uma cadeira de rodas, e incapaz de falar.  A 20 de outubro de 1994, aos 80 anos, Burt Lancaster sofreu um ataque cardíaco, quando estava em sua casa ao lado da esposa Susie, vindo a morrer poucos minutos depois. Meses antes, havia também falecido seu amigo Nick Cravat. Com a morte de Burt, o cinema mundial perdeu um dos seus maiores astros, com um legado de interpretações inesquecíveis, que são sinônimos ou mesmo se confundem com a própria História da Sétima Arte.

Valeu, Burt!!!

Produção e Pesquisa: Paulo Telles



FILMOGRAFIA



01 - THE KILLERS - ASSASSINOS - de Robert Siodmack. Univ. 46. Com Edmond O'Brien, Ava Gardner, Albert Dekker, Sam Levene, Virginia Christine, John Miljan, Vince Barnett, Burt Lancaster, Charles D. Brown, Donald MacBride, Phil Brown, Charles McGraw, William Conrad, Queenie Smith, Garry Owen, Bill Walker, Jack Lambert, Jeff Corey, Wallace Scott, Gabrielle Windsor, Harry Brown, Beatrice Roberts, Howard Freeman, Charles Middleton.

02 - DESERT FURY - A FILHA DA PECADORA – de Lewis Allen. Par. 47. Com Lizabeth Scott, John Hodiak, Burt Lancaster, Mary Astor, Kristine Miller, Wendell Corey, William Harrigan, James Flavin, Jane Novak, Ana Camargo, Milton Kibbee, Ralph Peters, John Farrell, Ray Teal, Harland Tucker, Lew Harvey, Tom Schamp, Ed Randolph, Mike Lally,



03 - BRUTE FORCE - BRUTALIDADE - de Jules Dassin. Univ. 47. Com Burt Lancaster, Hume Cronyn, Charles Bickford, Yvonne De Carlo, Ann Blyth, Ella Raines, Anita Colby, Sam Levene, Jeff Corey, John Hoyt, Jack Overman, Roman Bohnen, Sir Lancelot, Vince Barnett, Jay C. Flippen, Richard Gaines, Frank Puglia, James Bell, Howard Duff, Art Smith, Whit Bissell, Guy Beach, Paul Bryar, Howland Chamberlain, Eddie Chandler, Edmund Cobb, William Cozzo.

04 - VARIETY GIRL - MIRAGEM DOURADA - de George Marshall. Par. 47. Com Mary Hatcher, Olga San Juan, De Forrest Kelley, Bing Crosby, Bob Hope, Gary Cooper, Ray Milland, Alan Ladd, Barbara Stanwyck, Paulette Goddard, Dorothy Lamour, Veronica Lake, Sonny Tufts, Joan Caulfield, William Holden, Lizabeth Scott, Burt Lancaster, Gail Russell, Sterling Hayden, Robert Preston, John Lund, William Bendix, Barry Fitzgerald, Howard da Silva, Macdonald Carey, Patric Knowles.

05 - SORRY, WRONG NUMBER - A VIDA POR UM FIO - de Anatole Litvak. Par. 48. Com Barbara Stanwyck, Burt Lancaster, Ann Richards, Wendell Corey, Harold Vermilyea, Ed Begley, Leif Erickson, William Conrad, John Bromfield, Jimmy Hunt, Dorothy Neumann, Paul Fierro, Kristine Miller, Suzanne Dalbert, Joyce Compton, Tito Vuolo, Ashley Cowan.

06 - KISS THE BLOOD OFF MY HANDS - AMEI UM ASSASSINO - de Norman Foster. Univ. 48. Com Burt Lancaster, Joan Fontaine, Robert Newton, Lewis L. Russell, Aminta Dyne, Jay Novello, Grizelda Harvey, Colin Keith-Johnson, Reginald Sheffield, Campbell Copelin, Leyland Hodgson, Peter Forbes, Harry Allen, Jimmy Aubrey, Timothy Bruce, George Bunny, Valerie Cardew, Jack Carol, Harry Cording, Leslie Denison, Tom Dillon, David Dunbar, Al Ferguson, Art Foster, James Fowler.



07 - I WALK ALONE - ESTRANHA FASCINAÇÃO - de Byron Haskins. Par.. 47. com Burt Lancaster, Lizabeth Scott, Kirk Douglas, Wendell Corey, Kristine Miller, George Rigaud, Marc Lawrence, Mike Mazurki, Mickey Knox, Roger Neury, John Bishop, Charles D.Brown, Gino Corrado, Jim Davis, Jean Del Val, Howlin Howland, Bruce Lister, Wally Merill, Kristine Merrill

08 - ALL MY SONS - RESGATE DE UMA CONSCIENCIA - de Irving Reis. Univ. 48. Com Edward G. Robinson, Burt Lancaster, Mady Christians, Louisa Horton, Howard Duff, Frank Conroy, Lloyd Gough, Arlene Francis, Henry Morgan, Elisabeth Fraser, Walter Soderling, Therese Lyon, Charles Meredith, William Johnstone, Herb Vigran, Harry Harvey, Pat Flaherty, George Sorel, Helen Brown, Herbert Haywood, Joseph Kerr, Jerry Hausner, William Ruhl.

09 - CRISS CROSS - BAIXEZA - de Robert Siodmak. Univ. 49. Com Burt Lancaster, Yvonne De Carlo, Dan Duryea, Stephen McNally, Richard Long, Esy Morales, Tom Pedi, Percy Helton, Alan Napier, Griff Barnett, Meg Randall, Joan Miller, Edna Holland, John Doucette, Marc Krah, James O'Rear, John "Skins" Miller, Robert Osterloh, Vincent Renno, Charles Wagenheim, Tony Curtis,Beatrice RobertsIsabel Randolph, Robert Winkler, Vito Scotti, John Roy.

10 - ROPE OF SAND - ZONA PROIBIDA - de William Dieterle. Par. 49. Com Burt Lancaster, Paul Henreid, Claude Rains, Peter Lorre, Corinne Calvet, Sam Jaffe, John Bromfield, Mike Mazurki, Kenny Washington, Miranda, Josef Marais, Edmund Breon, Hayden Rorke, David Hoffman, Carl Harbord, Georges Renavent, Ida Moore, David Thursby, Trevor Ward, Martin Wilkins, Everett Brown, Darby Jones, Blackie Whiteford, Harry Cording, Art Foster, Nestor Paiva.

11 - MISTER 880 - SENHOR 880 - de Richard Thorpe. Metro. 50. Com Burt Lancaster, Dorothy McGuire, Edmund Gwenn, Millard Mitchell, Minor Watson, Howard St. John, Hugh Sanders, James Millican, Howland Chamberlin, Larry Keating, Kathleen Hughes, Geraldine Wall, Mervin Williams, Norman Field, Helen Hatch, Robert B. Williams, Edwin Max, Frank Wilcox.



12 - THE FLAME AND THE ARROW - O GAVIÃO E A FLECHA - de Jacques Tourneur. Warner. 50. Com Burt Lancaster, Virginia Mayo, Robert Douglas, Aline MacMahon, Frank Allenby, Nick Cravat, Lynne Baggett, Gordon Gebert, Norman Lloyd, Victor Kilian, Francis Pierlot, Robin Hughes.

13 - VENGEANCE VALLEY - OUSADIA - de Richard Thorpe. Metro. 51. Com Burt Lancaster, Robert Walker, Joanne Dru, Sally Forrest, John Ireland, Carleton Carpenter, Hugh O'Brian, Ray Collins, Ted de Corsia, Hugh O'Brien, Will Wright, Grayce Mills, James Hayward, James H. Harrison, Stanley Andrews.

14 - JIM THORPE-ALL AMERICAN - O HOMEM DE BRONZE - de Michael Curiz. Warner. 51. Com Burt Lancaster, Charles Bickford, Steve Cochran, Phyllis Thaxter, Dick Wesson, Jack Big Head, Suni Warcloud, Al Mejia, Hubie Kerns, Nestor Paiva, Jimmy Moss, Billy Gray, Edwin Max, Robert Strauss, Jimmy Hawkins, Tom Greenway, Dewey Robinson, Sarah Selby



15 - TEN TALL MEN - HOMENS DO DESERTO - de Robert Parrish, Willis Godbech. Col. 51. Com Burt Lancaster, Jody Lawrance, Gilbert Roland, Kieron Moore, George Tobias, John Dehner, Nick Dennis, Mike Mazurki, Gerald Mohr, Ian MacDonald, Mari Blanchard, Donald Randolph, Robert Clary, Henry Rowland, Michael Pate, Stephen Bekassy, Raymond Greenleaf, Paul Marion, Henri Letondal, Philip Van Zandt, Joy Windsor, Joann Arnold, Edith Sheets, Diana Dawson, Gwen Caldwell, Helen Reichman, George Khoury, Nick Cravat, Shimen Ruskin, Carlo Tricoli.

16 - COME BACK, LITTLE SHEBA - A CRUZ DE MINHA VIDA - de Daniel Mann. Par. 52. Com Burt Lancaster, Shirley Booth, Terry Moore, Richard Jaeckel, Philip Ober, Lisa Golm, Walter Kelley, Peter Leeds, Paul McVey, Edwin Max, William Haade, Virginia Hall, Anthony Jochim, Kitty McHugh, Beverly Mook,Virginia Mullen



17 - THE CRIMSON PIRATE - O PIRATA SANGRENTO - de Robert Siodmak. Warner. 52. Com Burt Lancaster, Nick Cravat, Eva Bartok, Torin Thatcher, James Hayter, Leslie Bradley, Margot Grahame, Noel Purcell, Frederick Leister, Eliot Makeham, Frank Pettingell, Dana Wynter, Christopher Lee, Ewan Roberts, John Chandos, Derek Tansley, Charles Farrell.

18 - THREE SAILORS AND A GIRL - UMA GAROTA DE SORTE - de Roy del Ruth. Warner. 53. Com Burt Lancaster,, Jane Powell, Gordon McRae, Gene Nelson, Sam Levene, George Givot, Veda Ann Borg, Jack Larson, Jack E. Leonard.

19 - SOUTH SEA WOMAN - PECADORA DOS MARES DO SUL - de Arthur Lubin. Warner. 53. Com Burt Lancaster, Virginia Mayo, Chuck Connors, Barry Kelley, Hayden Rorke, Leon Askin, Veola Vonn, Raymond Greenleaf, Bob Sweeney, Paul Burke, Cliff Clark, John Alderson, Rudolph Anders, Henri Letondal, Georges Saurel, Arthur Shields, William O'Leary, John Damler, Alena Awes, Jacqueline Duval, Viola Daniels, Paul Bryar, Anthony Radecki, Keye Luke.



20 - HIS MAJESTY O'KEEFE - SUA MAJESTADE, O AVENTUREIRO - de Byron Haskin. Warner. 53. Com Burt Lancaster, Joan Rice, Andre Morell, Abraham Sofaer, Archie Savage, Benson Fong, Teresa Prendergast, Lloyd Berrell, Charles Horvath, Philip Ahn, Guy Doleman, Grant Taylor, Alexander Archdale, Harvey Adams, Warwick Ray.

21 - FROM HERE TO ETERNITY - A UM PASSO DA ETERNIDADE - de Fred Zinnemann. Col. 53. Com Burt Lancaster, Deborah Kerr, Montgomery Clift, Frank Sinatra, Donna Reed, Ernest Borgnine, Philip Ober, Jack Warden, Mickey Shaughnessy, Harry Bellaver, George Reeves, John Dennis, Tim Ryan, Barbara Morrison, Kristine Miller, Jean Willes, Merle Travis, Arthur Keegan, Claude Akins, Robert Karnes, Robert J. Wilke, Douglas Henderson, Don Dubbins, John Cason, John Bryant, Joan Shawlee, Angela Stevens, Mary Carver, Vicki Bakken, Margaret Barstow, Delia Salvi.

22 - APACHE - O ULTIMO BRAVO - de Robert Aldrich. United. 54. Com Burt Lancaster, Jean Peters, John McIntire, Charles Bronson, John Dehner, Paul Guilfoyle, Ian MacDonald, Walter Sande, Morris Ankrun, Monte Blue, André Morell, Abraham Sofaer, Archie Savage, Benson Fong, Teresa Prendergast, Lloyd Berrell, Charles Horvath, Philip Ahn, Guy Doleman, Grant Taylor, Alexander Archdale, Harvey Adams, Jim Crawford, Mr. McLardy, Paddy Mulelly, Warwick Ray, Niranjan Singh



21 - VERA CRUZ - VERA CRUZ - de Robert Aldrich. United. 54. Com Gary Cooper, Burt Lancaster, Denise Darcel, Cesar Romero, Sarita Montiel, George Macready, Ernest Borgnine, Morris Ankrum, Henry Brandon, Charles Bronson, Jack Lambert, Jack Elam, James McCallion, James Seay, Archie Savage, Charles Horvath, Juan Garcia.

22 - THE ROSE TATTOO - A ROSA TATUADA - de Daniel Mann. Par. 55. Com Anna Magnani, Burt Lancaster, Marisa Pavan, Ben Cooper, Virginia Grey, Jo Van Fleet, Sandro Giglio, Mimi Aguglia, Florence Sundstrom, Dorrit Kelton, Rossana San Marco.

23 - THE KENTUCKIAN - HOMEM ATÉ O FIM - de Burt Lancaster. 55. Com Burt Lancaster, Dianne Foster, Diana Lynn, John McIntire, Una Merkel, Walter Matthau, John Carradine, Donald MacDonald, John Litel, Rhys Williams, Edward Norris, Lee Erickson, Clem Bevfans, Lisa Ferraday, Douglas Spencer, Paul Wexler, Whip Wilson, Norman Leavitt, Glenn Strange, Gil Harman, Will Wright.



24 - THE RAINMAKER - LÁGRIMAS DO CÉU - de Joseph Anthony. Par. 56. Com Katherine Hepburn, Burt Lancaster, Wendell Corey, Lloyd Bridges, Earl Holliman, Cameron Prud'homme, Wallace Ford, Yvonne Lime, Dottie Bee Baker, Dan White, Stan Jones, John Benson, James Stone, Tony Merrill, Joe Brown, Ken Becker.

25 - TRAPEZE - TRAPEZIO - de Carol Reed. United. 56. Com Burt Lancaster, Tony Curtis, Gina Lollobrigida, Katy Jurado, Thomas Gomez, Johnny Puleo, Minor Watson, Gerard Landry, Jean-Pierre Kérien, Sidney James, Gabrielle Fontan, Pierre Tabard, Gamil Ratab, Michel Thomas, The Gimma Boys, Edward Hagopian, Edward Ward, Sally Marlowe, Fay Alexander, Willy Krause, Betty Codreano, Mme. Felco Cipriano, The Codreanos, Simpion Bouglione.

26 - SWEET SMELL OF SUCCESS - A EMBRIAGUEZ DO SUCESSO - de Alexander MacKendrick. United. 57. Com Burt Lancaster, Tony Curtis, Susan Harrison, Martin Milner, Sam Levene, Barbara Nichols, Jeff Donnell, Joseph Leon, Edith Atwater, Emile Meyer, Joe Frisco, David White, Lawrence Dobkin, Lurene Tuttle, Queenie Smith, Jay Adler, Lewis Charles, Joseph Leon, Autumn Russell.



27 - GUNFIGHT AT THE O.K. CORRAL - SEM LEI E SEM ALMA - de John Sturges. Par. 57. Com Burt Lancaster, Kirk Douglas, Rhonda Fleming, Jo Van Fleet, John Ireland, Lyle Bettger, Frank Faylen, Earl Holliman, Ted de Corsia, Dennis Hopper, Whit Bissell, George Mathews, John Hudson, DeForest Kelley, Martin Milner, Kenneth Toby, Lee Van Cleef, Jack Elam.

28 - SEPARATE TABLES - VIDAS SEPARADAS - de Delbert Mann. United. 58. Com Deborah Kerr, Rita Hayworth, David Niven, Wendy Hiller, Burt Lancaster, Gladys Cooper, Cathleen Nesbitt, Felix Aylmer, Rod Taylor, Audrey Dalton, May Hallatt, Priscilla Morgan, Hilda Plowright



29 - RUN SILENT, RUN DEEP - O MAR É NOSSO TUMULO - de Robert Wise. United. 58. Com Clark Gable, Burt Lancaster, Jack Warden, Brad Dexter, Don Rickles, Nick Cravat, Joe Maross, Mary LaRoche, Eddie Foy III, Rudy Bond, H.M. Wynant, John Bryant, Ken Lynch, Joel Fluellen, Jimmie Bates, John Gibson.

30 - THE DEVIL'S DISCIPLE - O DISCIPULO DO DIABO - de Guy Hamilton. United. 59. Com Kirk Douglas, Burt Lancaster, Laurence Olivier, Harry Andrews, Janete Scott, Erik Chitty, David Horne, Mervyn Johns, Jenny Jones, Eva Le Gallienne, Neil McCallum, George Rose, Basil Sydney, Allan Cuthbertson, Percy Herbert, Phyllis Morris, Brian Oulton.

31 - ELMER GANTRY - ENTRE DEUS E O PECADO - de Richard Brooks. United. 60. Com Burt Lancaster, Jean Simmons, Arthur Kennedy, Shirley Jones, Dean Jagger, Patti Page, Edward Andrews, John McIntire, Joe Maross, Everett Glass, Michael Whalen, Hugh Marlowe, Philip Ober, Wendell Holmes, Barry Kelly, Rex Ingram, Jean Willes, Sally Fraser.

32 - THE UNFORGIVEN - O PASSADO NÃO PERDOA - de John Huston. United. 60. Com Burt Lancaster, Audrey Hepburn, Audie Murphy, John Saxon, Charles Bickford, Albert Salmi, Lillian Gish, Joseph Wiseman, Kipp Hamilton, Arnold Merritt, June Walker, Carlos Riva, Doug McClure.

33 – THE YOUNG SAVAGES - JUVENTUDE SELVAGEM - de John Frankenheimer. United. 61. Com Burt Lancaster, Dina Merrill, Shelley Winters, Edward Andrews, Vivian Nathan, Larry Gates, Telly Savalas, Pilar Seurat, Jody Fair, Roberta Shore, Milton Selzer, Robert Burton, David Stewart, Stanley Kristien, John David Chandler, Neil Nephew, Luis Arroyo, Jose Perez, Richard Velez, William Sargent, Chris Robinson, Stanley Adams, Bill Quinn.

34 - JUDGMENT AT NUREMBERG - JULGAMENTO EM NUREMBERG - de Stanley Kramer. United. 61. Com Spencer Tracy, Burt Lancaster, Richard Widmark, Marlene Dietrich, Maximilian Schell, Judy Garland, Montgomery Clift, William Shatner, Edward Binns, Kenneth MacKenna, Werner Klemperer, Alan Baxter, Torben Meyer, Ray Teal, Martin Brandt, Virginia Christine, Joe Bernard, Ben Wright, John Wengraf, Karl Swenson, Howard Caine, Otto Waldis, Olga Fabian, Sheila Bromley, Bernard Kates, Jana Taylor, Paul Busch, Joseph Crehan.

35 - BIRDMAN OF ALCATRAZ - O HOMEM DE ALCATRAZ - de John Frankenheimer. United. 62. Com Burt Lancaster, Karl Malden, Thelma Ritter, Betty Field, Neville Brand, Edmond O'Brien, Hugh Marlowe, Telly Savalas, Graham Denton, James Westerfield, Chris Robinson, Whit Bissell, Robert Burton, Lewis Charles, Nick Dennis, Raymond Greenleaf, William Hansen, Harry Holcombe, Harry Jackson, Len Lesser, Edward Mallory, Adrienne Marden, George Mitchell, Leo Penn, Arthur Stewart



36 - IL GATTOPARDO - O LEOPARDO - de Luchino Visconti. Fox. 63. Com Burt Lancaster, Alain Delon, Claudia Cardinale, Rina Morelli, Paolo Stoppa, Romolo Valli, Lucilla Morlacchi, Serge Reggiani, Ida Galli, Otavia Piccolo, Pierre Clementi, Carlo Valenzano, Anna-Maria Bottini, Mario Girotti, Leslie Franch, Marino Masé, Giuliano Gemma.

37 - A CHILD IS WAITING - MINHA ESPERANÇA É VOCÊ - de John Cassavetes. United. 63. Com Burt Lancaster, Judy Garland, Gena Rowlands, Steven Hill, Bruce Ritchey, Gloria McGehee, Paul Stewart, Lawrence Tierney, Elizabeth Wilson, Barbara Pepper, John Morley, June Walker, Mario Gallo, Fred Draper, Bill Mumy, Brian Corcoran, Butch Patrick, Jay Phillips, Noam Pitlik, Michael Stevens

38 - THE LIST OF ADRIAN MESSENGER - A LISTA DE ADRIAN MESSENGER - de John Huston. Univ. 63. Com George C.Scott, Dana Wynter, Clive Brook, Gladys Cooper, Herbert Marshall, Jacques Roux, John Merivale, Marcel Dalio, John Huston, Noel Purcell. Bernard Fox, Tim Durant, Barbara Morrison, Tony Curtis, Kirk Douglas, Burt Lancaster, Robert Mitchum, Frank Sinatra, Jennifer Raine, Delphi Lawrence, Eric Heath, Stacy Morgan, Anita Sharpe.

39 - SEVEN DAYS IN MAY - SETE DIAS DE MAIO - de John Frankenheimer. Par. 64. Com Burt Lancaster, Kirk Douglas, Fredric March, Ava Gardner, Edmond O'Brien, Martin Balsam, George Macready, Whit Bissell, Hugh Marlowe, Bart Burns, Richard Anderson, Jack Mullaney, Andrew Duggan, John Larkin, Malcolm Atterbury, Helen Kleeb, John Houseman, Colette Jackson, Fredd Wayne, Rodolfo Hoyos, Clegg Hoyt.

40 - THE TRAIN - O TREM - de John Frankheimer. United. 65. Com Burt Lancaster, Paul Scofield, Jeanne Moreau, Michel Simon, Suzanne Flon, Wolfgang Preiss, Richard Munch, Albert Remy, Charles Millot, Jacques Marin, Paul Bonifas, Jean Bouchaud, Donald O'Brien, Jean-Pierre Zola, Arthur Brauss, Jean-Claude Bercq, Howard Vernon, Bernard Lajarrige, Louis Falavigna, Daniel Lecourtois, Richard Bailey, Christian Fuin, Helmo Kindermann, Roger Lumont.



41 - THE HALLELUJAH TRAIL - NAS TRILHAS DA AVENTURA - de John Sturges. United. 65. Com Burt Lancaster, Lee Remick, Dana (Jim) Hutton, Pamela Tiffin, Donald Pleasence, Brian Keith, Martin Landau, John Anderson, Tom Stern, Robert J. Wilke, Jerry Gatlin, Larry Duran, Jim Burk, Dub Taylor, John McKee, Helen Kleeb, Noam Pitlik, Carl Pitti, Bill Williams, Marshall Reed, Caroll Adams, Ted Markland, Bing Russell, William Benedict, Hope Summers, Whit Bissell, Val Avery.

42 - THE PROFESSIONALS - OS PROFISSIONAIS - de Richard Brooks. Col. 66. Com Burt Lancaster, Lee Marvin, Robert Ryan, Jack Palance, Claudia Cardinale, Ralph Bellamy, Woody Strode, Joe De Santis, Rafael Bertrand, Jorge Martinez de Hoyos, Marie Gomez, Jose Chavez, Carlos Romero, Vaughn Taylor, Roberto Contreras, Don Carlos, Elizabeth Campbell, John Lopez, Darwin Lamb, Dirk Evans, John McKee, Eddie Little Sky, Leigh Chapman.

43 - THE SWIMMER - O ENIGMA DE UMA VIDA - de Frank Perry. Col. 68. Com Burt Lancaster, Janet Landgard, Janice Rule, Tony Bickley, Marge Champion, Nancy Cushman, Bill Fiore, John Garfield Jr., Kim Hunter, Rose Gregorio, Charles Drake, Bernie Hamilton, House Jameson, Jimmy Joyce, Michael Kearney, Richard McMurray, Jan Miner, Diana Muldaur, Keri Oleson, Joan Rivers, Cornelia Otis Skinner, Dolph Sweet, Louise Troy, Diana Van Der Vlis.

44 - THE SCALPHUNTERS - REVANCHE SELVAGEM - de Sydney Pollack. United. 68. Com Burt Lancaster, Shelley Winters, Telly Savalas, Ossie Davis, Armando Silvestre, Dan Vadis, Dabney Coleman, Paul Picerni, Nick Cravat, John Epper, Jack Williams, Chuck Roberson, Tony Epper, Agapito Roldan, Gregorio Acosta, Nestor Dominguez.

45 - THE GYPSY MOTHS - OS PARAQUEDISTAS ESTÃO CHEGANDO - de John Frankenheimer. Metro. 69. Com Burt Lancaster, Deborah Kerr, Gene Hackman, Scott Wilson, William Windom, Bonnie Bedelia, Sheree North, Carl Reindel, Ford Rainey, John Napier.

46 - CASTLE KEEP - A DEFESA DO CASTELO - de Sydney Pollack. Col. 69. Com Burt Lancaster, Peter Falk, Patrick O'Neal, Jean-Pierre Aumont, Scott Wilson, Al Freeman Jr., Tony Bill, Bruce Dern, Astrid Heeren, Michael Conrad, James Paterson, Caterina Boratto, Elisabeth Tessier, Anne Marie Moskovenko, Marja Allanen, Eya Tuli, Elizabeth Darius, Karen Blanguernon, Marie Danube, Harry Baird, Ernest Clark, Jean Gimelo, David Jones.

47 - AIRPORT - AEROPORTO - de George Seaton. Par. 70. Com Burt Lancaster, Dean Martin, Jean Seberg, Jacqueline Bisset, George Kennedy, Helen Hayes, Van Heflin, Maureen Stapleton, Barry Nelson, Dana Wynter, Lloyd Nolan, Barbara Hale, Gary Collins, John Findlater, Jessie Royce Landis, Larry Gates, Peter Turgeon, Whit Bissell, Virginia Grey, Eileen Wesson, Paul Picerni, Robert Patten, Clark Howat, Lew Brown, Llana Dowding, Lisa Gerritsen.

48 - LAWMAN - MATO EM NOME DA LEI - de Edwin Sherin. United. 71. Com Burt Lancaster, Robert Ryan, John Beck, Lee J. Cobb, Sheree North, Joseph Wiseman, Robert Duvall, Albert Salmi, J.D. Cannon, John McGiver, Richard Jordan, Ralph Waite, William Watson, Charles Tyner, John Hillerman, Robert Emhardt, Richard Bull.

49 - VALDEZ IS COMING - QUANDO OS BRAVOS SE ENCONTRAM - de Michael Winner. United. 71. Com Burt Lancaster, Susan Clark, Jon Cypher, Barton Heyman, Richard Jordan, Frank Silvera, Hector Elizondo, Phil Brown, Ralph Brown, Juanita Penaloza, Lex Monson, Roberta Haynes, Maria Montez, Marta Tuck, Jose Garcia, James Lemp.

50 - ULZANA'S RAID - A VINGANÇA DE ULZANA - de Robert Aldrich. Univ. 72. Com Burt Lancaster, Bruce Davison, Jorge Luke, Richard Jaeckel, Joaquin Martinez, Lloyd Bochner, Karl Swenson, Douglas Watson, Dran Hamilton, John Pearce, Gladys Holland, Margaret Fairchild, Aimee Eccles, Richard Bull, Otto Reichow, Dean Smith, Larry Randles, Hal Maguire, Ted Markland, R.L. Armstrong, John McKee, Tony Epper, Nick Cravat.



51 - SCORPIO - SCORPIO - de Michael Winner. United. 73. Com Burt Lancaster, Alain Delon, Paul Scofield, John Colicos, Gayle Hunnicutt, J.D.Cannon, Joanne Linville, Melvin Stewart, Vladek Sheybal, Mary Maude, Mary Maude, Jack Colvin, James Sikking, Burke Byrnes, William Smithern, Sandor Ellis, Robert Emhardt, Frederick Jaeger, George Mikell

52 - EXECUTIVE ACTION -O ASSASSINATO DE UM PRESIDENTE - de David Miller. Fama Filmes. 73. Com Burt Lancaster, Robert Ryan, Will Geer, Gilbert Green, John Anderson, Ed Lauter, Sidney Clute, Lloyd Gough, Dick Miller, Paul Carr, Colby Chester, Walter Brooke, John Brascia, Richard Bull, Sidney Clute, Deanna Darrin, Lee Delano, Graydon Gould, Rick Hurst

53 - THE MIDNIGHT MAN - O HOMEM DA MEIA NOITE - de Burt Lancaster, Roland Kibee. Univ. 74. Com Burt Lancaster, Susan Clark, Cameron Mitchell, Morgan Woodward, Harris Yulin, Robert Quarry, Joan Lorring, Lawrence Dobkin, Ed Lauter, Mills Watson, Charles Tyner, Catherine Bach, William Lancaster, Quinn Redeker, Eleanor Ross, Richard Winterstein, William T. Hicks, Peter Dane, Linda Kelsey, William Splawn, Susan McDonald, Nick Cravat.

54 - GRUPPO DI FAMIGLIA IN UN INTERNO / VIOLENCE ET PASSION - VIOLENCIA E PAIXÃO - de Luchino Visconti. Condor Filmes. 77. Com Burt Lancaster, Silvana Mangano, Helmut Berger, Claudia Marsani, Claudia Cardinale, Elvira Cortese, Romolo Valli, Umberto Raho, Vittorio Fanfoni, Enzo Fiermonte, Philippe Hersent, Margherita Horowitz, Valentino Macchi, Lorenzo Piani, George Platot, Dominique Sanda, Guy Tréjan, Jean-Pierre Zola


ANÚNCIO DE JORNAL DO LANÇAMENTO DO FILME TELEVISIVO "MOISÉS" NOS CINEMAS BRASILEIROS
55 - MOSES - MOISÉS - de Gianfranco De Bosio. Paris Filmes. 75. Com Burt Lancaster, Anthony Quayle, Marina Berti, Mariangela Melato, Irene Papas, Michele Placido, Paul Smith, Laurent Terzieff, Ingrid Thulin, William Lancaster, Aharon Ipale, Mario Ferrari, Joseph Shiloah, Shmuel Rodensky

56 - BUFFALO BILL AND THE INDIANS, OR SITTING BULL'S HISTORY LESSON - OESTE SELVAGEM - de Robert Altman. Paris Filmes 76. Com Paul Newman, Joel Grey, Kevin McCarthy, Burt Lancaster, Geraldine Chaplin, Harvey Keitel, Frank Kaquitts, Will Sampson, Allan F. Nicholls, John Considine, Robert DoQui, Mike Kaplan, Bert Remsen, Bonnie Leaders, Noelle Rogers, Evelyn Lear, Denver Pyle, Ken Krossa, Fred N. Larsen, Jerri Duce, Joy Duce, Alex Green, Shelley Duvall, Dennis Corrie

57 - 1900 / NOVECENTO - 1900 - de Bernardo Bertulucci. Fox. 77. Com Burt Lancaster, Stefania Sandrelli, Dominique Sanda, Robert De Niro, Gerard Depardieu, Alida Valli, Laura Betti, Donald Sutherland, Sterling Hayden, Romulo Valli, Roberto Maccanti, Anna Maria Gherardi, Werner Bruhns, Anna Henkel, Paolo Pavesi, Francesca Bertini

58 - VICTORY AT ENTEBBE - VITÓRIA EM ENTEBBE - de Marvin J.Chomsky. Warner. 76. Com Helmut Berger, Theodore Bikel, Linda Blair, Kirk Douglas, Richard Dreifuss, Stefan Gierash, David Groh, Julius Harris, Helen Hayes, Anthony Hopkins, Burt lancaster, Christian Marquand, Elizabeth Taylor, Jessica Walter, Harris Yulin, Allan Miller, Sibi Besch.

59 – THE CASSANDRA CROSSING - A TRAVESSIA DE CASSANDRA - de George Pan Cosmatos. Condor. 77. Com Sophia Loren, Burt Lancaster, Richard Harris, Martin Sheen, Lee Strasberg, Franco Citti, Fred Gwinn Stephan Barat, Ava Gardner, Ingrid Thulin, Alida Valli, Lee Strasberg, John Phillip Law, Ann Turkel, O.J. Simpson, Lionel Stander, Raymond Lovelock, Lou Castel, Stefano Patrizi, Carlo De Mejo, Fausta Avelli.



60 - TWILIGHT'S LAST GLEAMING - O ULTIMO BRILHO DO CREPUSCULO - de Robert Aldrich. Fox. 77. Com Burt Lancaster, Richard Widmark, Charles Durning, Melvyn Douglas, Paul Winfield, Burt Young, Joseph Cotten, Roscoe Lee Browne, Gerald S. O'Loughlin, Richard Jaeckel, Bill Marshall, Charles Aidman, Leif Erickson, Charles McGraw, Morgan Paull, Simon Scott, William Smith, Bill Walker, David Baxt, Glenn Beck, Ed Bishop, Vera Miles.

61 – THE ISLAND OF DR. MOREAU - A ILHA DE DR.MOREAU - de Don Taylor. Paris Filmes. 71. Com Burt Lancaster, Michael York, Nigel Davenport, Barbara Carrera, Richard Basehart, Nick Cravat, The Great John "L.", Bob Ozman, Fumio Demura, Gary Baxley, John Gillespie, David Cass.

62 – GO TELL THE SPARTANS - INFERNO SEM SAIDA - de Ted Post - United. 78. Com Burt Lancaster, Craig Wasson, Jonathan Goldsmith, Marc Singer, Joe Unger, Dennis Howard, David Clennon, Evan Kim, John Megna, Hilly Hicks, Dolph Sweet, Clyde Kusatsu, James Hong, Denice Kumagai, Tad Horino, Phong Diep, Ralph Brannen

63 –ZULU DAWN - OS GRANDES AVENTUREIROS - de Douglas Hickox. Paris Filmes. 79. Com Burt Lancaster, Peter O'Toole, Simon Ward, John Mills, Nigel Davenport, Michael Jayston, Ronald Lacey, Denholm Elliott, Freddie Jones, Christopher Cazenove, Ronald Pickup, Donald Pickering, Anna Calder-Marshall, James Faulkner, Peter Vaughan, Graham Armitage, Bob Hoskins, Dai Bradley, Paul Copley, Christopher Chittell, Nicholas Clay, Brian O'Shaunnessy.

64 - ATLANTIC CITY - ATLANTIC CITY - de Louis Malle. Gaumont. 80. Com Burt Lancaster, Susan Sarandon, Kate Reid, Michel Piccoli, Hollis McLaren, Robert Joy, Al Waxman, Robert Goulet, Moses Znaimer, Angus MacInnes, Sean Sullivan,Wallace Shawn, Harvey Atkin, Norma Dell'Agnese, Louis Del Grande, John McCurry, Eleanor Beecroft.

65 - CATTLE ANNIE AND LITTLE BRITCHES - " ANNIE E OS BANDIDOS " - de Lamont Johnson. 80. Com Burt Lancaster, John Savage, Rod Steiger, Diane Lane, Amanda Plummer, Scott Glenn, Redmond Gleason, William Russ, Kenny Call, Buck Taylor, John Quade, Perry Lang, Steven Ford, Mike Maroff, John Hock, Robert Cudney Jr., Michael Conrad, Chad Hastings, Yvette Sweetman, Tom Delaney, Matthew Taylor, John Sterlini, Roger Cudney.



66 - LA PELLE - A PELE - de Liliana Cavani. Gaumont. 81. Com Marcello Mastroianni, Burt Lancaster, Claudia Cardinale, Ken Marshall, Alexandra King, Carlo Giuffre, Yann Babilee, Jacques Sernas, Jeanne Valere, Liliana Tari, Peppe Barra, Cristina Donadio, Rosaria della Femmina, Gianni Abbate, Anna Maria Ackermann, Concetta Barra, Giselda Castrini, Antonella Cioli, Giovanni Crosio, Antonio Ferrante, Nunzia Fumo, Giuliana Gargiulo, Linda Moretti, Elio Polimeno, Paolo Pieri

67 - LOCAL HERO - MOMENTO INESQUECIVEL - de Bill Forsythe. Art Filmes. 83. Com Burt Lancaster, Peter Riegert, Fulton Mackay, Denis Lawson, Norman Chancer, Peter Capaldi, Rikki Fulton, Alex Norton, Jenny Seagrove, Jennifer Black, Christopher Rozycki, Christopher Asante, John Jackson, Dan Ammerman, Tam Dean Burn, Luke Coulter, Karen Douglas, Kenny Ireland, Harlan Jordan, Charles Kearney, David Mowat, John Poland, Anne Scott Jones.

68 - THE OSTERMAN WEEKEND - " O CASAL OSTERMAN "- de Sam Peckinpah. 83. Com Rutger Hauer, John Hurt, Craig T. Nelson, Dennis Hopper, Chris Sarandon, Burt Lancaster, Meg Foster, Helen Shaver, Cassie Yates, Sandy McPeak, Christopher Starr, Cheryl Carter, John BrysonAnne Haney, Kristen Peckinpah, Jan Triska, Hansford Rowe, Merete Van Kamp, Bruce Block, Buddy Joe Hooker, Tim Thomerson, Deborah Chiaramonte, Walter Kelley.



69 – LITTLE TREASURE - de Alan Sharp. 85. Com Margot Kidder, Ted Danson, Burt Lancaster, Joseph Hacker, Malena Doria, John Pearce, Gladys Holland, Bill Zuckert, James Hall, Leonor Llausás, Ricardo Gallarzo Jr., Rodolfo De Alexandre, Enrique Lucero, George Belanger, Patrick Welch, Julia Williams, Glenda Moore, Walter Eggen, Dieter Koll, Roberta Rose

70 - TOUGH GUYS - OS ÚLTIMOS DURÕES - de Jeff Kanew. 86. Com Burt Lancaster, Kirk Douglas, Charles Durning, Alexis Smith, Dana Carvey, Darlanne Fluegel, Eli Wallach, Monty Ash, Billy Barty, Simmy Bow, Darlene Conley, Nathan Davis, Matthew Faison, Corkey Ford, Rick Garcia, Graham Jarvis, Doyle L. McCormack, Bob Maxwell, Steven Memel, Jeanne Mori.

71 – IL GIORNO PRIMA – de Giuliano Montaldo. 87. Com Ben Gazzara, Kate Nelligan, Kate Reid, Burt Lancaster, Ingrid Thulin, Erland Josephson, Cyrielle Claire, William Berger, Jean Benguigui, Andréa Ferréol, Lavinia Segurini, Flavio Bucci, Zeudi Araya, Amy Werba, Andrea Occhipinti, Alfredo Peã, Dean Magri, Achille Brugnini, Helmut Hagen, Emilia Cecchi, Carlotta De Furlani, Gianfranco Stoppani, Peter Boon

72 - LA BOTTEGA DELL'OREFICE / THE JEWELLER'S SHOP – de Michael Anderson. 88. Com Burt Lancaster, Daniel Olbrychski, Ben Cross, Andrea Occhipinti, Olivia Hussey, Jo Champa, Melora Hardin, Jonathan Crombie, Francesca Bregni, Alessandra Casella, Gianluigi Ghione, Philippe Lasry, Paul Muller, Isabel Schiffmacker, Brigitte Vauclair, Andrew Bednarski, Mathew Machay, Nigel Bennett, Gwynyth Walsh, Aidan Devine, Alex Poch-Goldin

73 - ROCKET GIBRALTAR - de Daniel Petrie. 88. Com Burt Lancaster, Suzy Amis, Patricia Clarkson, Frances Conroy, Sinead Cusack, John Glover, Bill Pullman, Kevin Spacey, John Bell, Nicky Bronson, Dan Corkill, Macaulay Culkin, Angela Goethals, Sara Goethals, Emily Poe, Sara Rue, George Martin

74 - FIELD OF DREAMS – O CAMPO DOS SONHOS - de Phil Alden Robinson. 89. Com Kevin Costner, Amy Madigan, Gaby Hoffmann, Ray Liotta, Timothy Busfield, James Earl Jones, Burt Lancaster, Frank Whaley, Dwier Brown, James Andelin, Mary Anne Kean, Fern Persons, Kelly Coffield, Michael Milhoan, Steve Eastin, Charles Hoyes, Art La Fleur, Lee Garlington, Mike Nussbaum, Larry Brandenburg, Mary McDonald Gershon, Robert Kurcz, Don John Ross, Bea Fredman, Geoffrey Nauffts, Anne Seymour, C. George Baisi, Howard Sherf, Joseph Ryan, Joe Glasberg, Brian Frankish, Jeffrey Neal Silverman

34 comentários:

  1. Telles,

    O que acabo de ler não é apenas uma postagem sobre um astro, e sim uma alegre e belissima dissertação da vida deste grande ator, que arrancaste do seu mais profundo âmago, para alegrar e encher de bons tons alguns momentos das vidas de seus seguidores.

    Perfeito trabalho, amigo. Perfeito e nada mais que a construção de um passeio saudável e transmissor de intenso bem estar a tantos que amaram tudo que este belo astro construiu em sua vida cinematográfica, assim como interessantes aspectos de sua vida pessoal.

    Assisti a quase 30 filmes com o Lancaster. Porém, lendo seu escrito captei que deixei de ver outros lindos espetáculos por este feito, como A Filha da Pecadora, por exemplo, Baixeza e, Sua Majestade o Aventureiro, que vi há longos anos e de nada me recordo.

    Também desconhecia que o romance Assassinos é uma obra de alguém que também preservo a admiração, que foi o Hemingway.

    E vou aqui correr o risco de cometer com este memorável astro um pecado e dizer; Entre Deus e o Pecado, O Leopardo e A Um Passo da Eternidade foram tres dos seus filmes que ponho à frente dos demais, que são, aliás, quase todos muito dignos de louvores, já que sua filmografia é pontilhada de grandes obras.

    Aliás, para ser muito sincero, não sei mesmo se o Cinema encontraria um Elmer Gantry como o encontrou em Burt Lancaster. Premio acima de merecido, pois sua atuação expande os limites das telas.

    Em 1968 Frank Perry o dirigiu em Enigma de uma Vida, filme muito pouco visto e pouquissimo comentado deste ator.
    No entanto ele, já aos 55 anos, o que faz neste filme é uma verdadeira maratona pelas casas de outros amigos, sempre de sunga, despontando ainda um fisico invejável e nadando sem parar por todas aquelas piscinas que vai encontrando em sua caminhada.
    Um filme simples, mas que mostra a vitalidade de um homem já em fase de amadurecimento, correndo daquela daquela forma, nadando como um garoto e com uma performance corporal de invejar a muitos jovens.

    Mas lamento o mesmo ter deixado de interpretar Judá Ben Hur, no filme que premiou Heston e que considero o melhor espetáculo já filmado pelo cinema, assim como o ótimo papel de Don Corleone, em O Poderoso Chefão, papel que, com absoluta certeza, não faria inferior ao de Brando.

    Porém, no filme Sansão, pelo que li, ele foi preterido a Victor Marture e não te-lo recusado. A não ser que tenha entendido mal.
    Quanto a Patton, sinceramente, não sei se ele deixou de fazer grande coisa não, já que é uma fita para mim sem tantas qualidades como explicita a critica.

    De um modo geral fecho este comentário feliz, por tratar-se de algo que acabo de ler e que me forneceu agrados demais.

    jurandir_lima@bol.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Saudações nobre baiano!

      Vc acrescentou uma obra importante na filmografia de Lancaster que agora fez preencher ainda mais a minha matéria – sobre o filme A PISCINA. Confesso a vc que não é dos meus filmes prediletos do ator, muito embora concorde com o amigo que o desempenho físico de Burt é sem dúvida magistral, já contando 55 anos de idade e com um físico de dar inveja até a mim mesmo que tenho 43 (risos!).

      Outra coisa é que fico imaginando um BEN-HUR feito por Lancaster. Rock Hudson e Marlon Brando recusaram também o papel que acabou abocanhando em Charlton Heston, que embora um bom ator, ele estava ainda um pouco distante de Marlon e Burt, mas ainda assim valeu o espetáculo, que firmou definitivamente a consagração de Heston. Um BEN-HUR feito por Burt, em sinceridade, seria muito além das boas expectativas, não acha? Já PATTON que é um filme bélico, também ficaria bem em Burt!


      Abraços do editor!

      Excluir
    2. Grande Jura: - Belo comentário!
      Concernente ao filme Enigma de uma vida, devo-lhe dizer que o Burt Lancaster não nada muito bem. Para fazer o filme ele aprendeu a nadar, e nadou como um grande profissional!

      Excluir
  2. Parabéns. Bravo! Burt Lancaster é um dos grandes ícones do cinema. Ousado, elegante, inteligente (sabiamente soube escolher os projetos) e muito bonito. Um grande astro. "A Um Passo da Eternidade" é um daqueles filmes inesquecíveis, de cabeceira. "Entre Deus e o Pecado" é outro entre os meus favoritos.

    Posso fazer um pedido? Gostaria de ver aqui no Filmes Antigos Club outro centenário importante: Vivien Leigh, que no último dia 5 de novembro também completaria 100 anos. Grande estrela. Diva. Amo-a. Quando puder, seria um deleite ler sobre ela nesse magnífico blog.

    Grande abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Meu jovem amigo Rodrigo Mendes

      Já estava projetado publicar nas próximas duas semanas uma matéria sobre esta DIVA, Vivien Leigh, em comemoração a seu centenário!!! Já foi separado material para ela e logo todos vcs serão comunicados.

      É como disse no prólogo da matéria, Burt era um misto destas três coisas: atleta, intelectual, e galã. Sem dúvida foi um dos homens mais bonitos do cinema, e ao envelhecer, demostrou uma imagem veneranda de respeito e admiração perante o público, que sempre o aplaudiu de pé.

      Grande abraço!


      Excluir
  3. Olá Paulo, Parabéns! 💗

    Amei sua caprichada matéria. Burt realmente dispensa comentários. Nem sei o que falar sobre ele e sua grandiosa e invejável carreira. Trabalhou demais e encantou o mundo cinéfilo com sua arte. Amei sobretudo as imagens que postou , fotos que eu não tinha visto ainda.
    Burt está entre meus colecionáveis, aqueles que quero ver e ter o maior número de filmes. E "SEM LEI E SEM ALMA" _ é um filme que eu sou apaixonada. John Sturges aqui soube aproveitar o talento nato do Burt e Kirk. Cenário, trilha sonora, fotografia tudo maravilhoso! Uma pena que hoje em dia não se fazem mais filmes assim. E jamais farão!!!
    Paulo querido, ainda bem que você existe para deixar nosso conhecimento cinéfilo mais aprofundado. adorei sua matéria. Obrigada pelo privilégio de compartilhar comigo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Minha amiga Sibely

      Confesso que fico sensibilizado com seus comentários, e nem sei o que dizer, mas fico feliz que meu trabalho esteja tendo a recompensa não somente de sua leitura como a dos demais amigos e seguidores, e minha satisfação maior é sem dúvida o apoio do leitor.

      Como te disse num email que vc me enviou, não pretendo angariar nenhum tipo de prêmio, pois a minha maior felicidade esta em transmitir conhecimento e informação acerca dos antigos astros e estrelas do cinema.

      Sobre SEM LEI E SEM ALMA, também considero o melhor trabalho da dupla, sem dúvidas – um fabuloso western CLASSE A, que teve em John Sturges um memorável diretor e a trilha sonora de Dimitri Tiomkin (compositor carimbado para Westerns) com o belo Crooner de Frankie Laine, tornaram esta obra inesquecível não somente para os fãs do Western como também para quem ama verdadeiramente a Sétima Arte.

      Obrigado minha amiga, e continue conosco!

      Abraços do editor!


      Excluir
  4. Consegui garantir uma lista de sugestões de tirar o Fôlego. Alguns já assistidos, mas com vontade de rever e outros a assistir por primeiro. Grande abraço!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Agradeço pelo comentário, Malu. Como vc, também preciso rever alguns trabalhos de Burt, e outros, a conhecer. Vemos em sua filmografia tão extensa que percebemos que muitas coisas ainda não pudemos assistir.

      Obrigado pela participação! Cumprimentos cinéfilos deste editor.

      Excluir
  5. Burt Lancaster.
    Se bem que sou ,de certa forma, suspeito para escrever sobre o grande Burt Lancaster, porem não tenho dúvidas em afirmar categoricamente que este, é, sem duvidas, um dos seus melhores trabalhos, quiçá, o melhor que você elaborou. Em síntese um espetacular tributo a um dos maiores atores de todos os tempos, quiçá o maior...
    Como você sabe e tem conhecimento, Burt Lancaster e Vivien Leigh são os meus astro e estrela favoritos, muito embora goste de todos, sem exceção. Digo sem exceção, e é verdade, posto que no CAW é muito comum, em sua maioria, afirmar que detesta determinado ator ou atriz. E afirmam isso com a maior naturalidade, o que não acontece comigo, que sempre consigo ver algo de bom em todos os atores...
    Por exemplo posso gostar de um ator ou atriz, mas quando me pedem para fazer uma análise sobre eles, eu procuro separar as coisas. Gosto do Audie Murphy, mas quando me pedem para fazer uma análise artística sobre ele, eu digo a verdade, ou seja, um ator apenas regular...
    Como é sabido Burt Lancaster fez sua estréia no cinema com grande policial noir ASSASSINOS(1946). Com apenas este filme Burt Lancaster se tornou um astro de primeira grandeza. Após estrelar alguns filmes, Lancaster, que estava além do seu tempo, e Harold Hech fundaram a sua própria companhia produzindo o filme AMEI UM ASSASSINO(1948). Pela primeira vez na história uma produtora independente era controlada por um ator e um agente;posteriormente, agora só, fundou a Norma-FR- Productions. Seu primeiro filme foi a pequena obra-prima, O GAVIÃO E A FLEXA. Neste filme de aventuras, Burt ensaiou e fez todas as cenas perigosas sem a necessidade de dublês. O climax deste filme é espetacular, quando Burt Lancaster demonstra toda a sua abilidade e agilidade, fazendo acrobacias incríveis, acompanhado pela linda trilha sonora de Max Steiner, que jamais esqueço!
    Neste filme ele contratou o seu amigo de infância Nick Cravat, para trabalhar junto com ele. Como Nick tinha problemas com as falas, Burt, rapidamente resolveu o problema. Cravat seria mudo, e ponto final. Assim o foi também em outra obra-prima O PIRATA SANGRENTO.Neste estupendo filme, quem dirigiu as cenas de batalhas no navio foi o próprio Burt Lancaster. Como este filme foi filmado na Europa, no Mar Mediterrâneo, e como tinha muitos atores ingleses, quem faz uma ponta é o famoso Dràcula – Christopher Lee. Segundo depoimento da Virginia Mayo, no filme FURACÃO DE EMOÇÕES, quem dirigiu o Chuck Connors foi ele...Devo alertá-lo que você colocou o título como PECADORAS DOS MARES DO SUL, sendo certo que o título que foi exibido nos cinemas foi FURACÃO DE EMOÇÕES. Finalmente, dirigiu várias cenas do filme SUA MAJESTADE AO AVENTUREIRO, mormente nas cenas de ações.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amigo Edivaldo Martins, o nosso querido Major Eddie Lancaster, da CAW.

      Foi curioso vc mencionar esta grande diva Vivien Leigh, cujo centenário se celebrou na última quinta feira e que será a próxima homenageada deste espaço, que vem celebrando outros astros que vieram a comemorar seus centenários se vivos estivessem, como Victor Mature (lembrado aqui em janeiro), Stewart Granger (lembrado aqui em maio) e Alan Ladd (celebrado em setembro).


      Burt Lancaster, foi sem dúvida, um dos maiores astros de cinema do Século XX. Sou como vc, procuro também separar as coisas, em todos os âmbitos. Uma das coisas referentes que não quis, por exemplo, abordar na matéria em tributo à Lancaster, foi seu perfil meio que egocêntrico, e muitas vezes, arrogante com seus colegas de profissão. Mas não é por isso que não podemos deixar de reconhecer o grande artista que foi, mesmo não concordando com certas atitudes desumanas que desaprovo, como por exemplo, com que tange ao ator Jack Elam, durante as filmagens de VERA CRUZ, em 1954. Mas isto é um caso que prefiro, em respeito a memória de Burt, não abordar, pois todos somos seres humanos e somos dignos de falhas, seja para nós mesmos e para com os outros.


      Burt teve de fato uma ascensão rápida na meca do cinema, pois sua imagem viril, associada ao seu talento nato (detalhe: Lancaster nunca fez aulas de interpretação ou arte dramática) foi vital para que as plateias aceitassem um novo herói. Quanto aos filmes heroicos que fez com o amigo Nick Cravat, vc realçou meu artigo: Cravat tinha uma voz feia, com carregado sotaque nova-iorquino, tinha dificuldades de decorar textos, e a única opção que o amigo Lancaster viu, a tempo, é improvisar uma ideia para Cravat, e nos dois filmes ele desempenhou muito bem o ajudante mudo de Burt, somada com a mímica bem elaborada com uma presença física marcante junto ao amigo Lancaster.


      O filme FURACÃO DE EMOÇÕES, é o título real, e a filmografia de Lancaster eu peguei num link que preciso rever onde foi, mas já vi em outras fontes que o referido filme tem dois títulos (talvez seja um título em Portugal, mas preciso averiguar.

      Excluir
  6. CONTINUANDO...Na cena do maior beijo da história do cinema, também teve a participação dele: o diretor queria fazer de uma maneira, o produtor não gostou dos ensaios, não achando nada interessante, quando Burt Lancaster entrou em ação falando ao diretor se ele não se importaria se ele e Deborah Kerr demonstrasse como seria feito a cena. Ele aceitou a sugestão de Burt, e assim Burt e Deborah ensaiaram a exaustão, de acordo como queria o Burt Lancaster...Desta forma com a colaboração de Burt foi feita a cena do maior beijo da história do cinema...
    Por falar em beijo, Rhonda Fleming disse que fez várias cenas de beijos com vários astros, mas ser beijada por Burt Lancaster, aí sim você pode dizer que foi beijada, concluiu Rhonda!
    O vilão de VERA CRUZ, acabou sendo sugerido por ele, uma vez que estavam em dúvida de quem seria o vilão. James Hill, um dos produtores, os outros dois, o próprio Burt Lancaster e Harold Hech, estava tão entusiasmado de ver Burt Lancaster em cena, e disse para o Gary Cooper: “Eu não vou matar o Burt no final do filme” – Cooper respondeu: “Quando assinei o contrato, o acordo era que eu mataria o Burt, portanto não vou terminar o filme sem que eu o tenha matado". James Hill falou com o Burt e este riu à vontade, e disse – ele pode me matar e o problema foi solucionado. Foi a partir de VERA CRUZ, que começou a ascensão de Burt Lancaster. Este western está além do seu tempo, e serviu de base para o chamado Spaghetti Western. Leone,no excelente western ERA UMA VEZ NO OESTE entre outros westerns homenageados, este foi um deles. O vestuário totalmente preto de Henry Fonda;o duelo final. Isto sem falar que Charles Bronson(ex Charles Buchinsky) toca gaita em VERA CRUZ...

    Dos atores que se aventuraram como produtores independentes, de longe Burt Lancaster foi o mais bem sucedido...
    Sua maior paixão era jogar “bridge”...
    Além de ator e produtor Burt Lancaster foi também um empenhado ativista liberal(já citado por você), falando várias vezes em nome das minorias. Como ativista liberal foi contra o macarthismo (caça às bruxas do comunismo), ao contrário de outros artistas que apoiavam, como é o caso de John Wayne, outros que ficaram em cima do muro, como é o caso de Gary Cooper e outros de delataram companheiros, como é o caso de Sterling Hayden. Talvez por ser um ativista declarado, foi difamado pelo poderoso J. Edgard Hoover... Em 1957, ele solicitou uma reunião com diretor do FBI J. Edgard Hoover, que respondeu: “eu não vou cumprimentar Burt Lancaster em vista dele ser um reacionário.
    A fim de ter o seu passaporte renovado de 1954, Burt Lancaster foi obrigado a enviar uma carta ao Departamento de Estado em que escreveu:” Eu não sou agora um comunista. Nunca fui comunista e não estou em sintonia com o movimento comunista”
    Concernente à Marcha para Washington, a sua participação teve mais valor porque ele que tinha pavor em viajar de avião, estava filmando na Europa e mesmo assim mesmo veio, participou e no dia seguinte retornou à Europa...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quanto a maior cena de amor na História de cinema, protagonizado por Lancaster e Deborah Kerr, A UM PASSO DA ETERNIDADE, de Fred Zinnemann, digo que um casal não poderia ser mais apimentado que estes dois nas telas. Debora não era nem a escolha principal, como disse na matéria, mas ela tinha realmente um ar sensual, era linda, maravilhosa, ótima atriz, e ao contrário do que se poderia imaginar (e quem disse que as inglesas não podem ser quentes?), muito fêmea para o papel de Karen Holmes!!!!

      Nem diria que foi a cena de beijo em si que foi a maior da Sétima Arte, mas a cena de que se faz amor mais fascinante que se tem conhecimento no mundo da Sétima Arte!

      Rhonda Fleming era outra que aspirava as chamas ardentes do Amor! Lancaster tinha uma boa pegada!

      VERA CRUZ é um western de categoria que influenciou anos depois o western europeu, pois em realidade, não tem mesmo um HERÓI, algo que já abordamos muito em nossas conversas, Edivaldo. E além do que, esta é uma das características do western spaghetti, não existe os heróis, mas os anti-heróis e, sobretudo os vilões.


      Cooper, ou melhor, Benjamim Trane em realidade não era nenhum mocinho, e de certa forma era pior do que Joe Erin, vivido por Burt. Todos eram mercenários, todos queriam ganhar e individualmente se dar bem, não é mesmo? Outra importante característica dos westerns spaghettis dirigidos, por exemplo, por Sergio Leone.



      Excluir
  7. CONTINUANDO...Na cena do maior beijo da história do cinema, também teve a participação dele: o diretor queria fazer de uma maneira, o produtor não gostou dos ensaios, não achando nada interessante, quando Burt Lancaster entrou em ação falando ao diretor se ele não se importaria se ele e Deborah Kerr demonstrasse como seria feito a cena. Ele aceitou a sugestão de Burt, e assim Burt e Deborah ensaiaram a exaustão,de acordo como queria o Burt Lancaster...Desta forma com a colaboração de Burt foi feita a cena do maior beijo da história do cinema...
    Por falar em beijo, Rhonda Fleming disse que fez várias cenas de beijos com vários astros, mas ser beijada por Burt Lancaster, aí sim você foi beijada, concluiu Rhonda!
    O vilão de VERA CRUZ, acabou sendo sugerido por ele, uma vez que estavam em dúvida de quem seria o vilão. James Hill, um dos produtores, os outros dois, o próprio Burt Lancaster e Harold Hech, estava tão entusiasmado de ver Burt Lancaster em cena, e disse para o Gary Cooper: “Eu não vou matar o Burt no final do filme” – Cooper respondeu: “Quando assinei o contrato, o acordo era que eu mataria o Burt, portanto não vou terminar o filme sem que eu o tenha matado. James Hill falou com o Burt e este riu à vontade, e disse – ele pode me matar e problema foi solucionado. Foi a partir de VERA CRUZ, que começou a ascensão de Burt Lancaster. Este western está além do seu tempo, e serviu de base para o chamado Spaghetti Western. Leone,no excelente western ERA UMA VEZ NO OESTE entre outros westerns homenageados, este foi um deles. O vestuário totalmente preto de Henry Fonda;o duelo final. Isto sem falar que Charles Bronson(ex Charles Buchinsky) toca gaita em VERA CRUZ...

    Dos atores que se aventuraram como produtores independentes, de longe Burt Lancaster foi o mais bem sucedido...
    Sua maior paixão era jogar “bridge”...
    Além de ator e produtor Burt Lancaster foi também um empenhado ativista liberal(já citado por você), falando várias vezes em nome das minorias.Como ativista liberal foi contra o macarthismo (caça às bruxas do comunismo), ao contrário de outros artistas que apoiavam, como é o caso de John Wayne, outros que ficaram em cima do muro, como é o caso de Gary Cooper e outros de delataram companheiros, como é o caso de Sterling Hayden. Talvez por ser um ativista declarado, foi difamado pelo poderoso J. Edgard Hoover... Em 1957, ele solicitou uma reunião com diretor do FBI J. Edgard Hoover, que respondeu: “eu não vou cumprimentar Burt Lancater em vista dele ser um reacionário.
    A fim de ter o seu passaporte renovado de 1954, Burt Lancaster foi obrigado a enviar uma carta ao Departamento de Estado em que escreveu:” Eu não sou agora um comunista.Nunca fui comunista e não não estou em sintonia com o movimento comunista”
    Concernente à Marcha para Washington, a sua participação teve mais valor porque ele que tinha pavor em viajar de avião, estava filmando na Europa e mesmo assim mesmo veio, participou e no dia seguinte renornou à Europa...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quanto a maior cena de amor na História de cinema, protagonizado por Lancaster e Deborah Kerr, A UM PASSO DA ETERNIDADE, de Fred Zinnemann, digo que um casal não poderia ser mais apimentado que estes dois nas telas. Debora não era nem a escolha principal, como disse na matéria, mas ela tinha realmente um ar sensual, era linda, maravilhosa, ótima atriz, e ao contrário do que se poderia imaginar (e quem disse que as inglesas não podem ser quentes?), muito fêmea para o papel de Karen Holmes!!!!

      Nem diria que foi a cena de beijo em si que foi a maior da Sétima Arte, mas a cena de que se faz amor mais fascinante que se tem conhecimento no mundo da Sétima Arte!

      Rhonda Fleming era outra que aspirava as chamas ardentes do Amor! Lancaster tinha uma boa pegada!

      VERA CRUZ é um western de categoria que influenciou anos depois o western europeu, pois em realidade, não tem mesmo um HERÓI, algo que já abordamos muito em nossas conversas, Edivaldo. E além do que, esta é uma das características do western spaghetti, não existe os heróis, mas os anti-heróis e, sobretudo os vilões.

      Cooper, ou melhor, Benjamim Trane em realidade não era nenhum mocinho, e de certa forma era pior do que Joe Erin, vivido por Burt. Todos eram mercenários, todos queriam ganhar e individualmente se dar bem, não é mesmo? Outra importante característica dos westerns spaghettis dirigidos, por exemplo, por Sergio Leone.



      Excluir
  8. Burt Lancaster ocupa 19ª posição masculina na lista dos 50 maiores lendas do cinema, divulgada pela American Institute em 1999.
    Não aceitou o papel em Patton por ser contrário ao evolvimento estadunidense na Guerra do Vietnam, mas fez de tudo para obter o papel de Don Corleone no filme O PODEROSO CHEFÃO. Ele se ofereceu para fazer o teste, e, mesmo a Paramount interessado em dá-lhe o papel, Coppola preferiu Marlon Brando. O fato curioso é que tanto George C. Scott, escolhido para o papel de Patton, quanto Marlon Brando, como Don Corleone ganharam o Oscar de melhor ator pelos papeis, e recusaram a receber os premios...
    Algumas curiosidades a respeito de Burt Lancaster: Ele era um mulherengo infame em Hollywood, isso irritava muito a sua mulher Norma, o suficiente para ela deixá-lo;Ajudou a pagar a defesa de Billy Dean Smith um soldado negro estadunidense. Para a defesa de Smith, Burt doou US $3000 a seus advogados de defesa para contratar especilistas em balísticas. Smith foi absolvido;Devido a suas crenças políticas liberais, ele esteve bem próxima da lista negra. O FBI mantinha um arquivo detalhado de suas atividades;INFERNO SEM SAIDA de 1978, embora pouco visto na época de seu lançamento é considerado o maior filme anti-guerra sobre o
    Vietnam.
    Durante a década de 50 John Wayne se aproximou de Burt Lancaster sugerindo que eles estrelassem um western juntos. Lancaster riu da idéia, sugerido brincando, que no filme estivesse também Kirk Douglas. Se bem que na realidade ele não iria trabalhar com Wayne, o mais proeminente defensor republicano de Hollywood que tinha participado ativamente na caça às bruxas do comunismo como membro fundador e posteriormente presidente da direita Montion Picture Alliance para preservação dos ideais estadunidenses;Lancaster só concordou trabalhar ao lado de Gary Cooper um republicano moderado que deu um vago depoimento ao comitê de atividades e porque Gary Cooper estrelou Matar ou Morrer um western anti-macarthismo.
    Apesar disso fez um minuto de silencio para Wayne em 11 de junho de 1979, quando este morreu em Los Angeles.
    Em 1960 uniu-se ao diretor John Huston para fazer o western O PASSADO NÃO PERDOA, como resposta de esquerda ao western de direita RASTROS DE ÓDIO.
    Em 1966, no grande westers OS PROFISSIONAIS já com mais de 50 anos, embora o diretor Richard Brooks, não quisesse, e não concordasse Burt Lancaster não usou dublês nas cenas mais perigosas, subindo a montanha com cordas, no braço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bem lembrado!

      Lancaster queria o papel de Don Corleone, que acabou premiando Marlon Brando ao Oscar, contudo sabemos bem que ele não apareceu na cerimônia e recusou o prêmio, alegando que Hollywood não defendia a causa indígena, tanto que mandou uma “índia” para fazer um discurso e mandar o recado de Brando a Academia. Tempos depois, a tal “índia” se soube que não era indígena, e sim, uma atriz.

      Se Burt fizesse o papel, tenho certeza que, além de concorrer e ganhar até mesmo mais um prêmio, sua atuação seria magistral, talvez (digo, talvez) até mesmo superior a Brando.

      Não é difícil imaginar Burt mulherengo (alguns falam-se que também era bissexual, mas são fontes nada confiáveis, ausência de provais mais cabais), mas para alguém que pulava muito a cerca como o marido, Norma até que aguentou demais, pois o divórcio só veio em 1969, isto é, pouco mais de vinte anos de relacionamento entre ela e Burt. Tiveram cinco filhos. Um dos filhos de Lancaster, William, veio a ser ator e atuou em dois filmes importantes do pai: O HOMEM DA MEIA NOITE, em que ele faz um dos estudantes investigados pelo policial interpretado por Lancaster; e MOISÉS, onde interpretou Moisés na sua fase jovem de fuga do Egito. William morreu em 1997, três anos após o pai, por problemas cardíacos.

      Norma morreu em 1988 e Burt esteve presente nos funerais.

      Falando de Gary e do Duke!!! E de seus entendimentos políticos!


      Gary Cooper era republicano moderado, mas isto não significa que fique no muro. Sua atitude perante o Comissão de Atividades Antiamericanas foi registrado e ele não tomou parte nas delações, alegando não conhecer ninguém que fosse comunista em Hollywood, por isto que ele era considerado um republicano moderado, ao contrário de Wayne, que era mais fundamentalista, e porque não dizer, querer ver o circo pegar fogo!

      Agora cá entre nós, Major!

      Fico imaginando o inteligente Burt dar gargalhadas do convite que o querido Duke (sim, também o amamos) do convite que este fez de ambos protagonizarem, juntos, um western. Fora de cogitação! Kirk Douglas e Robert Ryan, que também eram democratas, passaram maus bocados com o Duke durante alguns intervalos de filmagem, mas mesmo assim, cada um dos dois atuou em mais de um filme ao lado do Duke, sendo que Ryan em dois filmes, e Douglas, em três. Isto se chama profissionalismo.

      Burt foi muito nobre (literalmente) se lembrando de Duke, quando este pediu um minuto de silêncio pelo falecimento dele, em 11 de junho de 1979. Quando RASTROS DE ÓDIO foi lançado com sua visão bem direitista e republicana, não foi sucesso logo de imediato quando de sua estreia (escrevi sobre a fita neste espaço). Inegavelmente, muito embora os westerns tenham a tendência de denegrirem os índios, os fatos apresentados em THE SEARCHERS não fogem tanto da realidade, pois havia índios agressivos, hostis, e violentos.

      Contudo, sabemos bem que o gênero é justo, pois existem aqueles que defendem a causa indígena, os westerns PRÓ-INDIOS, como FLECHAS DE FOGO, A LEI DO BRAVO, O CAMINHO DO DIABO, entre outros, e claro, O PASSADO NÃO PERDOA, que tem um misto de Western, romance, e drama, algo hiper diferente só mesmo elaborado por este grande artesão que foi John Huston. Embora goste desta obra de Huston, pela epopeia homérica e poética da trama, ainda assim prefiro RASTROS DE ÓDIO, do Mestre John Ford.







      Excluir
    2. QUANDO DISSE QUE FOI DIFAMADO PELO PODEROSO J. EDGARD HOOVER(QUE DEPOIS FICAMOS SABENDO QUE ERA HOMOSSEXUAL), FOI PARA ENTRAR NA SEARA DA POSSÍVEL BISSEXUALIDADE DE BURT LANCASTER, QUE, SEGUNDO, LI A RESPEITO, FOI J. EDGARD HOOVER, QUE ODIAVA O BURT LANCASTER, QUEM FEZ ESSA DIFAMAÇÃO, NUMA TENTATIVA DE DENEGRIR A IMAGEM DO GRANDE BURT LANCASTER...

      Excluir
    3. Muito suspeito isto Eddie, isto cheira a despeitos e invejas contra este talento da Sétima Arte. Este tal J Egard não merece o meu respeito.

      Excluir
  9. COMPLETANDO...No fim da vida condenado a ficar mudo, morreu sem deixar que nenhum conhecido seu se despedisse pessoalmente dele.”Desejo que lembrem de mim como como me conheceram e não que me vejam no que me transformei” – disse por meio de uma mensagem aos amigos...
    Entre outros retrocitados, gosto muito do filme LÁGRIMAS DO CÉU(1957). Este seria o primeiro filme de Elvis Presley, mas o seu agente, o Coronel Parker não permitiu e o papel ficou com Earl Holliman...Neste filme ele domina o filme, apesar da grande interpretação de Katharine Hepburn. Por este filme Katharine Hepburn e Burt Lancaster concorreram ao premio Oscar de melhor atriz e melhor ator, por este filme;Earl Holliman ganhou o Globo de Ouro, por melhor ator coadjuvante.
    Os melhores filmes de Burt Lancaster, na minha modéstia opinião são: ASSASSINOS, BRUTALIDADE;A VIDA POR UM FIO;O GAVIÃO E A FLECHA;O PIRATA SANGRENTO;VERA CRUZ;O ÚLTIMO BRAVO;TRAPÉZIO;A EMBRIAGUEZ DO SUCESSO;SEM LEI E SEM ALMA; A UM PASSO DA ETERNIDADE;ROSA TATUADA;O PASSADO NÃO PERDOA;ENTRE DEUS E O PECADO;O HOMEM DE ALCATRAZ;O LEOPARDO; MATO...EM NOME DA LEI.;REVANCHE SELVAGEM; O TREM;ATLANTIC CITY.
    In fine, afirmo que é um prazer dar mais esta colaboração ao blog do NOBRE AMIGO PAULO TELES
    A V A N T E ! ! !

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. POSITIVO MAJOR!!!

      Todos os filmes que vc mencionou de sua preferência interpretados por este enobrecido ator são os meus. Também gosto de A FILHA DA PECADORA, e QUANDO OS BRAVOS SE DEFRONTAM, além de sua última presença marcante nas telas grandes, O CAMPO DOS SONHOS, que quando o revi, reavaliei a presença do ator que já contava com 75 anos, que parecia estar até mesmo se despedindo do público, quando ele é levado pelos espíritos dos jogadores de beisebol a ficar com eles, depois que salva a filha do Kevin Costner de se engasgar com um pedaço de salsicha (Burt fazia um velho médico que havia sido jogador do esporte na sua juventude, cujo o SONHO era fazer um ponto, algo que não fez no passado). Foi a despedida de Burt e fico feliz em ter visto esta bela fita no cinema, em 1990.

      Quero agradecer a todos os seus comentários e considerações, Edivaldo. Obrigado mesmo por participar e por todos estes acréscimos que vieram ainda mais enriquecer esta homenagem.

      Abraços do editor!!!

      Excluir
  10. Lancaster,

    Primeiramente meus vigorosos parabens por tantas belas e novas informações sobre o riquissimo universo "Lancaster" (que não é tu desta vez) e sim nosso querido, amado e tão visto astro.

    Depois preciso vos agradecer pelos parabens dado por meu comentário, algo sempre muito inferior ao que sempre faz, mas feito com toda força da alma e infestado de muita sinceridade.

    Depois ainda quero que saiba que os seus comentários me enriquecem os conhecimentos, fator que distribuo por aqui com outros cinéfilos, estes um pouco menos cientes que nós de muitos fatos das vidas de astros tão amados e do cinema em geral.

    Por aqui eu sou considerado o dicionário cinematográfico (claro que cito este fato, mas com toda modéstia) quando alguém precisa de alguma informação sobre cinema.

    E, como afirmo, suas informações me tornam cada vez mais sábio, como, p. exp., o fato do Cravat não ser mudo essencialmente, e ter sido o fato uma idéia brilhante do Burt para suprimir defeitos de dicção do simpático Nick, dentre outras muitas coisas que captei de novidades.

    Assim, ao tempo em que me vejo grato por ser parabenizado por uma criatura sábia como tu, vos agradeço por estas lições sobre esta tão querida arte, fatos que me tornam sabedor com muito mais profundidade deste universo tão vasto e belissimo.

    Jurandir_lima@bol.com.br

    ResponderExcluir
  11. Talles,

    Observei também que omitiste o lado áspero do Lancaster.
    Fizeste muito bem, pois isso em nada somaria a tudo de tão bom que este magnifico ator/produtor nos presenteou em toda sua carreira.

    Entretanto, este seu amigo comentarista aqui oferece rápida discordancia em sua colocação, quando citaste que o comportamento do Lancaster fosse uma falha humana e que todos homens cometem seus erros.

    Não. Não.
    O problema do Lancaster não era falha humana e sim um comportamento nato do mesmo, um alto tom de superioridade, uma cisma que ele tinha com liderança e que não sabia dominar a coceira que este anseio de superioridade lhe acometia.
    No entanto, esso é um mal que muitos são portadores, assim como tinha o John Ford, o Preminger, e etc.
    É aquele comportamento anti humano, submissor, e que, nem por isso, tal qual citaste com sabedoria, podemos por no lixo tudo o que estes grandes homens construiram em suas carreiras.

    Claro que não.
    Mas o que estes, e muitos outros dentro desta área do cinema, assim como em outras ramificações da vida, tinham não era falha humana e sim defeitos de natureza, de formação, de maneira de ser, de propenso senso de um auto comportamento acima de elevado
    sobre os demais.
    Era uma forma um tanto quando degradante de um homem se comportar, no meu ver, no meu ponto de vista, diante de outrem.

    Vejo tudo assim: "ninguém tem o direito de subjugar quem quer que seja, sentindo-se ou achando-se superior ao seu semelhante.
    Todo homem deve e tem o direito de ser tratado como qualquer outro, sem qualquer distinção de posição ou situação.

    Perdoa este seu amigo, mas é isto um paradigma meu que, nem por ser assim, deixo de amar, apreciar e enlevar os legados de pessoas como as que ora pomos em evidencia.

    Por um outro lado, grande homem, achei uma beleza as trocas de palavras entre tu e o sábio Lancaster.

    É necessário se ler atentamente o que um diz e o que o outro responde. E vamos ver aí aquilo que intitulamos "tiroteio de conhecimentos" pairando lindo e informativo aos nossos olhos e conhecimento. Quanta alegria ler tudo isto.

    Vocês fizeram, claro que ao lado de outras criticas de nossos outros fortes conhecedores da arte, a alegria desta postagem.

    Sou ardoroso fã de vocês dois e não sinto qualquer receio em citar publicamente isso, já que, muito do que sei, angariei de palavras que sairam do conhecimento de ambos.

    Grande abraço

    jurandir_lima@bol.com.br

    ResponderExcluir
  12. Lancaster,

    Gostaria que me explicasse uma duvida que me acometeu quando disseste que o Lancaster criou uma nova companhia, sozinho, a Norma-FR.

    Olha; ele tinha a Hetch/Lancaster criada por volta de 1948.
    Segundo disseste, O Gavião e a Flecha, que é de 1950, foi produzido pela sua nova companhia, a Norma-FR, criada, possivelmente, em 50.

    Como jamais ouvi falar desta companhia, a Norma-FR, e depois o Hill passou a fazer parte da outra companhia dele, a Hetch/Hill/Lancaster, gostaria de saber se ele passou a administrar as duas ou morreu a Hetch/Lancaster, nasceu a Norma-FR, e depois ela foi recriada com Hetch/Hill/Lancaster? E a Norma-FR produziu mais algum filme?

    Estou com esta duvida porque quase todos os filmes que vi com o Lancaster eram da Hetch/Hill/Lancaster. O que deduzo que ele ficou administrando as duas companhias. Foi isso ou morreu a primeira e depois ela renasceu com 3 participantes?

    Tira esta boba duvida para seu amigo por gentileza.

    Grande abraço

    Jurandir Lima

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. GRANDE JURA, PELO QUE SEI ELE E HECH APENAS APARECERAM COMO PRODUTORES INDEPENDENTES COM O FILME AMEI UM ASSASSINO. COMO ELE TINHA CONTRATO COM A PARAMOUNT, ELE FEZ UM ACORDO, FAZENDO MAIS ALGUNS FILMES. EM SEQUIDA FUNDOU A NORMA PRODUCTIONS, PRODUZINDO E INTERPRETANDO ENTRE OUTROS O GAVIÃO E A FLECHA, O PIRATA SANGRENTO;POSTERIORMENTE FUNDOU, JUNTAMENTE COM HETCH E HIIL A SUA PRODUTORA, SENDO QUE ESSES FILMES FORAM DISTRIBUIDOS PELA UNITED ARTISTS. O ULTIMO BRAVO, VERA CRUZ, HOMEM ATÉ O FIM, MARTY, TRAPEZIO, DESPEDIDA DE SOLTEIRO, EMBRIAGUEZ DO SUCESSO, O PASSADO NÃO PERDOA, VIDAS SEPARADAS, REVANCHE SELVAGEM FORAM ALGUNS FILMES PRODUZIDOS POR ELES...

      Excluir
  13. Lancaster,

    Deu para entender.

    Nasceu Hetch/Lancaster, fez um unico filme e, por força de contrato com a Paramont, morreu. Nasceu então a Norma, que também fez poucos filmes, segundo entendi.

    Mais tarde ressurge então a antiga com mais o Hill como participante, que fizeram diversos filmes, conforme citou.

    Grato e entendido.

    Juirandir_lima@bol.com.br

    ResponderExcluir
  14. Caros amigos, Jurandir, Lancaster, Paulo e outros tantos que tão bem escrevem por aqui.
    Muito interessantes estas muitas informações privilegiadas (que poucos conhecem) sobre o grande ator Burt Lancaster. Com isto vamos ampliando nosso conhecimento.. Mas gostaria de contribuir, comentando alguns detalhes do filme ENIGMA DE UMA VIDA - The swimmer, já ligeiramente citado por vocês. Nesse filme um pouco desprezado e desconsiderado pela crítica, vemos um Burt Lancaster na plenitude de suas interpretações, num trabalho vigoroso que deveria ter merecido maior atenção de quem decide sobre premiações, galardões etc . A verdade é que para ele tudo parecia fácil. As cenas em que Burt, dentro dos devaneios que tem no filme, disputa uma corrida com um cavalo, e temos a impressão (ou a certeza) de que só ele mesmo para fazer aquilo. São cenas primorosas. E há um aspecto importante nesse filme, simultaneamente à demonstração de vigor físico do protagonista; é a empreitada a que ele se submete, nadando de piscina em piscina, fazendo um longo caminho para casa, onde ele (na verdade já sabia) nada encontraria. Assim, vai alongando seu caminho, indo por aqui, por ali, porque qual seria afinal o sentido da chegada? Vale a pena, para quem não viu, procurar esse filme e assistí-lo com atenção. É uma lição de cinema, dada por ele num filme que passou relativamente despercebido, mas que também chamou a atenção de muita gente.
    As cenas finais do filme, mostrando a verdadeira dimensão de uma mente perturbada são marcantes. Já revi esse filme várias vezes e, a cada vez tenho a confirmação de que se trata de um grande momento de Burt Lancaster, se não me engano dirigido por Frank Perry..
    Abraços a todos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro José, vc deu uma ótima sinopse e definição a respeito do filme ENIGMA DE UMA VIDA (ou A PISCINA). Confesso ao amigo que não é um dos meus filmes prediletos estrelados pelo grande Burt, mas admito 100% que ele tem aqui uma de suas melhores performances, aliás qualquer papel, qualquer um, que Burt pegasse, acredite, virava diamante tamanha sua interpretação.

      Abraços

      Excluir
  15. Paulo, conheci hoje esta sua página, fiquei super contente, em saber um jovem com conhecimento cinéfilo tão apurado, não tive tempo de ver e ler tudo, mas ainda reparei que fala de nomes que muito aprecio na 7ªArte, tais como Audie Murphy ou Rhonda Fleming, tantas há e que ainda vivem (embora já retiradas) tal como Debra Paget (80 anitos e de certeza ainda linda) que é actualmente a unica estrela viva, do vasto elenco principal do filme "Os Dez Mandamentos" gostaria muito que fala-se dela, Yvonne de Carlo, Rita Gam, Audie Murphy, Piper Laurie, Tyrone Power, Yul Bryner, Steve Reeves, etc.etc. assim como das stars de Espanha, Itália França etc. figuras que nos recordam um passado tão bonito no mundo da ilusão e fantasia, Obrigado Paulo Telles, vou ser seguidor desta sua página, de Lisboa um Abraço, Helder Carlos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Saudações Hélder, seja bem vindo ao meu espaço, que é, principalmente, o espaço do cinéfilo e do amante da Sétima Arte, em prioridade, aos grandes clássicos da Tela.

      Fico imensamente lisonjeado pelas tuas considerações para mim colocadas. Embora não tenha falado diretamente sobre muitos destes astros e estrela que você mencionou, muitos deles já foram apontados em outras matérias de modo indireto. Falo do Brynner, por exemplo, na minha matéria publicada no final de 2011 sobre o filme OS DEZ MANDAMENTOS, e realmente, uma das minhas divas, Debra Paget, é a única sobrevivente deste clássico de DeMille, e brevemente ela merecerá um tópico, cheio de carinho, deste editor.

      STEVE REEVES foi mencionado na matéria O MITÓLÓGICO HÉRCULES NO CINEMA E SEUS INTÉRPRETES, de 19 de janeiro de 2012. Há muitas coisas que poderão certamente lhe deliciar, pois falo constantemente não apenas dos filmes que são pautados, mas também breve curiosidades sobre os atores e as atrizes dos áureos tempos, e cineastas e outros profissionais ligados em tais períodos. Fico, além de surpreso, honrado e feliz por todas as considerações, o que me dará ainda mais incentivo a prosseguir com meu trabalho.

      Muito obrigado Helder, e um forte abraço deste editor que lhe cumprimenta e lhe dá as boas vindas, esperando que comente mais vezes, e cumprimentos para os amigos de Lisboa!

      Paulo Telles

      Excluir
  16. Super interessante a sua página, Paulo Telles, sou um cinéfilo que de Lisboa vou seguir esta sua página dedicada ás antigas glórias da 7ª Arte, Obrigado Paulo, Abraço Helder Carlos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico agradecido Héder. Seja bem vindo sempre. O email do blog filmesantigosclub@hotmail.com e estará a partir de já a sua disposição para sugestões e aviso de novas matérias.

      Eu que agradeço. Abraço do editor.

      Excluir
  17. SAUDACOES,
    LEMBRO-ME QUE O TITULO É MAIS OU MENOS O SEGUINTE:
    AS DEUSAS DE JAVA
    SOBRE DUAS DEUSAS PEQUENINAS QUE SAO RAPTADAS E LEVADAS AO JAPAO, RETIRADAS DE SEU HABITAT
    RESGATADAS NO FINAL POR UMA ESPECIE DE BORBOLETA GIGANTE
    FOI A ANOS QUE UM AMIGO ASSISTIU E PRECISA DA INFORMACAO
    OBRIGADA ANTECIPADAMENTE

    ResponderExcluir
  18. Saudações Vivian. Não conheço este filme, e infelizmente os dados são insuficientes para que possa ajuda-la. Obrigado pela visita.

    ResponderExcluir

NOTAS DE OBSERVAÇÃO PARA PUBLICAÇÃO DE COMENTÁRIOS.

1)Os Comentários postados serão analisados para sua devida publicação. Não é permitido ofensas ou palavras de baixo teor. É Importante que o comentarista se identifique para fins de interação entre o leitor e o editor. Comentários postados por "Anônimos" sem uma identificação ou mesmo um pseudônimo não serão publicados e serão tratados como spam

2)Anúncios e propagandas não são tolerados neste setor de comentários, pois o mesmo é reservado apenas para falar e discutir as matérias publicadas no espaço. Caso queira fazer uma divulgação, mande um email para filmesantigosclub@hotmail.com. Grato.

O EDITOR


“Posso não Concordar com o que você diz, mas defenderei até a morte seu direito de dize-la”

VOLTAIRE

Outras Matérias

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...